Café Humorístico

2 Comments


Naquela que é considerada a festa maior do humor científico decorreu na passada semana, na Universidade de Harvard, a cerimónia de atribuição dos já famosos prémios IgNobel. De referir que normalmente, os galardoados são investigadores, cujos trabalhos foram publicados em revistas de grande prestígio internacional. Resta saber, uma vez informados do conteúdo destes mesmos estudos, se devemos continuar a achar a mesma piada a estas coisas.

Bem, os exemplos são divertidos e revelam elevados índices de criatividade. Vejam os premiados de 2008, nas diferentes categorias:


  • Economia: efeito do ciclo ovulatório das dançarinas eróticas sobre as gorjetas que recebem, concluindo que à fase de ovulação corresponde uma maior quantidade de gorjetas;
  • Quimica: ex-aequo, um estudo que prova o efeito espermicida da Coca-cola e outro que prova o contrário;
  • Biologia: descoberta de que as pulgas que vivem em cães saltam mais alto do que as que vivem em gatos;
  • Nutrição: alteração electrónica do som da batata frita, para parecer mais estaladiça;
  • Paz: adopção do princípio legal de que as plantas têm dignidade;
  • Medicina: demonstração de que os medicamentos falsificados mais caros são mais eficientes que os mais baratos;
  • Ciência cognitiva: descoberta de que uma espécie de amiba consegue resolver puzzles;
  • Física: demonstração matemática de que cordeis e cabelos acabam inevitavelmente por se embaraçar;




You may also like

2 comentários:

Virgílio Brandão disse...

João,
estou à espera para ver o debate Obama/macCain e achei este post interessante e, pensei: – «mas não é que fazem sentido!»

Economia. Ora, as mulheres quando estão no período de ovulação são – por questões da natureza das coisas e da procriação - «mais atrativas» para os homem. Logo, faz sentido que, seguindo o intinto natural, os homens notem isso (inconscientemente) e lhes dê mais gorjetas. A lua cheia também conta (convém ver a namorada, amante, amiga colorida, amiga sazonal e consolada neste período) para efeitos análogos - atraem, voluntariamente, admiradores; coisas da natureza...

Química. Se beberes muita coca-cola, usas camisinha; se beberes muita coca-cola com uisqui ou vodka, não usas caminha. Esse é o efeito contraceptivo. Agora, se a usares como Aseptal – antes ou depois – o efeito pode ser uma ou outra coisa. A coca-cola fria, gelada, pode, muito bem, substituir o velhinho «chuveirinho tira susto».

Biologia. Mas é claro! São mais prudentes, além de que não têm tanta necessidade de saltar de porcaria em porcaria (é a natureza do cão a ajudar a natureza das pulgas).

Nutrição. Se comeres batatas fritas pré fritas, entenderás esta conclusão. Mas as comeres durante muito tempo, ficarás pouco estaladiço e mais «fofinho» ou «nutridinho»; a precisar de corridinhas matinais em direcção à Laginha.

Paz. Esta tem uma razão profunda, filosófica; pois as plantas também são dotadas de personalidade, o seu humano (na verdade as pessoas comuns e/ou menos informadas) é que pensa que não.

Medicina. É... Há alguns anos um american representante da Adidas, depois de analisar alguns ténis contrafeitos – apreendidos na Feira do relógio em Lisboa – reconheceu que muitos desses ténis eram melhores que os originais da marca. Bem, se o princípio activo do medicamento falsificado for o mesmo, faz sentido: basta que os mais caros tenham a dosagem correcta; são mais caros, há que manter o rico ganancioso ou o abastado poupado mais tempo vivo.
Ciência cognitiva. É a prova que faltava de que há amibas mais inteligentes que alguns seres humanos (e não pensares em políticos).

Física. Não havia necessidade! Isso dos cabelos púbicos é conhecido desde Adão e Eva; e os cordéis, bem, eles foram inventados pelas mulheres – para amarrar os homens em causa. Por isso se fala no «nó», não é?

Abraço fraterno, vai começar o debate...

João Branco disse...

Hahaha... Grande Virgilio, isto vale bem um post próprio! Abraço!