Polémica Margosa

23 Comments


O meu escândalo nacional é maior que o teu

«A denúncia trazida a público, no último fim-de-semana, por Jorge Santos, líder do Movimento para a Democracia, MpD, está longe de chegar ao fim. Santos acusou o Governo de José Maria Neves de ter celebrado um acordo para a instalação de duas incineradoras na ilha de Santiago, com a possibilidade de incinerar “lixos tóxicos”, o que classificou de “um grande escândalo nacional”. JMN deu o troco e acusou Jorge Santos de não ser uma pessoa credível e ter provocado “um escândalo nacional”.»

Liberal


Comentário Cafeano: eu acho que ninguém está a ver o lado positivo da questão. São todos uns derrotistas, uns bota-abaixistas nunca vistos! Eu, que pensava que nós não tinhamos condições, e que ainda estavamos muito longe disso, para tratar o nosso lixo, que aumenta, aumenta parecendo ninguém preocupar-se muito com isso, afinal de contas, vistas bem as coisas, não só podemos com o nosso lixo, como também com o lixo dos outros.

Independentemente das verdades, meias-verdades ou mentiras que estão implicadas em toda esta polémica, não seria mau aproveitar este momento para discutir e decidir de uma vez por todas uma questão que me parece estrutural:

O que fazer com o nosso lixo?




You may also like

23 comentários:

Rêves à emporter disse...

O lado positivo é que há uma perspectiva de tratamento do lixo em Cabo Verde que tornou-se um objectivo urgente devido ao desiquilibrio territorio/demografia.

De um outro lado corremos o risco de importar lixos de origem desconhecida e criar problemas mais graves aos quais esses mesmos paises exportadores não encontraram as soluções.

A situação é mesmo grave...

João Branco disse...

E sendo grave, e sendo consensual que é grave, andamos a perder tempo com este jogo de empurra empurra em vez de fazer tudo para resolver o problema.

Sisi disse...

A tua questão é bastante pertinente, na medida em que numa altura em que já não se pode negar o aquecimento global, a queima de lixo não me parece a melhor opção...já la vai o tempo em que tínhamos cotas de poluição para vender aos outros países.

João Branco disse...

A minha esperança é que desta polémica saia alguma luz sobre este problema.

MYA disse...

Reciclagem ???

João Branco disse...

Hiiii... estamos a anos.luz. a reciclagem implica mudança de mentalidades, e isso não se importa...

Rêves à emporter disse...

Saltar as etapas não vai ajudar muito. "Como se diz varrer o lixo debaixo da tapete, mais dia menos dia vai-se ter que encontrar uma outra solução."
A começar por:
-Uma lixeira controlada de classe 1 (CET) já ajudaria num primeiro tempo.
-Sensibilização: à reciclagem, ao consumo de produtos que poluem menos, etc...

Um incinerador, dependendo do tamanho (esse é a questão sensivel se no caso for para importar lixo) vai pedir muito mais mão de obra qualificada e financeira, manutenção, tratamento das peliculas finas etc... e mais se fôr para tratar o lixo nacional, terá que haver o transporte entre as ilhas etc... Quem vai pagar por isso tudo? O que vamos dar em troca?

Lendo o conteudo do texto no Liberal diz-se que no processamento haverá possibilidades de incinerar travessas de ferrovias (ferro), que é uma matéria reciclavel e os residuos hospitalares que devem ser incinerados nos hospitais.

Será que o lixo hospitalar em cabo Verde está a ser incinerado como impõe as regras sanitarias?

Rêves à emporter disse...

Ver aqui:
http://no-burn.org/article.php?list=type&type=132

Hiena disse...

...teoricamente "pode" ser um projeto interessante , mas na pratica sabemos o que que se passa... desde do problema da recolha do lixo, ao simples problema de colocar o lixo no contentor(da dificuldade pra alguns em abrir um contentor). Isso implica uma grande mudança de mentalidade , do alto da piramide até a base...A reciclagem, e consequente transformação de lixo em energia pode ser uma solução ao problema de cortes de energia...unico senão é que a ELECTRA està no meio de um dos projectos eh eh eh! deixo dois links pra saberem mais sobre o WASTE TO ENERGy e Energias renovaveis ,se calhar podem colocar as vossas duvidas num dos links que os gajos respondem:
http://www.alternative-energy-news.info/technology/garbage-energy/

http://ren21.org/wiap/detail.asp?id=31

Hiena

Anónimo disse...

no meu ponto de vista uma estação de reciclagem (e transformação de lixo em energia) é menos pior(conhecendo as condicionantes) que uma encineradora...

João Branco disse...

É como eu digo, eis um caso que já nos pôs a PENSAR sobre um assunto estrutural e cuja mentalidade é essa tendência de jogarmos o lixo para debaixo do tapete - bem, por vezes, nem isso, porque há quem nem se importe de ter um monte de lixo á mostra. O Hiena disse algo sintomático, é complicado discutirmos tipos de lixeira, incineradoras ou estações de reciclagem, se não conseguimos que as pessoas não deitem o lixo na rua, mesmo á porta de casa... A primeira grande batalha é a batalhas das mentalidades.

Sisi disse...

É obvio que a solução lógica seria a reciclagem, mas é como disseste João, primeiramente teria-se que educar as pessoas para tal e não seria de um dia para o outro. No entanto CV deveria começar a pensar nisso, até que poderia dar um óptimo negócio...há empresas industriais que importam o lixo reclado.

João Branco disse...

Sisi, é como digo: em primeiro lugar, uma revolução profunda de mentalidades. E isso não se importa (mas também ninguém se importa com isso...)

MYA disse...

"Pronto! E assim andamos, cantando e dançando alegremente...

23 Outubro, 2008 "

Sem comentario!

Anónimo disse...

Eu acredito na mudança da mentalidade. Sei que é dificil mas... há que começar e INSISTIR INSISTIR INSISTIR... até o povo começar a mudar.
Além disso é de pequenino que se torce o pepino: começando pelos mais novos na escola, estes podiam contagiar os pais e familia a reciclar eproteger o ambiente!
EU ACREDITO!!

São.

João Branco disse...

Mya, quem disse isso?

São, a fé move montanhas (mesmo que sejam montanhas de lixo...hehehe)

MYA disse...

TU

João Branco disse...

Ah sim? :)

Johnny disse...

Mya, desculpe o meu atrevimento, mas alguem te obriga vir cá comentar??? Antes de comentar, interpreta bem os dados que tens...
Beijos

João Branco disse...

Jonhy, falo eu por ela: é o seu jeito e não tem nenhuma maldade. Ela é uma pessoa inteligente e o Margoso só tem a ganhar com a participação activa dela. Abraço fraterno.

MYA disse...

Johnny... beijos para ti tambem.

Sanpadjud disse...

A reciclagem resolve apenas uma parte do problema e é efectivamente uma área em que a mentalidade das pessoas é determinante.
O que acho engraçado é ouvir falar em lixo tóxico tentando criar fantasmas: baterias, pilhas, tinteiros e um milhão de coisas mais constituem o tal lixo tóxico. Uma simples caneca de óleo deitada no lava louças causa danos enormes. No lixo hospitalar temos lixo radioactivo. Enfim o assunto é sério e não deve ser tratado com leviandade de facto político. Até porque entre aterro e incineradora uma coisa é certa: é preciso tratar o lixo.

João Branco disse...

É o que eu tenho sempre dito, o nosso maior problema com o lixo hoje em dia chama-se MENTALIDADE. Por enquanto que não se fizer nada de muito profundo em relação a isto, todas as soluções serão sempre insuficientes para resolver este terrivel problema.