Cafeína

3 Comments


«Nem toda a gente acredita na monogamia, mas toda a gente vive como se acreditasse. Todos temos consciência de mentir ou de querer dizer a verdade quando está em causa a lealdade ou a fidelidade. Todos nos consideramos ou traidores ou traídos. Todos sentimos ciúme ou culpa, sofrendo as respectivas aflições. E os poucos afortunados que aparentemente nunca passaram pela experiência do ciúme sexual reagem a isso ou com perplexidade ou com bazófia. Ninguém foi excluído da experiência de se sentir xcluído. E todos ficamos obcecados por aquilo de que fomos excluídos. Por outras palavras, acreditar na monogamia não é muito diferente de acreditar em Deus

Adam Philips in «Monogamia»




You may also like

3 comentários:

Maldonado disse...

Por causa da falibilidade da monogamia nos tempos actuais, está a surgir o Poliamor como alternativa, embora não seja um conceito novo:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Poliamor

http://poliamorpt.com.sapo.pt/

João Branco disse...

Muito interessante...

Virgílio Brandão disse...

Conclusão (seguindo a lógica do autor): Deus existe!

Abraço fraterno

PS: Mais a sério: «a gente vive como se acreditasse» porque acreditamos; a fé é das coisas mais naturais que existe no homem. Se assim não fosse, como é que nos sentariámos numa cadeira? Sempre que o fazemos, praticamos um acto de fé; e nem nos apercebemos disso...