Grande dor das cousas que passaram

3 Comments



A grande dor das cousas que passaram
transmutou-se em finíssimo prazer
quando, entre fotos mil que se esgarçavam,
tive a fortuna e graça de te ver.

Os beijos e amavios que se amavam,
descuidados de teu e meu querer,
outra vez reflorindo, esvoaçaram
em orvalhada luz de amanhecer.

Ó bendito passado que era atroz,
e gozoso hoje terno se apresenta
e faz vibrar de novo minha voz

para exaltar o redivivo amor
que de memória-imagem se alimenta
e em doçura converte o próprio horror!

Carlos Drummond de Andrade


Pintura de Amedeo Modigliani





Dedicado à minha grande amiga Catarina Viana, arquitecta paisagista, mãe de três meninas e um grande coração!




You may also like

3 comentários:

Manu Moreno disse...

Grande Homem bó é Djonsa...Dedika um poema a um mudjer é midjor acto que um homem di curaçom podi fazi nés mundo!!!
Kel abçom di kuraçom pa katarina mãe di familia tbé!!!

Viva Margogoso!!!
ManuMoreno

Manu Moreno disse...

Dexam manda um palavriadu pa és homenageada e...

Mudjer é pureza
Mudjer é beleza
Mudjer é morabeza
Mudjer é prenda di natureza

Mudjer é amor
Mudjer é simbolo maior
Mudjer é poema rimado
Mudjer é prenda divino

Mudjer é más bunita ser dés mundo
Mudjer é involventi proveitoso
Mudjer é irecuzavel poder di atraçom
Mudjer pa nós tudu é um bençom

Kel abçom di kuraçom
ManuMoreno

João Branco disse...

ManuMoreno, já no tava ke sodade de bo! Grand abrasu!