Café Cinematográfico

8 Comments



Quem quiser pode ver aqui o excelente trailer do filme "Tarrafal" de João Paradela. Espera-se, ansiosamente, que o mesmo possa ser apresentado também na cidade do Mindelo.

Ver aqui



You may also like

8 comentários:

Anónimo disse...

Já ouvi falar tanto mal... e de pessoasque não o disseram para destruir... pessoas que gostam do joão e que entendem mesmo muito de cinema... acho que esperar para ver - depois espero uma crítica isenta e sincera... apenas porque confio em ti e na tua opinião (não é só para agradar os outros... pois não?): que é hiper enfadonho, que não trás nada de novo, que parece uma compilação de imagens sem qualquer critério - eu não vi, não posso falar...

Anónimo disse...

Uma justa homenagem aos Homens que decidiram pagar o preço da nossa liberdade!

Porque "A liberdade custa muito caro e ou nos resignamos a viver sem ela ou nos decidimos a pagar o seu preço" (José Marti)

a) RB, anónimo por obrigação

João Branco disse...

Anónimo, não posso também dizer nada, porque não vi. Apenas que gostei bastante da "tralha" e que fiquei com vontade de ver.

RB, isso mesmo!

Cesar Schofield Cardoso disse...

De quem viu e conhece muito o autor

Primeira constatação: o filme é looongo. O filme leva, diria até de propósito, o espectador ao limite da paciência. O filme é o primeiro do autor. Cá por mim, tirava-lhe 30mn.

Agora a parte boa, que é o que FREQUENTEMENTE esquecemos:

É um bomba na história dos nossos dois países: Portugal e Cabo Verde. O campo do Tarrafal foi um crime à Humanidade. O seu período mais negro foi de 1936 a 1954, salvo erro de precisão, período em que, exclusivamente, portugueses sofreram como se sofreu em Auschwitz. Só por isso mereceu toda a minha "paciência" e respeito.

É um profundo trabalho de investigação, demorado e meticuloso, coisa que poucos fazem.

Filmicamente há centenas de sequências memoráveis. É de notar a soberba fotografia e música.

Portanto, a diferença entre o autor e esses "entendedores", é que o autor pode fazer um re-cutting do filme e torná-lo uma verdadeira obra d'arte e os "entendedores" vão continuar a ter como obra, o coice.

João, vê, enfada-te, porque vais, se possível anota as sugestões para o autor que ele as pede e depois também ajuíza.

João Branco disse...

César, és mesmo um exagerado! "Há centenas de sequências memoráveis" num só filme, porra, isso nem o Kubrick e este é só o melhor realizador de todos os tempos...

De resto, arranja lá forma de me mandar uma cópia aqui para Soncent e eu organizo um visionamento para todos os interessados. Que dizes?

Cesar Schofield Cardoso disse...

ok,ok, dezenas :)

(lembrou uma anedota de padre e sacristão)

Anónimo disse...

César... o doc não foi feito para o umbigo e os comentários ouvidos... como tive oportunidade de referir... não foram mal-dicentes, de forma alguma... apenas foram pessoas que não gostaram, e o doc não está imune às crítica, pois não?

Não foi ofensiva a pergunta: apenas notei uma grande dissintonia entre o lido e o ouvido. Como não faço ideia se alguma vez poderei ver queria saber - até porque torço para que tudo corra bem ao João (mas não o vamos pôr no pedestal, tá?)

Cesar Schofield Cardoso disse...

Tá Anónimo. Talvez tenha reagido demais, de tanto ouvir os mal-dicentes. Não o ponho. Sou o primeiro a criticá-lo em pessoa e já o fiz. O que digo é que RARAMENTE oiço um comentário do tipo: "podia ser feito assim..."; "podia tirar isso..."; "posto aquilo..."; "o ritmo não está bom..."; "tirava-lhe meia-hora...".

Precisamos desse tipo de crítica.