Declaração Cafeana

4 Comments




A passagem d'ano é a mais fantástica festa duma cidade que adora festas. Tirando a época do festival de teatro Mindelact que, por ligação especial, recomendo a todos aqueles que apreciam artes cénicas, é nestes últimos dias de Dezembro que mais vale a pena uma visita à cidade do Porto Grande. Há dois aspectos que gostaria de salientar desta passagem, que são precisamente, o início e o fim da festa.

Ao banharem-se no Ganges, para o primeiro banho de cada ano, os fiéis do hinduísmo purificam a alma, isto é, libertam-na dos pecados cometidos desde as três vidas anteriores até à encarnação presente. Durante o banho, eles cantam: «Ó Sagrada Mãe Ganga, ó Yamuna, ó Godavari, ó Sarasvati, ó Narmada, ó Sindhu, ó Kaveri, que vocês se comprazam em se manifestar nestas águas com que me purifico.»

No Mindelo, o início do banho colectivo dá-se há meia noite da primeira noite do ano, numa praia bem no meio da bela baía da cidade, cujas águas durante o ano só servem para limpar os cachorros sarnentos da urbe, merecendo por isso o baptismo pouco recomendável de "praia dos cachorros". Querem maior lição de democracia e de fé do que essa? Para já, vai ao banho gente de todos os extractos sociais, e depois esse banho de imersão de anticorpos é efectuado nas águas mais desprezadas pelos habitantes nos restantes dias do ano. Querem uma vacina contra doenças? Tomem o primeiro banho do ano na praia de catxorr! E nos últimos anos, melhor ainda, porque toma-se o tal banho purificador com o céu a explodir de cores em cima da nossa cabeça! E talvez seja a altura, a melhor e a mais justificada, para se pode gritar, a plenos pulmões, "soncent é sabe, é sabe pa cagá!". Digo: só quem não viveu esta versão mindelense do banho de purificação indiano, pode desprezar o grito de amor à cidade que, em uníssono, é lançado aos ventos, sob o olhar atento do Monte Cara.

Se o início da festa é quase orgásmico, o final é de uma confraternização e boa energia arrepiantes. Esse mesmo povo que se banhou e fez a festa, uns mais fuscos que outros desaguam na Praça Nova a partir das 08 de manhã e ali esperam pela passagem da banda municipal que inicia um percurso pelos bairros, ruas e becos do Mindelo tocando um recordai ritmado e afinado, todo ele baseado em instrumentos de sopro e numa pequena bateria com um bombo e duas caixas de ritmo. A banda vai tocando, o povo atrás e à frente cantando, pára e arranca, pára e arranca. Sem pressas. Sem stress. Sem desvarios. Sem violência de nenhuma espécie. Apenas com aqueles que ficaram em casa, saindo pelas portas ou aparecendo nas janelas e varandas, para cumprimentar, abraçar e beijar quem ainda se encontra em festa, ao som de uma banda que nos faz lembrar, pela situação, som, cores e humanismo, ter saído de um filme de Kusturica.

Há quem, como eu, se vá deitar mais cedo e suprima o meio, para melhor apreciar esse fantástico fim de festa. São nestas primeiras horas do ano, em que acompanhamos a banda municipal tocando sempre o mesmo tema sem cansar-se nem nos cansar; em que vemos o povo em festa cumprimentando aquela outra parte que desperta; acompanhando o cortejo multifacetado que nestas circunstâncias peculiares se forma nas primeiras horas da primeira manhã de cada ano; que pensamos que afinal de contas nem tudo está perdido, e que esta energia que imana das gentes não pode ser apenas um sonho irreal de um povo em festa mas sim um vincado sinal de esperança no futuro.




You may also like

4 comentários:

Catarina Cardoso disse...

Com um encanto diferente, talvez mais contido do que aí em S. Vicente, umas das tradições mais bonitas, que tive o privilégio de conhecer na Praia, é exactamente a de dar boas festas- é lindo! Este ano tive muita sorte e fartaram-se de me dar boas festas com música de fundo!

Bom ano novo!

Anónimo disse...

Feliz Ano Novo

Anónimo disse...

BELO TEXTO JOÃO.

NEM TUDO É PODRIDÃO

BOM ANO

TCHALE

João Branco disse...

Catarina, e é tão bom!

Anónimo, obrigado e igualmente.

Tchalê, essa frase resume bem o espírito desta declaração: nem tudo é podridão. Bom ano pa bo!