Plágio 28: Guerra de Cobardes

15 Comments



Este texto, publicado no Jumento, vai ao de encontro do que tenho escrito no Café Margoso sobre este tema. Então é assim:

"São cobardes os que usam um imenso poder militar para fazer atacar aquilo que se assemelha mais a um campo de concentração do que a uma parcela de país.

São cobardes os que medem as suas vitórias militares em imagens de crianças do seu próprio povo mortas ou feridas, tudo fazendo para que as bombas israelitas atinjam civis usados como chamarizes.

São cobardes os países árabes e da Europa que vão dando uns guinchos de protesto enquanto espera que Israel faça o serviço.

São cobardes alguns grupo de esquerda europeus que estiveram caladas enquanto choveram mísseis Qassam sob Israel e esperaram pela fotografias do costume para se apossarem da luta dos palestinianos transformando-a na sua própria bandeira, transformando a solidariedade num mero exercício de oportunista.

São cobardes os fundamentalistas de todo o mundo que se armam em heróis enquanto são os palestinianos que morrem.

Esta guerra é um festim para os cobardes de todo o mundo, incluindo alguns cá da terra."


Comentário Cafeano: E por falar em "cá da terra", então os nossos líderes, nada? Nem uma palavra? Cabo Verde não faz parte da Nação Global? Ou o silêncio é para seguir a estratégia do Presidente americano eleito?





You may also like

15 comentários:

b disse...

João, coincidência ou não, acabei de vir do Jumento de onde sai de boca aberta, olhos arregalados e revoltada com isto tudo. Estas imagens falam. O mesmo que a minha consciência...:-(.

ora et labora disse...

a realidade é que a pouco efeito servem as palavras, mais palavras, face a uma recorrência desde antes da Bíblia

sabemos o que sabemos e sabemos que não sabemos muito, como ninguém o sabe

mas a uns exigimos acção, a outros palavras, a nós próprios comoção, análise, perplexidade ou compreensão

e quando alguém ergue a bandeira da paz ou da convivência, seja por via teórica ou prática, política ou diplomática, reflexiva ou pragmática, logo alguém lhe dispara algo contundente, a poder de orações e discursos, munições e artefactos, eleições e sinecuras

mas uma interrogação perdura:

porque será que uns amam a vida e outros amam a morte?

ou de outra forma: porque será que Mães choram a incorporação dos Filhos e outras Mães rejubilam com o martírio dos Filhos, estas acreditando mais noutra vida que nesta!

e porque achamos nós que há lugar a conciliação, numa terra por divina eleição a todos prometida ?

onde vimos nós a paz?

na abdicação de um dos lados, com muitos exemplos do respectivo extermínio que não auguram a tal solução perenidade!

e na liquidação de
de um dos lados, algo mais duradoura mas de preço elevado a pagar, maior que a recorrente guerra de parada e resposta

que querer então?

dizia o Papa João XXIII (como aliás tantos outros entendidos - de qualqer fé ou nenhuma - em assuntos próprios da miserável condição humana) que o desenvolvimento é o novo nome da paz

até podia ser: mas para isso a educação tem que evoluir em todo o planeta, com abertura de espírito a todos os credos, cultura e ensinamentos, em direcção a cada habilitar cada ser humano a ser capaz de pensar por si próprio

o que implica enorme humildade, provavelmente mais que a existente no mundo

por isso, se o silêncio for sinal de recolhimento reflexivo ou humilde escuta, estaremos talvez em bom caminho

oxalá

Anónimo disse...

Claro que Cabo Verde deve posicionar-se e firmemente. Na falta de embaixadores para expulsar devemos de imediato dar conta da nossa disponibilidade para enviar um contingente junto com as forças das NU que mais tarde ou mais cedo (é a enésima reprise do mesmo filme) vai garantir um corredor de segurança na faixa de Gaza. Ainda antes do imediato anterior devíamos imediatamente fazer saber ao Obama que ou reage ele ou reagimos nós. Hehehe. Desculpa achei graça... concordo com o óbvio que foi dito no Jumento. Principalmente com o exercício oportunista da solidariedade!

Anónimo disse...

E o que dizer do silêncio absolutamente ensurdecedor do Governo e do Presidente da República deste País à beira mar plantado?

Reunião nas Lajes, já!!

a) RB, anónimo por obrigação

João Branco disse...

Nem mais!

antonio santiago oliveira disse...

Os EUA e a EO são os responsaveis por esta e outras guerras a caminho.
Israel evoca o terrorismo/hamas para,com o apoio das potencias amiga,exterminar o povo palestino.
O TPI so para os pmd e o bush retira de consciência tranquila de ter inventado a democracia de exterminação e de salvação,com o dinheiro do povo,do crime financeiro mundial.
Obama é mais um americano...!

Ainda bem que o Israel não está em Somália como era previsto.

ASOliveira

Anónimo disse...

Para quem quiser (e puder) ir: Concentração contra a invasão de Gaza hoje, às 18 horas, no "check point" da Embaixada de Israel em Lisboa, à Rua António Enes.

a) RB, anónimo por obrigação

Arsénio disse...

Bom, em relação ao nosso Obama, ele vai continuar sem comentar muito (ou nada) e faz bem.

Todos nós sabemos que quando a América espirra, todos nós sentimos gripe.

Se o Obama vai falar da Faixa de gaza, que fale também dos Zimbabués, dos Congos, e dos ...
Essa África também conta.

Falou dos nossos lideres?
Aonde?
Com a trabalheira que têm no Parlamento (a guerrear) não têm tempo para saber o que se passa pelo mundo afora.

João Branco disse...

António, excelente comment. Volta sempre.

RB, se for como a última. Poucos mas bons porque a Palestina é muito longe. Aqui, nada. Até agora.

Arsénio, continua calado e ainda bem? Explica lá isso melhor. Então aquele que vai ser o homem mais influente do planeta continua calado e ainda bem; e os nossos governantes - que tem imeeeeensa influência no mundo global, continuam calados, e ainda mal? Que coerência...

Ariane Morais-Abreu disse...

Muito de acordo com a tua ira desabafada, JB!!!

Caminhamos, sim, rumo ao "genocidio" programado do povo palestiniano de que ninguem quer ouvir falar ha decenias. Pois era antes do surgimento dos "fous de dieu" uma resistência laica, o combate dos Palestinianos junto da OLP, a religiao era questao intima, segundaria. Podemos hoje desesparar dos poderosos mas nao do espirito humano porque a dicotomia politica entre o "bem e o mal" tem vida curta face a veracidade historica que acaba de ilustrar com muita força e coragem o livro "Comment le peuple juif fut inventé: de la bible au sionisme" de Shlomo Sand (historiador judeu de Tel Aviv). Demostra este ensaio que podera ser os Palestinianos os verdadeiros descendentes dos primeiros judeus instalados naquela regiao!! De outro lado, eu nao ficaria surpreendida se os judeus fossem descendentes dos Africanos (de la Corne), sao muitas as semelhanças historicas escavadas da epoca faraonica. Também neste ramo cientifico, podemos citar o Cheikh Anta Diop que foi um eminente precursor com "Civilisation ou Barbarie", "Nations nègres et culture"...

João Branco disse...

Ariane, sabe bem ter-te de acordo ma mim! Voltá sempre!

Anónimo disse...

A solução do conflito passa entendimento obrigatório. No entanto gente louca, fanática e que não olha a meios recusa o direito de existência de Israel, boicotando qualquer iniciativa.

Como democrata devias rever-se mais no modelo de sociedade de Israel do que no modelo de quem, se lá vivesses, te matava se ousases abir a boca.

Insitir-se na visão dos bons e dos maus é obra dos fanáticos do Islão ou de gente desligada da realidade

Tanto falatório esqueces, ou ignora (o que é pior) que a acção de Israel ocorreu após o bombardeamento de diversas cidades israelitas por parte do Hamas.

Tratou-se de um acto de represálias, evidentemente. Condenável sem dúvida, como foi condenável o bombardeamento sobre civis lançado pelo Hamas. Mas natural em estado de guerra, que é aquele que se vive na região.

Quem desencadeou a violência sabia que Israel iria responder, e o Hamas aproveita desejoso de mais mortes e contente por muitos ocidentais pensarem nos "bons e nos maus", e fazer propoaganda no mundo ocidental. O que aliás é bizarro ver gente que defende os direitos das minorias a defender os maiores ditadores do globo, gente que defende a escravatura, a pena de morte a quem muda de religião, a negar direitos às mulheres, a matar gays, etc...

Enquanto a Força Aérea da Magen David tem especial preocupação em ser rigorosa e precisa nos seus ataques cirúrgicos, de modo a fazer o menor número de baixas civis que for possível, sendo que Israel trata depois dos feridos palestinianos, o Hamas, pelo contrário, tenciona pura e simplesmente assassinar judeus,e usa escudos humanos há muito tempo - vê também este link http://www.frontpagemag.com/Articles/Read.aspx?GUID=512E990B-82F5-4BFE-BBD7-D63AD0BEA5B1

Alguns links que mostram TAMBÉM o outro lado.

A considerar também as manipulações que têm existido nesta guerra, que ajudam a demonizar, ainda mais, Israel



1. OS ESCUDOS HUMANOS http://www.minutodigital.com/actualidad2/2008/12/30/hamas-utiliza-civiles-como-escudos-humanos-frente-a-la-operacion-contraterrorista-de-israel/

2. O canal televisivo francês France 2 revelou ontem que, para ilustrar a destruição causada pelas forças israelitas em Gaza, mostrou fotos de 2005 nas quais se vêem dezenas de corpos cujas mortes foram causadas por... militantes do Hamas... que tinham feito explodir um camião cheio de explosivos... num campo de refugiados... http://www.jihadwatch.org/archives/024274.php#comments
3. Uma palestiniana que culpa o Hamas pelo que se passa http://www.nydailynews.com/opinions/2009/01/06/2009-01-06_from_her_lips_to_gods_ear_the_fury_of_a_.html
4. O benemérito Hamas a ameaçar matar crianças judias http://www.timesonline.co.uk/tol/news/world/middle_east/article5454204.ece
5. O HAMAS orgulha-se de usar escudos humanos http://www.dailymotion.com/video/x7vy8r_hamas-fathi-hamad_news
6. Um exemplo de ISRAEL EVITA MATAR CIVIS; O HAMAS QUER MESMO QUE MORRA O MAIOR NÚMERO POSSÍVEL DE CIVIS
Sintomático: as forças israelitas, tomando conhecimento que determinado prédio de habitação albergava armamento do Hamas, avisou os seus inquilinos para que abandonassem o edifício o quanto antes, antes do ataque israelita. http://www.jihadwatch.org/archives/024166.php

7. O destino da ajuda humanitária da palestina, ou como é mais prioritário comprar armas do que comprar comida - http://www.minutodigital.com/actualidad2/2008/12/30/espana-gasta-240-millones-de-euros-en-ayuda-a-los-palestinos/
8. enquanto perante o Ocidente se faz de vítima dos ataques israelitas, tem para com o seu próprio povo outro discurso - festeja a morte de civis israelitas. Isto mesmo admitindo que a esmagadora maioria dos mortos palestianianos são neste momento de soldados do Hamas... ainda assim, o Hamas insiste em querer atingir os alvos civis israelitas http://www.frontpagemag.com/Articles/Read.aspx?GUID=512E990B-82F5-4BFE-BBD7-D63AD0BEA5B1
9. Já se sabe que a judiaria é que é malandra, porque se atreve a defender-se do Hamas que anda há semanas a disparar mísseis contra Israel, mas, entretanto, o Egipto, país muçulmano, acusa o Hamas de não deixar que milhares de vítimas palestinianas passarem a fronteira para receberem tratamento em terras egípcias. Pois - é que as vítimas dos bombardeamentos são objectos de propaganda porreiros para que a imprensa ocidental as exiba ao mundo, que é para continuar a fazer do governo israelita o mau da fita...

Ariane Morais-Abreu disse...

Sera a razao do mais forte (militarmente falando) a melhor??!!! A desinformaçao "guerreira" de Israel funciona bem. Nao se pode refletir com clichés, sr anonimo. Acha realmente que os ataques de Israel sao "cirurgicais", como alias os ataques da invasao americana no Irak?! Esta guerra nao cura, nao, faz limpeza etnica e geografica. Depois das oliveiras, rouba o colonialismo israelita o resto da terra. Fica mesmo indecente esta conversa sobre as vitimas dos bombardeamentos. Sabe contar o sr anonimo, entao que adiciona todos os mortos palestinianos e israelianos desde de 1948 e vera a tremenda disproporçao desta guerra de ricos contra pobres. Sempre a mesma cantiga!! Israel nao precisa de ninguém para demonizar a si mesmo. O Hamas nao é o povo palestiniano como o PAICV nao é Cabo Verde!! O que nao deve saber o sr anonimo é que esta guerra é meramente um pretexto eleitoralista que serve ao actual governo de "esquerda" para conquistar eleitores (de direita a extrema direita), uma demonstraçao de força bruta que visa a reconfortar a opiniao publica, nada mais... A evidência demostra que os Israelitas querem toda a terra so para eles baseando tal exclusividade sobre uma mitologia que eles mesmos, os judeus, estao quebrando. Sera a religiao o pior amigo ou o melhor inimigo do homem?!!

Anónimo disse...

Ariane,

Apanha o avião para Portugal, encontra usn nazis e faz uma festa com eles sobre o tea "como acabar com Israel"

Como disse antes tratou-se de um cto de represálias, evidentemente. Condenável sem dúvida, como foi condenável o bombardeamento sobre civis lançado pelo Hamas. Mas natural em estado de guerra, que é aquele que se vive na região.

O facto de Israel ter menos baixas não significa que tenha mais ou menos razão, e como argumento numa guerra é absurdo.

Achas o entendimento possível? com gente que promove o suicídio, a perseguição a quem não é islâmico,que mata o seu próprio povo por questões de propaganda.

Quanto à religião: é ese o problema: tu se fores ateia ou católica podeies viver em Israel, mas no meio dos seus vizinhos tapan-te, fecham-te em casa e usam-te daforma que quiserem

Este guerra, como todas as guerras, tem mais pretextos do que as eleiçõies de Israel, e esses pretextos estão de ambos os lados.

Esta guerra nao cura, nao, faz limpeza etnica e geografica, na medida em que Israel querendo tem meios parafazer muito mais baixas, e cometer um genocídio efectivo, no meio de um território bem pequeno.

Ariane Morais-Abreu disse...

No ultimo ponto estou de acordo contigo sr anonimato,"Israel querendo tem meios parafazer muito mais baixas, e cometer um genocídio efectivo", a unica coisa que o impede de calcar no butao é talvez o peso da propria alma dos judeus, o medo. Leur peur est leur propre destruction.

Nesta guerra nao podemos ver os paises,as fronteiras geograficas e mentais, somente os homens, todos os homens.