Declaração Cafeana

16 Comments



Num destes dias, estava a falar ao telefone com um jornalista crioulo, que vive neste momento no estrangeiro e ele dizia-me: "o que está acontecendo na blogosfera cabo-verdiana é fantástico. Hoje, os blogues são um dos principais focos de informação e de debate aberto de Cabo Verde, para e entre cabo-verdianos. O jornalismo devia acordar para esta realidade." A página que o semanário A Nação resolveu dedicar aos blogues cabo-verdianos são mais um sinal desta dinâmica.

Mas o que me irrita mesmo é que nestes últimos tempos quando se fala da blogosfera, muitos utilizam termos que já se transformaram em lugares comuns vazios de significado porque, na minha opinião, desligados da realidade. Fala-se demasiado de umbigos, de ciclos fechados e mutualistas, de masturbações individuais e colectivas, de palmadinhas nas costas. Porquê? É mesmo assim? Não, não é.

Sinceramente, não entendo. Quem quer ter um blogue pode tê-lo, quem tem vontade de comentar, pode fazê-lo. Quem se quiser juntar em correntes pode juntar-se. Quem quiser promover novas correntes, não tem nada nem ninguém que o impeça de fazer. Quem desejar lançar novos temas para o debate, fá-lo sem qualquer impedimento. Mas a verdade é que, apesar desta realidade, hoje não se pode referenciar ou elogiar nada nem ninguém: são "palmadinhas nas costas". Hoje não se pode falar de um outro blogueiro em termos elogiosos: são "masturbações colectivas". Hoje não se pode criticar de forma construtiva um texto ou acção de um outro blogueiro: é "sede de protagonismo e popularidade". Sinceramente, acho que isso não faz qualquer sentido.

Óbvio que os blogues são pessoais. Mais uma razão para se juntarem, se lhes apetecer. Qual é o problema? É que estamos perante um discurso contraditório. Se os blogues são pessoais, é porque são masturbações intelectuais, voltados para os umbigos respectivos, autistas, pseudo-intelectuais e não se sabe mais o quê. Se os blogues se juntam, como no caso do BlogJoint, é porque são masturbações colectivas, circuitos fechados e outros quejandos. Mas porquê? Digam-me. Alguém que se quis juntar foi impedido? Que eu saiba não!

Cada um tem o seu blogue por alguma motivação. Essa motivação pode ser pessoal, certamente. Mas acredito que a maioria o faz porque pensa sinceramente que pode contribuir, é um exercício de cidadania como qualquer outro. Porque há-de ser pior ou melhor do que ir para a rua protestar por alguma coisa? Ou fazer parte de algum movimento associativo? Ou fazer parte de um clube? Ou ser membro de uma juventude partidária? São tudo possibilidades que se tem de intervir no nosso meio e na nossa sociedade. Porque raio os blogues hão-de ser assim tão diferentes? Há quem os faça porque gosta de se ver ao espelho? Problema de quem o faz e de quem o visita. O universo blogueiro é totalmente livre, para o bem e para o mal.

Termino este desabafo citando o Marco Santos, do (excelente) blogue Bitaites, que comemora o seu 5º aniversário: "entendo por blogger generoso alguém que gasta horas não a coçar os seus poéticos tomates, mas a valorizar o espírito de partilha, a vontade de transmitir e receber conhecimento, dar e receber ideias, alguém que escreve pela música, pelo cinema, pela arte, pela ciência, por aquilo em que acredita, enfim, pelas pessoas. Enriquecem todos os dias este mundo da Grande Conversação, como lhe chamou o jornalista italiano Giuseppe Granieri. Muitos não têm um décimo do reconhecimento que merecem, mas são eles os responsáveis pelos verdadeiros blogues de topo, as referências da blogosfera. Podem ser culturais mas não são elitistas, políticos sem ser politiqueiros, polémicos mas sem usar a maledicência ou a calúnia."

A forma como se tem debatido, e apenas para citar os últimos exemplos, o Ensino Superior em Cabo Verde, a nomeação de Varela para o Supremo, o caso Murdeira, a política cultural do país ou as mentalidades reinantes e que urge combater, é a melhor prova de como a blogosfera cabo-verdiana está viva e aberta ao debate, cheia de saúde e que não merece as etiquetas que lhe tem sido colocadas, sabe-se lá com que motivações. Agora, se quiserem considerar este texto como mais uma masturbação individual, colectiva ou menage-a-trois, uma palmadinha na costa de alguém ou admiração do próprio umbigo, problema vosso. Eu sei ao que venho e porque estou aqui.


Ilustração de Pedro Madeira Pinto



You may also like

16 comentários:

Caboverdiano disse...

Eu vim ao Blogger para postar um artigo, mas ao ler este teu, parei. É que tenho que ir trabalhar daqui a pouco e o tempo já nao dá.

Porra JB! Se fosse no futebol dizia que "Já bo intchi pé" e foi um golo do caraças. Se esse texto nao calmar os animos desses irriquietos, vai de certeza motiva-los a criar o seu próprio blog. E é claro que ficariamos todos felizes, a "masturbar" de contentes.

de tribuna disse...

Parece que é preciso ouvir uma verdades para voltarem à terra.

A crítica feita aos blogers é tanto verdade que os mesmos sabem.

Complementanto o seu raciocínio, quem vos critica também está contribuir para o vosso aperfeiciamento.
Se quiserem aproveitem, se não, continuem no "choro colectivo"!!

João Branco disse...

Caboverdiano, pois é? Aliás, o comentário do compadre aqui em baixo é elucidativo.

Da Tribuna, vamos lá ver. Quais verdades? Aqueles que estão escritas neste texto? Leste o texto, mas olha que não parece. Se são as do costume, aliás implícitas na tua expressão, "choradinho colectivo", já disse porque não concordo com elas.

E tu? Como fundamentas esse teu comentário? Que verdades precisamos de ouvir e porquê? Mandar bocas é fácil, mas fundamentá-las dá muito trabalho, não é?

E as críticas a este blogue serão as mesmas aos que fazes aos outros? Todos diferentes, todos iguais?

A crítica é muito bem vinda, naturalmente. Mas que vá um pouco mais longe que a simples e costumeiras bocas, que já não adiantam para nada.

Quanto ao resto, volta sempre! Abraço.

Adriano Reis disse...

João, o artigo é optimo e digo-te sinceramente, desde que o pessoal começaram a fazer blog´s tenho vindo a saber mais das novidades do meu País.

um abraço irmão

Anónimo disse...

Quem fala assim não é gago!

Margarida Conde disse...

Um post que diz tudo. Ninguém é obrigado a ler os blogues, ninguém é obrigado a ler os jornais, ninguém é obrigado a ver televisão. E graças a Deus que é assim e, que vivemos numa sociedade livre, onde a liberdade de expressão é um direito. O tempo da opressão já lá vai.
Mas João voltamos ao mesmo, enquanto algumas pessoas não aprenderem a lidar com a crítica não vamos a lado nenhum.
Lembras-te do post que colocaste sobre a dificuldade que por vezes temos em rirmo-nos de nós próprios. Passa um pouco por ai.

Ainda bem que existem os blogues e que existe discussão! Quem é que não gosta de um bom debate de ideias? Desde que seja feito de forma construtiva, acho que deve ser aplaudido.

Não é a falar(escrever) que nos entendemos?

João Branco disse...

Adriano, um outro para essa lado!

Anónimo, certamente!

Margarida, uma coisa é uma critica sustentada, outra, muito diferente, é o lançar para o ar uma frase feita que já nada tem a ver com a realidade. E quem não concorda com esta ideia é só cá vir debater com ARGUMENTAÇÃO e não clichês batidos. Abraço e obrigado pela participação!

Margarida Conde disse...

Não podia estar mais de acordo, João. Debate sem argumentos, sem ideias, não se poderá chamar de debate.

O problema é saber argumentar ou como é apresentada a crítica e/ou o comentário, que muitas das vezes é usado para ataques pessoais ou então para argumentos imaturos como: "Hoje elogiou-o (a) mas ontem escreveu um comentário a dizer mal do que ele (a) escreveu noutro post".

Quer dizer lá porque hoje não concordei com aquela ideia, de tal blog, não significa que amanhã não poderei estar de acordo com outro post, que, na minha perspectiva, está bem escrito e principalmente bem defendido.

Tem de haver discernimento.

Por vezes discordo dos meus amigos mas isso não significa que amanhã não estejamos de acordo noutro tema.

Isso chama-se ter opiniões diferentes, seria tudo uma grande chatice, sem graça, se todos estivéssemos sempre de acordo.

Deixaria de haver estes debates calorosos e construtivos.

Quanto aos clichés batidos, esses, valem o que valem...

Um abraço e espero reencontrar-te no Carnaval em S. Vicente. Estou curiosa para conhecer o famoso Mindelo que toda a gente elogia.

Um abraço

João Branco disse...

Cá estarei á tua espera, para uma visita guiada ao carnaval mindelense. Abraço!

Amílcar Tavares disse...

Olá!

Acho que anda por aí uma enorme falta de sexo!! :)

Um abraço.

João Branco disse...

:)

JonDays disse...

Ao ler este post surgiu-me uma espécie de dúvida metafísica, e pensei que se Fernando Pessoa vivesse neste tempo de internet, talvez tivesse um blog, pois os seus textos funcionam muito bem como posts - considerações teleológicas e sensações subjectivas do eu - e talvez esse seu blog se chamasse http:\\desassossego.blogspot.com ( q por sinal já existe, fui ver agora ). Isto leva-me à ideia que um blog desses poderia ser visto como a tal actividade masturbatória de que falas... porque ele não falava de cinema e cultura, falava dele e principalmente dele ( de quem mais podemos falar se não de nós ? ) agora o que ele não sabia, nem tão pouco nós sabíamos, era que a sua prosa, iria ela própria figurar como ícone de uma nova cultura, etc,etc... de onde se demonstra que qualquer conteúdo bloguítico é válido, mesmo aqueles que no presente nos possam surgir como espelhos de vaidade... enfim só queria deixar esta ideia em jeito de alerta!!! Bons blogs !!!

João Branco disse...

O Fernando Pessoa se vivesse hoje e tivesse um blogue, estava fo.... hehehe Belo comentário.

velu disse...

Pois é......a evolução é uma coisa complicada! Estamos todos aqui, para evoluirmos... uns conseguem, outros não! Vão ter de voltar muitas vezes ainda...
Eu tenho o meu blog, sem pretensão nenhuma e me sinto muito bem obrigada. Como dizes e bem, ninguém é obrigado a nada, sequer a entrar neste universo, ora p....
Abração.

João Branco disse...

Abraço, Velu. Deixa marcas aqui mais vezes... Dá gosto!

Virgílio Brandão disse...

João,
podes me arranjar esse texto do «A Nação»?

Abraço fraterno

PS: Sei o que é uma punheta, mas não sabia que o teclado do pc dva para isso... ganda nois de descoberta, essa!