Declaração Cafeana

12 Comments


O poeta Filinto Elísio escrevia um destes dias sobre a visão macro e micro da vida. E foi pertinente, porque de facto vivemos a duas dimensões, e tal como existe uma macro e uma micro economia, também existe um macro e um micro em tudo o que nos rodeia. Como em tudo na vida, o segredo está no equilíbrio, creio.

Mas há dias, como o de hoje, em que nos apetece esquecer o macro da crise económica, das teorias da conspiração, das invasões, das crianças martirizadas de Gaza, dos blogues, da política cultural, da tomada de posse de Barack Obama, dos candidatos aos Óscares, do Alupec, dos assaltos patrimoniais, da falta de cinemas no Mindelo, da parceria especial, da revisão constitucional, da revolta grega, dos monopólios, dos banqueiros falidos, do desemprego, das palavras do Papa, dos Santos e Pecadores desta nossa aldeia global.

Há dias, como o de hoje, em que o micro é tão infinitamente mais importante, e quando nos apercebemos disso, desligamos o computador e a televisão, esquecemos a Internet e os noticiários, saímos para a rua, vamos ver o mar, bebemos vinho tinto com os amigos, falamos de Buda e do Monte Verde, ouvimos poesia, celebramos amores antigos e permanentes, promovemos pequenos e íntimos cerimoniais em homenagem a Dioniso, contamos uma história para a filha mais nova, fazemos aquele telefonema só para dizer estou aqui, olhamos para dentro de nós, para ver que somos, afinal de contas, como todo e qualquer um, Santos e Pecadores desta nossa aldeia individual.



You may also like

12 comentários:

Anónimo disse...

Hoje, apetece-me luto.
Luto em homenagem aquele que num dia como este caiu acreditando num futuro melhor - Amilcar cabral.

Anónimo disse...

É mesmo! Às vezes também me apetece

Evadir-me, esquecer-me, regressar
À frescura das coisas vegetais,
Ao verde flutuante dos pinhais
Percorridos de seivas virginais
E ao grande vento límpido do mar.

(Sophia de Mello Breyner Andresen, Obra Poética I)

a) RB, anónimo por obrigação

Tamara L. Allgäuer de Melo disse...

Que foto linda!!!
Demais!!!
Abraço.
Tamara.

manu moreno disse...

tudo, é o sentir:

Amigos dja pidi!
Muzika sta toka!
Amigos ta badja...
Dja no sta ta divirti...

No ta brinka!
No ta kanta!
No ta salta!
No ta fazi roda!

Festa dja cumeça...
Pessoal sta ku confiaça...
No ta da volta...no ta corri...
Pa traz...pa frenti...

Ali ka tem mikro/makro e raça!
Ka tem kor...
Tudo sta na mesmo bapor!
Tudo dja enlaça!

Muzika ta toka!
Amigos ta badja!
Amigus dja pidi!
Dja no sta ta divirti!!

Kel abçom di coraçom!!
ManuMoreno

João Branco disse...

Anónimo, continuo a pensar que a melhor forma de honrar Cabral e a sua memória, não é a adopção do luto, mas sim da luta...

RB, essa "mania" de comentar com poesia é deliciosa...

Tamara, captada no Google, e não sei o autor...

ManuMoreno, muito bem! Abraço grande!

Eileen disse...

Escreveste bastante bem, João!

Anónimo disse...

João há quinhentos anos que vivemos em crise nestas ilhas. Os Americanos e os europeus é que falam de crise. Nos não!!!...CRISE E QUE CRIÁ GENTE DENTE.

TCHALE

José Eduardo Fonseca Soares disse...

Muito bem, JB. Falastes em equilíbrio. É isso. Equilíbrio é arranjar tempo para, quase todos os dias, saborear estas coisas todas ao mesmo tempo que se continua 'ligado' com o mundo e a 'vida lá fora'... não?

João Branco disse...

Eileen, Tchalé e Tchá: eis três amigos que me fazem centrar no micro! Se houver vinho tinto então! Boa conversa garantida! Abraço aos três.

Tamara L. Allgäuer de Melo disse...

João, você deixa eu "roubar" essa imagem?
Abraço.
Tamara.

João Branco disse...

A imagem não é minha. Acho que sim!

Tamara L. Allgäuer de Melo. disse...

João, obrigada!
Sempre tão generoso.
Abraço.
Tamara.