Um Café Curto com Dedicatória

5 Comments



«Por todo o lado cresce o deserto. O "império", o "capitalismo", o "biopoder", o "espectáculo" - os nomes para o descrever são tantos como as formas de resistência que se lhe opõem. Aos anos do neoliberalismo triunfante sucedem-se guerras infinitas e crises mundiais. A mudança de época é assinalada por momentos de conflito social e de subversão do quotidiano que tomam as ruas das grandes metrópoles, ocupam espaços e atravessam corpos, redescobrindo o prazer cúmplice do jogo e a partilha da desobediência. Chiapas, Seattle, Kabília, Génova, Buenos Aires, Paris, Barcelona, Atenas - o mapa do mundo enche-se de sinais que apontam a insurreição que vem.»


Um post dedicado a Redy Wilson Lima, do blogue Ku Frontalidadi
(nota: não é uma palmadinha na costa, é um abraço mesmo!)


Para saber mais: http://www.radioleonor.org/
Fonte:
aqui


You may also like

5 comentários:

carlos ferreira santos disse...

Uma ultima reflexão antes de ir pa caminha: (e vai para o John e para o César)

Pesquei muita coisa nestes últimos dois dias, dá para 10 crónicas como o César disse.

Mas fiquei triste:

- Fiquei por saber que choramos por informação, mas quando não gostamos da informação que recebemos, principalmente se não temos a “contra-informação” para rebater, sentimo-nos ofendidos, traídos e já não queremos saber da informação, preferimos atacar todos os outros aspectos… menos a informação.

- Fiquei triste por saber que somos hipócritas, grandes hipócritas, não nos escudamos de atacar meio mundo, principalmente os políticos, mas assim que se ataca um que gostamos, damos em doido, fulos mesmo… de preferência pedimos para que nem mais apareçam aqui no blog…

- Fiquei triste por não sermos coerentes, aplaudimos e aplaudimos uma situação em que um magistrado vem cobrar lei, mas ao mesmo tempo somos contra a lei, que não presta para nós, que não reflecte o nosso estado de espírito, as nossas aspirações… e esquecemos completamente que é precisamente o magistrado … que faz as leis. Que faça então melhores leis… e nos venha cobrar depois. Seja essa a ordem de prioridade.

- Fiquei triste por não termos ainda entendido o real significado da “gestão ambiental”, continuamos a falar em “protecção ambiental”, como se fossemos um bando de “verdes”, completamente alienados por grupos de pressão, que preferimos chamar ONGs.

- Fiquei triste porque uma triste figura como o Al Binda, um completo filho da puta, um grande sacana que nos vem testar ao limite… no fim é aquele que apresenta a posição mais coerente possível, sobre o Estado de Direito Democrático, sobre a gestão ambiental… pena que numa posição extrema, mas é ele que de forma mais consistente faz passar a sua opinião, depois de estuda-la, pensa-la, forma-la… ao contrario daqueles que em 2 minutos dissertaram sobre um assunto que não conhecem nem dominam minimamente.

- Fiquei triste porque deixamos que povos desenvolvidos, muito desenvolvidos nos influenciem nas nossas decisões ambientais, promovendo leis e sistemas mais rigorosos do que aqueles próprios que eles têm, esquecendo no entanto que as nossas populações não vivem nas casas que eles têm, não andam nos caros que eles andam, não têm o nível de vida que eles têm e os seus filhos não terão as mesmas oportunidades que eles têm.

- Fiquei triste por não reconhecermos um pensamento retrógrada na proibição de coisas (principalmente projectos), com justificações improváveis, quando o moderno e o verdadeiro desafio é a gestão ambiental, o uso e a exploração de todo o ambiente até o seu limite máximo de sustentabilidade, permitindo sua renovação… e num país onde ainda grande parte da população ainda vive no limiar da pobreza, onde ainda nem sequer conseguimos providenciar agua, luz, alimento básico em quantidades suficientes para as populações, vetar uma única oportunidade de criar riqueza, simplesmente porque não somos capazes de acreditar na nossa capacidade de criar, modificar, adaptar, gerir e tirar melhor proveito de coisas e situações, é sim o verdadeiro crime.

- Fiquei triste pela nossa enorme capacidade de apoiar e acreditar num magistrado que fez uma indicação, mas ainda não trouxe qualquer informação ao publico, não justificou com nenhum argumento (pelo menos ninguém trouxe praqui os argumentos), mas não temos a mesma capacidade de apoiar nem acreditar num governo que também tem a sua posição, que no entanto ainda não trouxe ao publica, nem justificou… mas preferimos pensar, ah o governo de certeza não sabe e é corrupto e ah o magistrado parece que sabe e de certeza age em nossa defesa. Se o mundo fosse assim de facto… melhor pararmos de ser levianos.

Mas fiquei feliz porque a blogosfera existe e me permite partilhar estes sentimentos convosco e quando me chatear convosco, mando um puta-que-pariu (aprendi com o César) e tudo fica bem, porque tudo está bem, porque vamos todos pra caminha com muito mais coisas do que tínhamos hoje de manhã.

Bom fim de semana…

kiko

João Branco disse...

Olha que eu fiquei muito contente de te conhecer, apesar de opiniões diferentes. Espero que voltes sempre! Bom fim de semana!

Redy Wilson Lima disse...

Um muito obrigado pelo abraço.

João Branco disse...

Redy já foste ao site referido? El tem bô kara! heehe

Ariane Morais-Abreu disse...

Que ja esta na cidade!!!Que nunca a desertou...