Um Café Curto

14 Comments


Segundo noticia A Semana Online, especialistas, utilizadores do Alupec em Cabo Verde, bem como representantes da diáspora nos EUA e em Portugal, vão estar reunidos, a partir de hoje e durante uma semana, para se debruçarem sobre a avaliação e a funcionalidade do Alfabeto para a Escrita Cabo-verdiana e apresentar propostas para as eventuais alterações que reúnam consenso.

Gostei. Principalmente da parte que admite haver espaço e abertura para "apresentar as eventuais alterações que reunam consenso." Porque um dos grandes erros de todo este processo tem sido, do meu ponto de vista, apresentar o Alupec, tal como está, como um facto consumado. Não é. Nem social, nem cultural, nem sequer legalmente. Ainda bem, porque sempre vamos a tempo de melhorar o que pode (e deve) ser melhorado.

E um dia acordar num país onde se aprenda a ler e escrever na mesma língua em que se ama, sonha, discute, partilha, em suma, na língua em que se comunica desde o primeiro sopro de vida.

Boa altura para rever esta Crónica Desaforada, "Ser ou não ser Alupekiano, eis a questão". Foi um debate interessante. Vejam aqui.




You may also like

14 comentários:

Anónimo disse...

isto tem que ir a referendo... será os Caboverdianos a decidir e nao um grupo de Kriol-intelectuais!
quem disse que estamos todos de acordo... que disse que concordamos? com a forma que as coisas estao a ser feitas...

REFERENDO JÁ ...

João Branco disse...

Não vejo isso como possível. Aliás, nem sei se a figura de Referendo é válida na actual Constituição. Alguém me pode informar?

Anónimo disse...

DO REFERENDO

Artigo 102º DA CONSTITUIÇAO

(Princípios gerais e comuns)

1.É reconhecido aos cidadãos eleitores recenseados no território nacional o direito de se pronunciarem, através de referendo, sobre questões de relevante interesse nacional ou local.

2.É proibida a convocação e a realização de referendo entre a data da convocação e a de realização de eleições para os órgãos de soberania ou do poder local, durante a vigência e até ao trigésimo dia seguinte à cessação do estado de sítio ou de emergência, e, neste último caso, só na parte do território declarada em estado de emergência.

3.Cada referendo só pode ter por objecto uma única questão, não podendo, em qualquer caso, serem submetidas a consulta popular as seguintes questões:

Separação e a interdependência dos órgãos de soberania e as competências destes;

Independência dos tribunais e as decisões destes;

Separação entre as confissões religiosas e o Estado;

Designação dos titulares efectivos dos órgãos de soberania e do poder local por sufrágio universal, directo, secreto e periódico;

Pluralismo de expressão, existência de partidos e associações políticas e direitos da oposição;

Direitos, liberdades e garantias constitucionalmente estabelecidos;

Actos de conteúdo orçamental, tributário ou financeiro nacional ou local;

Autonomia das autarquias locais, bem como a organização e a competência dos seus órgãos.

4.As propostas de referendo estão sujeitas à fiscalização preventiva da constitucionalidade e da legalidade.

5.O resultado do referendo impõe-se a todos os órgãos do poder político e às entidades públicas e privadas. O referendo local tem sempre eficácia deliberativa.

6.Cada pergunta a submeter aos eleitores deve ser formulada com objectividade, precisão e clareza, por forma a não sugerir, directa ou indirectamente, a resposta.

7.A lei regula o referendo nacional e local.

Anónimo disse...

Como podes ver o Referendo poderia figurar-se em várias questoes essenciais sobre a oficializaçao do criolo. Por exemplo o ALUPEC como concepçao linguistica; balizas de oficializaçao do crioulo... etc.
eu como Caboverdiana com C e orgulhosamente quero pronunciar sobre isto mas de uma forma decisiva ...

João Branco disse...

Anónimo, obrigado pelo esclarecimento sobre esta questão. Abraço fraterno.

Anónimo disse...

concordo com as ideias aqui lançadas entre os dois ... viva Kriolreferendo...

VL disse...

Alguem me explique para que cargas de agua o Alupec vai servir??? Somo um pais TÃO RICO assim ao ponto de GASTAR um dinheiro QUE NÂO TEMOS para introduzir um ALFABETO que mais de 50% da população não conhece e não compreende?????

Eu sei que as intenções são as melhores, mas será que vale a pena?

Só para completar: Sou de São Nicolau, cresci em São Vicente, e vivo na Praia. Meu criolo falado é mais parecido com o de Santo Antão, mas não tenho problemas nenhuns em falar a variante de qualquer de uma das ilhas. E no msn escrevo o criolo de acordo com a ilha de origem do meu interlocutor, e não utilizo nenhuma das regras do ALUPEC

João Branco disse...

Só para dizer que nesta questão, já disse o que tinha a dizer na crónica referenciada. E não, não sou a favor de um referendo para ESTA QUESTÃO. Acho um disparate. Vai-se perguntar o quê? "Concorda com tirarmos o C do alfabeto?", por favor...

Neu Lopes disse...

João, a imagem faz-me lembrar "Biografia dum Criôl"

Anónimo disse...

ALUPEK! ai ALUPEK... ALUPEK?

U serte e ke nô ten de inisiá/dá kontinuasãu a ese prusese de extandarizasãu de exkrita de nôs linga antex de-l dezaparsê ke tud se rikéza y autentisidade. Y já nô perdê txeu dese rikéza dexde ke maior parte de nôx populasãu ta ser alfabetizóde na purtugês. Sen dexfazê de purtugês pamode el e nha linga tanbê ke N ta utilizá somente kónde e mute nesesare. Konde já N ta extóde nun beke sen saida. Pamode N ka ta dumina-l dret sima e fakte de kuaze tude menine kriol naxside ou krióde na diáxpura. Excepsãu de Portugal y Afrika Luzitania. N tava goxtá de duminá purtugês amdjôr ma nha rialidade e ese. Mi e kab-verdiane-Olandêx y de sima de tude kriolófene.

Ta parseme ke inda txeu jênt ta mute pegóde na sixtéma purtugês de ortografia. U ke N ta konprendê. Ondê kêx ten de pegá max?
Má no ten de levá en konta ke Kriol ou Kab-verdiane e un ôte linga. Já busix pensa se kada imigrante ou fidje de imigrante ben exkrevê kriol uzónde léxike ou alfabete de Olandêx, Suêke, Wolof, Inglêx, Ruse Ixlandêx etesetra(hahaha). Agora ke ese koza tava vra un verdadere Babel. Un barafunda ke ningen max tava pode konprendê. Sin busix exkese ke ma nôx e max kriol li fora du ki ta rezidi la dente de terra e ke ta uzá es linga de Nhô Eugene, Beleza, Nha Naci Gomi ou Manel de Novas?

Pa nôx li na extranjêr, Alupek, apezar de tude sêx gralha, defeite y duénsa infantikl ke-l ten inda, el ta konxtitui un opsãu de nô komeniká entre kriol expaióde pa munde de un forma max normalizóde pusível. Sin ser na Purtugês ke no ka ta duminá dret o ke nô ka ta konxê.
Alupek pode ser un inxtrument indixpensavel y sientifike ke kada vex nô ta bá ta amdjorá konforme nô ba ta inkontrá prublemax na sê uze.

Agora, Guverne y autoridadex nese asunte ten de kumpri sêx palavra y sêx prujet. Senãu nôx tude ta komesá ta furmingá sen nô ten konhesiment sufisient nes problemátika y dixsiplina. Argumente e txeu ma razãu e poke. Txeu de nôx ka ten txide na isénsia des kextãu. Ma guverne y inxtansiax ka ten side tanbê mute koerrente nese asunte ma se pôve. Apezar ke pove en jeral ka ta nen ta sigi es dezenvolvimente. Poke jênt e verdadeiramente intresóde nese prusese de ALUPEK. Na verdade ese prublema e un prublema de ken ki e aututidade na matéria. Era u ke tava ta faltá se nôx tude tinha de ben dsidi se no ten de uzá C ou K. Txeu ta konsidra-l un prublema de luxe. ma el ka e. El e un nesesidade sima un kualker ôte prublema na nôx sosiadade. Kada prublema sê gaveta, sê expesifisidade, sê priuridade, sê fason de aborda-l y rezolve-l.

Nô ten de sigi ke Alupek pa frente.
Algun dia algen fazê kestãu mode ken ke na purtugês no ta exkrevê mexme son fonétike ke S, C, SS ou Ç? Ou mode ken ke S y Z ten mexme signifikóde konde S ta extóde entre dôx vogal. Ma no ta exkreve-l sen interrogá ningen y sen kextiuná ese métede...

N ka kre deze ke ma ALUPEK ten de ser inpinjide a fórsa. Ma maior parte de nôx ka e linguista nen nunka nô debrusá na kriol pa podê inkontrá rexpoxta sientífika sobre determinóde axpéte de nôx lingua nun extude talvez komparative. Nô ta konpará txeu vex Kabe-verdiane y purtugês ma nô ka ta pensá en konpará-l ke linguax afrikanax e ke tanbe influensiá naxsensa de kriol de Kabe Verde. Inda maior parte de nôx intresóde nô tá mute ignurante nes matéria. Pur ise ALUPEK! Pa nô pode komesá na algun lugar y dezenvolve-l pase-a-pase. Ma nô ten de abrasa-l. Ka partisipá nese prusese y boikota-l e matá es fetu antex de-l naxsê. E atrazá max un luta de nôs libertasãu. E kortá un veíkele mute inpurtante na liberdade de ome y ser kab-verdiane

Ou senãu, algén ten de inventá ôte kódige de alfabet pa nô normalizá nôs exkrita. Pa nô pode exkrevê nos pensament kriol, na kriol. Pa no pode alê u ke otex ta pensá y pruduzi na kriol/Kab-verdiane. Pamode konde nô ta exkrevê na ôtex linga nô ka ta tranxmiti nôx verdadera alma kab-verdiana. N tive na exkóla na trêx pais diferênte ke trêx linga diferênte durante nha adolexsénsia y pur ise N ta konsidrá mi mexme testemunha prátike nese asunte. Nada ke ma bô linga materna y natal

Inkuante kada un exkrevê de sê manera nunka nô ta txegá na nenhun lugar. Na dvéra Djon, Jon, John, Joao? (Goze de nha parte, ka bô leva-me a mal Djon)

Y sima algén dzê goxturdia nun intervixta na Asemanaonline.cv ke un pove e ke ka ta exkrevê sê linga ta kabá pa oiá sê linga extingide. Y parseme ke nenhun de nôx krê ise. Nôx identidade kultural y nasiunal ta dependê sobretude de nôx linga. Se morna era kantóde somente na portugês nô tava goxtá menex de morna pamóde el tava tranxmiti menex nôx alma krióla. Y asin N pudia dá max izenple. Se nô tinha diazá un linga onde ke se exkrita era normalizode, parseme já nô tinha ivuluide máx kome pove y nasãu.
Tenp ke no ta pasá ta prendê purtugês ka e tenp pirdid. Ma el e un tenp valiôze ke no presizá pa valorizá y aselerá Kriol. Ex dôs linga divia vivê de junte na idukasãu exkolar de nôx fidje.
Txeu jent ta sinti konfortavel soment ke purtugêx ma ex exkese talvex sex primer dia na exkola. (kaze en familia ka tava ser falóde purtugêx)

U ke N ta sinti e un serte mede ke txeu jent ten, de ka krê extudá ese métede de Alupek. Alguns pa rejiunalixme ou pamóde ex ka krê dá Manel Veiga ese prextije de ser el ken ke kriá ALUPEK. Otex pesoa ten mede de perdê kel fator puder y puzisãu susial mode ex ta duminá purtuges y pur ise ex ta gozá de un expase ilita na sosiedade. Apartir de mumente ke kriol vrá ta ser konsidróde sima purtugês ese tal puzisau na sosiadade ta infrankse ou dezaparsê. Kuante a min ise divia ser konsidróde un rikéza kultural. Txeu jênt e kontra Alupek sen mexme konxê sê fórma, se léxike, se gramátika o de ter pelu menex exprimentóde uza-l. Enfin e sima txôrá un morte sen konxê kel pesoa e ke morrê. Mexme absurde!

Max tarde nô komesá ta exkrevê kriol de un forma unifikóde, max no ta perdê na orijinalidade y autentisidade de nôx linga. Ma nôx linga ta pasá ta ser un dialête de purtugês. Un extade kel pasá diazá. E kome se ese prusêse de kriolizasãu y de dignifikasãu de nox linga na nôx sosiedade tá na sê retrosêse. Pamóde konde nô krê inpô ou ser bazôfe nô ta uzá un expresãu purtugês ou txeu vex brazilêr. Baxtante kómike. Kriol ten de ser dignifikóde y ka e kon rejiunalisme ou mede.

Era bon no konxeba kel prusese de alfabetizasãu de Papiamente. Un linga falóde na Antilhax Olandezax, ke konsegi revolusiuná ensine na kêx ilha irma. Irma pamode Papiamente ten mexma orijen ke kriol de Kabe Verde. Foi kel tal linga-franka kel proto-kriol, kel pijin, ke foi levóde pra lá pa exkrave ladinizóde li na nôx arkipélage.

Na Antilhax kontsê ke kriansas e ke pasá ta uzá Papiament unifikóde pa un exkrita extandarizóde na exkóla, pasá ta ter entre 60 a 80 pursent de amdjor aproveitmente y rezultóde exkolar du ki konde ex tinha de uzá olandêx ou inglês na exkóla primária.

N ten serteza absoluta ke a apartir de mumente ke un kriol extadarizóde, ALUPEK o OTE, for introduzide na ensine y tiver max livre exkrite nes tal alfabete y akorde ortográfike, nô ta ben oiá un ôte Kabe Verde. Un Kabe Verde ke un ôte dinámika y max ivuluide na tude axpete sucial, kultural, ikonómike. Un Kab Verde max kab-verdiane y max livre.

Nô ten e de ka ter mede pa pzá ese primere degrau dese longha exkada. No ka presizá oiá tude es exkada ke no krê ginda. Nô sebi de gau a grau ma nô feká de sima de asunte, nô ser super kritike, ke oie vive na melon. Ma nô txá ese prusese ivului objetivamente pa nô podê gozá max tarde de nôx linga kome dixsiplina y apoie máx forte de nóx kultura y nôx identidade. Un exkrita e ke ta dignifiká y ikilibrá nôx terra y nasãu.

E sima bô dzê Djón:
N tava goxtá de un dia pode kordá nun terra onde ke jênt ta prendê exkrevê y alê na mexma linga ke no ta amá, senhá, dixkuti, partilhá, rezuminde, nun linga ke nô ta kumeniká dixde de nôx primer folge.

Bó inxpirá na Martin Luther King, o kzê Djón?

I have A dream! I dreamed that someday, we, the people of Cape Verde, will write our own language in a official standardised way and accepted by everyone of us.

(N tive un sonhe. N senhá ke un dia, nôx, pove de Kabe Verde, nô ta ben exkrevê nôx própria linga ofisialment nun manera extandarizóde y aseitód pa kada un de nôx.)

It's a beautiful dream my friend John (Un sonhe bnite nha amige Djón)

Guy Ramos
Rotterdam/Olanda
guyramos@hotmail.com

João Branco disse...

Neu, totalmente inspirado em biografia d'un kriol!

Guy, excelente e rico comment!

Lily disse...

Caro João Branco (e restantes leitores do blog)
Apesar de não ser filha da vossa terra (quem sabe um dia filha bastarda?) gosto de ler este blog, sem nunca ter ousado deixar qualquer comentário.
No entanto, e em relação a esta questão do Alupec, não consegui resistir. Não falo com certezas, e não gostaria de ser mal interpretada por falar do que não é meu, daquilo que não sei, nem mesmo de questões técnicas, pois não sou linguista nem da área das humanísticas. Vou acompanhando esta discussão, através de conversas com cabo verdianos residentes em Portugal, de debates promovidos pela Rdp África e de algumas pesquisas pontuais e as opiniões, parecem, de facto pouco consensuais. O que não é de espantar…o contrário é que seria espantoso!!!
O que me parece verdadeiramente prioritário é dar resposta à grande questão de fundo: vai substituir-se, ou não, a língua oficial? (sendo esta, para todos os efeitos, o português, e, como se vai dizendo, o crioulo a oficiosa).
No caso de se oficializar o crioulo, há então, um outro conjunto de questões terão de se equacionadas, nomeadamente a dita normalização da escrita, alvejando um acordo que não será fácil. Isto porque não parece fazer algum sentido existir uma língua oficial anárquica, onde cada um escreve à sua maneira, da forma que lhe parece mais prático. A uniformidade terá de existir, inevitavelmente. Com todos os prejuízos que possam advir.
Penso que os “ilhismos” ou “geo-bairrismos”, como alguém escreveu, não são verdadeiros entraves. Cedências têm de ser feitas, naturalmente, pois não é possível agradar a “gregos” e ”troianos” ou, neste caso, a “badios” e “sampajudos”… o sotaque, os regionalismos, eles existem, são bonitos, e enriquecem a própria língua, mas aparecendo sob uma base linguística sólida e definida. Remetendo à realidade portuguesa, quantos não são os exemplos…Portanto, os “ilhismos”, depois da base criada, poderiam ser bem-vindos… digo eu…
O Alupec tem uma história, emergiu, foi aprovado pelo Conselho de Ministros como modelo experimental e foi oficialmente reconhecido pelo governo. Mas apesar disso, o Alupec não tem uso oficial nem obrigatório. Tudo isto parece estranho.
Resumindo: o que na minha perspectiva parece fundamental é perceber se efectivamente o Alupec passa a vigorar como língua materna ou quais as possibilidades (e as vontades) reais de o vir a ser. É um dado adquirido, cuja resposta já foi claramente dada?
É que o outro ponto importante será exactamente quem responde a essa questão…o povo ou os políticos. Será que existe coragem política, para ouvir a voz da sabedoria, perceber as razões da população, e, no limite, referendar esta questão? A vontade popular, pelo que me parece falaria em uníssono, exprimindo-se na sua língua do coração (na sua língua materna?). Exprimir-se-ia idiossincraticamente ou com base no Alupec? Outro ponto importante.
Mas, e a vontade política?
O que me faz dizer isto tem a ver com a “pouca atenção” que tem sido dada ao próprio Alupec, e à atenção redobrada que tem sido dada ao Acordo Ortográfico da língua portuguesa. Será que não há nenhuma relação entre estas posições?! Deixar um de lado, para pegar no outro?
Parece existir uma certa urgência em acelerar a entrada em vigor do acordo, para, como dizem muitos, permitir a projecção internacional da lusofonia (a lusofonia é um conceito que me agrada, mas nem vou dispersar, senão não me calo). Esta estandardização da língua, parece ter um objectivo simples – torná-la vendável ao resto do mundo, nomeadamente à ONU, de forma a ser considerada como uma língua oficial.
Cabo Verde foi o segundo país da lusofonia, depois do Brasil, a ratificar o documento que possibilita a entrada em vigor do acordo. Quando o primeiro ministro cabo verdiano se mostra a favor da dita “aproximação ortográfica” entre as diferentes variantes do português e encara a língua portuguesa como “ um instrumento importante para o desenvolvimento de Cabo Verde”, o que deixo no ar é o seguinte: que pressões existirão para que os países da lusofonia ratifiquem o dito documento e, no caso concreto de Cabo Verde, face a este “investimento” no Acordo Ortográfico, que margem de manobra resta para discutir o Alupec?
Portugal é um país muito pequeno e a projecção da língua portuguesa só tem sentido por ser falada por uma parte significativa da população mundial, tendo o Brasil um peso extraordinário. Que influências, que dados andarão a ser lançados?
Muitos portugueses, sentem que neste acordo é o Brasil quem menos abdica, e experimentam um certo um complexo de inferioridade… Como passar a escrever “anistia” em vez de “amnistia”, “ação” em vez de “acção”, tirar o “h” no início de algumas palavras? Escrever “De fato, detesto umidade”, é esquisito. Também terei de reestudar português, senão os erros serão muitos… mas tendo de ser, será!
Aos meus avós também deve ter custado passar do “pharmácia” para “farmácia” e o transtorno que não terá dado aos proprietários dos estabelecimentos mudar os letreiros!
A mudança custa sempre, mas está subjacente.
Com o Alupec, será igual… resta saber se virá Agora, Grinhassim ou Góssi…

Teatrakacia disse...

Totalmente de acordo com o Guy Ramos. Precisamos dar esse passo. O quanto antes, melhor!
Tchá

Anónimo disse...

Referendo já... estou farta de pessoas a decirem por mim !