Perguntas Cafeanas

19 Comments



Já que estamos todos com vontade de discutir sobre o tema, pergunto abertamente: Mindelo - Cidade Cultural é hoje um bluff do tamanho do Monte Cara?



À melhor resposta, ofereço um café





You may also like

19 comentários:

Anónimo disse...

Pode ser que tenhas razão, pois há muita gente a confundir paródia com cultura...se assim for, trata-se de um bluff sim, se não houver uma inversão rápida de objectivos e prioridades.

Pimintinha

Rosi disse...

se comparar-mos com outras cidades culturais, acho que sim. Min de Cultura, o K acha?

Deina disse...

Não acho que seja um bluff pois parece-me que há muita coisa a acontecer em Mindelo no domínio da cultura que não se vê noutros pontos do país. Comparando Mindelo e Praia, tendo em conta a dimensão de cada uma e o universo populacional, acredito que Mindelo seja uma Cidade Cultural.
Agora, são necessários investimentos para que continue a ser assim!

Anónimo disse...

João, a questão é exactamente este "abertamente".

Djinho

JB disse...

Pimintinha: eu não estou afirmando, estou questionando. A minha posição neste debate é dúbia, hesitante e, porventura, pouco imparcial... Mas estou atento às vossas opiniões e farei uma leitura delas. Quando achar que posso trazer valor acrescentado para este debate, digo o que tiver a dizer.

Abraço

Tey Alexandre SilFonSoares disse...

Mais do que o Mindelo ser uma cidade cultural, acho sem dúvidas que o Mindelense é que, sem dúvida, um ser propenso a ser rico culturalmente. Mindelo não é uma cidade mais rica culturalmente, porque realmente não deve interessar aos nossos decisores.

Pss disse...

Mindelo é Bluff ??? Eu não diria tanto. Porém teve dias melhorzinhos… Sim eu já vi dias melhores. Eu nascido e criod na S.Vicente (sim convém dizer isso porque como eu sou muito crítico em relação a esta Cidade há dias alguém me perguntava desde de quando é que eu mudei da Praia para aqui).
Sem Alma, vive hoje a cidade de Mindelo de momentos muito pontuais e esparsos no tempo de eventos culturais interessantes mas sem mais-valia notáveis e incapazes de produzirem um efeito catalisador e que perduram ao longo de um programa cultural digno desse nome. Se calhar estou a ser muito exigente e estou até como se dizia no outro post um bocado alienado.
A Cidade da Mindelo é uma cidade em decadência. Assim sendo a TODOS-OS-Níveis E EM TODOS-OS-SECTORES-DA-SOCIEDADE há uma claríssima tendência de morte lenta. E há neste Mindelo decadente os macaquinhos e chicos-espertos que vê possibilidade de negócio em tudo. E no meio desse Chico-espertismo desponta quem eu acho ter as maiores responsabilidades nesse estado de coisa: Câmara Municipal. Infelizmente a nossa Câmara que poderia ser perfeitamente UM SÍMBOLO DE RESISTÊNCIA TAL COMO FOI O CAPITÃO AMBRÓSIO em outros tempos, não passa de um bando de levianos politiqueiros onde em vez de destacar gente com ideias e projectos, despontam é rabidantes de Terrenos camarários. E assim, para esses papalvos, dizerem que este ano por exemplo há 7000 contos para prémios de Carnaval já é o máximo. É sinal para estes gajos que Mindelo é uma cidade de Cultura.
No geral, há sim muita cultura, mas cultura que eu chamo de CSpC – Cultura de Sab pa Cagá ! Qualquer actividade que se enquadra em “actividade cultural” há um bombo, uma caixa, e gritos “Soncent e sab, e sabe pa cagá !”
Portanto Mindelo não é um Bluff. Está sim entregues á pelintras. No dia que houver gente séria há muita coisa boa que se faz e que aparecerá em vez de somente CSpC!

Mic Dax (francês) disse...

Ya ya ya. Um czim absurdo, né dvera, claro q'bô sabê-l.

Praia e na Mindel tem sês altura canhambra e sês altura c'speed, ca tem milagre.

Ca tem bluff, tem so bazofaria (contrariod um semana sim, um semana não).

Gente ca ta compara vida cultural d'li e la, gente ta junta-s: ês ca ta fazê exposiçon na Praia pa da risposta na exposiçon d'Mindel.

Qond Arménio Vieira t'infada sentod na sês teraço d'Sofia tud dia dmingo, tonte bô t'aposta q'el crê ba da um volta na Mindel? E tonte gente d'Mindel tem aga na boca ora d'pensa na Praia-by-Night?..

Esse arquipelago ta cria schizofrenia, no tava gosta ba tud banda : ainda bem q'tem Doutor TACV e sês injeçons pa lembra q'no ca ta podê viaja tud ora.

Mic Dax (francês) disse...

Qué q'falta na Mindel é qel Leader Price e sê crema d'castanha. Quel-la q'é sabe! O gente, crema d'castanha ca ta fazê bluff.

Pss disse...

Não sei se fui suficientemente explícito mas a referência a Capitão Ambrósio como simbolo de resistência referia-se á resistência ao colonialismo do governo Central de Portugal. A Câmara Municipal de S.Vicente tal como eu disse poderia bem perfeitamente assumir o papel de Resistência á nova colonização. Sim COLONIZAÇÃO OU seria KOLONIZASON, aquela que existe actualmente dirigida pelos tipos de Cultura com K.

Pss disse...

Concordo com Tey. De facto os decisores não estão interessados. Aliás basta criticar Mindelo que aparece logo muita gente a fazer coro em Alupeki.
Mas temos que ser mais fortes com a vontade dos que querem ver Mindelo morta Tey! Dai as minhas críticas duras e contudnetes pois acho que temos também muita culpa nisso.

zito azevedo disse...

Não sei, como é evidente...E julgo que continuarei na ignorancia pois as posições já denunciadas são um tanto exaltadas, umas, pela rama, outras. Fico, no entanto, a aguardar um veredicto!

Anónimo disse...

Respondo à pergunta com outra pergunta: O que é uma Cidade Cultural?

Sem a prévia definição do conceito nenhuma resposta é possível.

a) RB

DENNIS disse...

Se Mindelo é Bluff do tamanho de Monte de Cara em termos culturais apesar de o que já la se faz. Então as outras Cidades do País são Bluffs do tamanho do Vulcão do Fogo .

Saudações

JB disse...

A pergunta não define o conceito de "Cidade Cultural" porque não é esse o objectivo. Fala no que muitos defendem, ao ver o Mindelo uma cidade "de cultura", por excelência. Outros falam em "Capital Cultural". É nesse sentido. Vale a utilização desta designação hoje em dia? Onde está a inovação? A diversidade? A ousadia? A proliferação? Os diferentes públicos? A irreverência? Os novos artistas?

Anónimo disse...

Então é assim, JB:

Mindelo já foi, efectivamente, uma "cidade de cultura" e, também, a Capital Cultural do País.

Porque só numa cidade/capital de cultura poderia ter surgido um Movimento como a Claridade.

Porque só numa cidade/capital de cultura seria possível o aparecimento de tantos e tão bons prosadores, poetas e ensaístas.

Porque só numa cidade/capital de cultura poderiam ter surgido compositores, cantores e instrumentistas de B.Leza a Cesária, de Manuel D'Novas a Bana, de Dany Mariano a Tito Paris, de Bau a Bius.

Porque só numa cidade/capital de cultura apareceriam pintores como Manuel Figueira e Luísa Queiroz, como Kiki Lima, Tchalé Figueira ou Bela.

Hoje, nem uma coisa, nem outra.

Há excepções, claro (como o Mindelact), mas estas servem apenas para confirmar a regra: como alguém já disse, cultura do Ipod, do vídeo clube e do hi5.

Às perguntas que deixaste deixo outras: Onde um teatro? Um cinema? Um verdadeiro museu? Uma boa galeria? Uma livraria? Uma bienal?

Para já não falar, é claro, da inexistência absurda de qualquer vestígio de arte popular.

a) RB

JB disse...

RB, sobre a inexistência de arte popular, veja-se o último documentário de Leão Lopes que contraria totalmente essa ideia. Qual o maior absurdo do Carnaval do Mindelo? É ser uma exposição fantástica de cultura popular (com os andores e os trajes) e depois levar-se o termo "4ª feira de cinzas" demasiado a sério, com os andores descascados e desfeitos, como se fossem lixo. A preservação de alguns destes andores - digamos que um por ano, nem era preciso mais - daria para fazer no Mindelo uma mostra de arte popular digna de registo.

Muitas vezes, o problema não está na falta de talentos, mas no que fazer com eles, ou melhor, nas condições que tardam em ser criadas para que estes possam se afirmar no terreno e para que quem consome arte e cultura (vendo, apreciando, consumindo) tenha acesso a essas criações.

Os nomes de que falaste, muitos deles se afirmaram no pós-independência: a euforia do novo país, a afirmação cultural da Nação fez com que essa geração de artistas explodisse e se afirmasse. Hoje, qual é a real motivação para a criação e para o apoio aos artistas? E quando falo em apoio não falo, logicamente, em apoio monetário, mas na aplicação de políticas públicas para o sector com o mínino de coerência, razoabilidade e sentido de Estado. Nada disso tem sido feito.

Podemos culpar o centralismo ou as políticas das diversas Câmaras. Podemos culpar a inacção dos próprios artistas - velhos e novos. Mas não sejamos injustos: Luisa Queirós apresentou há bem pouco tempo uma das mais fantásticas exposições de que me lembro ver, dentro ou fora do país, com o tema dos naufrágios, na antiga capitania do Mindelo (réplica da torre de Belém); Kiki Lima movimentou, durante um mês inteiro (em Agosto), a Praça de Estrela, apoiando e incentivando inúmeros artesãos e dando à cidade um novo espaço de grande riqueza cultural. Manuel Figueira acabou de expor numa nova galeria, de um outro artista plástico (Alex da Silva) que apostou todas as suas economias nesse investimento cultural. E por aí fora.

Nem tudo é mau no reino da tapadinha...

Anónimo disse...

Mindelo e S.Vicente tem tudo para dar certo. Falta uma acção inteligente daqueles que são pagos com o dinheiro do Estado para fazer a promoção adequada das actividades culturais. Muita coisa vem acontecendo nesta ilha, só que muito poucos são aqueles que apreciam. Estou farto de ir a actividades culturais onde aparecem apenas meia duzia de pessoas. Neste momento está a decorrer uma exposição fantastica do pintor Amandio Oliveira no Centro Cultural do Mindelo. ninguém fala disso, injustamente. Mindelo tem sim neste momento é falta de publico apreciador e claro isso há de interferir na motivação e na criatividade. É certo que temos um campo imenso de possibilidades a explorar. Para isso as pessoas com capacidade e com motivação para a cultura precisam arranjar estratégias correctas para influenciar os politicos nacionais e locais bem como cativar as empresas para o mecenato cultural.Parabéns João por esta questão é preciso debate-la a fim de levarmos Mindelo a ser de facto a Capital da Cultura e com isso incentivar as outras ilhas e cidades do País a também apostarem na cultura como modo de vida, como algo essencial a nossa existencia como seres humanos.

Américo Silva

Anónimo disse...

Se cultura for só carnaval e Mindelact...Soncent ta respirá Cultura...rsrsrs...Mas como cultura inclui outra infinidade de eventos, manisfestações e conceitos acho q certeza de capital cultural só existe na cabeça dos saovicentinos mais fanáticos...é preciso trabalhar outros parâmetros para se atingir tão proclamado título

PrethA