Cafeína comentada

2 Comments




"Ah você quer teatro? Prefere comédia ou tragédia? Então toma lá esta: declaro aqui que sou candidato à Presidência da República e que não vou desistir a favor de nenhum vampiro, ainda que invoque a mais alta linhagem faraónica. Aceitam-se apoios de todos os quadrantes. Não é preciso apresentação de registo criminal. O único requisito é saber um verso de cor, ainda que seja do mais obscuro poeta da Mongólia. Por estes dias montarei banca à entrada do sucupira para a recolha das assinaturas necessárias. Terei um letreiro pendurado à volta do pescoço. Apoiantes, ainda que consigamos um único mísero voto de um defunto com paradeiro conhecido há mais de três décadas, celebraremos condignamente inundando a cidade de poesia."

José Luiz Tavares in entrevista ao Expresso das Ilhas (desta semana)


Comentário Cafeano: ter num mesmo jornal uma entrevista do nível desta e uma entrevista a um qualquer político da praça, faz-nos pensar que é uma pena que os nossos artistas e poetas continuem sendo tão mal aproveitados pelos políticos e suspirar de alívio que haja tão poucos políticos tentados a fazer criação artística... Ah, e tenho pena que a ameaça do poeta seja ficcional. Apetece pensar: why not?



You may also like

2 comentários:

zito azevedo disse...

Eu até diria mais: e porque não?

Ariane Morais-Abreu disse...

Oi meu "incaro" JB, aqui estou de novo para o teu maior prazer!!!

Ja tivemos artista ministro da cultura, nao se lembram, nao é de estranhar, claro, porque nao deu resultado memoravel e palpavel (a nao ser para o gajo em particular!) nem para a politica, nem para a arte, quanto menos para CV!! Quanto aos politicos parecem que todos sao artistas, aqui em França chama-se: comique, pitre, cabotin, bouffon, clown... basta escolher o mais adequado fato.