Um Café Curto com o Vaticano

5 Comments


Na rede social Facebook nasceu uma iniciativa na qual se desafia o Vaticano a "trocar todos os seus tesouros por comida em África". A ideia, que não é de todo nova e corresponde até a uma das críticas mais habituais feitas à Igreja Católica, ganha uma outra dimensão com a Internet e a "proposta" já recebeu mais de 45 mil mensagens de apoio. "É uma vergonha ver no mesmo telejornal o Papa a passear-se em África e a falar da fome, e logo depois ligarmos um canal e vermos as riquezas do Museu do Vaticano", argumenta Alberto Juesas, o autor da ideia.

Mais interessante ainda é a resposta dada pelo Vaticano, dono de um dos museus mais ricos do planeta. Disse o cardeal Paul Josef Cordes que é o próprio "direito internacional"que impede o Papa de aplicar esta petição. "A Igreja tem a obrigação de conservar toda a riqueza artística do Vaticano, que conta com centenas de obras entre pinturas, esculturas, livros e outros tesouros, bens que são património da humanidade."

Mesmo sem a maldade de perguntar se alguém se lembra qual a origem de muitos desses tesouros que vem do tempo em que a evangelização era aplicada à lei da bala em África e na América do Sul, ficamos a saber que o Papa bem que queria acabar com a fome no mundo, mas o direito internacional é que não deixa. Está bem.

Fonte: 20 minutos




You may also like

5 comentários:

Anónimo disse...

É só ver a quantidade de jóias, propriedades e outros donativos que o Santuário de Fátima em Portugal recebe por ano, para se ter uma leve ideia do tamanho da fortuna do Vaticano...Não se enganem, o Vaticano provavelmente deve ser o Estado mais rico do Mundo...E nem por isso ferquentemente chamado para cumprir os seus deveres para com a Humanidade...

Amílcar Tavares disse...

O Maradona no seu livro diz que tinha feito a mesma proposta ao João Paulo II.

Ficou sem resposta...

Tchale Figueira disse...

ahhaahahahhahahah direitos internacionais!!!!!!!!!!!!!!!! Vaticano, Papa, a humanidade está fodida!!! Lembro-me do poema de Pessoa: Nunca constou-se que Cristo era Banqueiro ou tinha Biblioteca!...

Um abraço. Tchale

Edu disse...

De facto, o Vaticano tem obras riquíssimas, mas parece-me que vender tudo não seria a melhor solução... se vendessem tudo, essa receita iria acabar, mais cedo ou mais tarde. Como não vendem, milhares e milhares de pessoas visitam o Vaticano todo(s) o(s) ano(s), e isso é uma grande fonte de receitas que não se acaba. Se formos a ver, grande parte das missões humanitárias que existem hoje têm a iniciativa ou apoio da Igreja. E o dinheiro para apoiar essas missões tem de vir de algum lado. Independentemente de haver ostentação ou não, eu não concordo com a venda de património. Deixem-no estar como está, que assim sabemos que será preservado.

João Branco disse...

Ainda ontem revia o filme O Padrinho III. Vaticano?! Ai, ai...