Tertúlia dos Mentirosos 59

6 Comments



Coisas de Mulher

Ela passou o primeiro dia empacotando todos os seus pertences em Caixas, engradados e malas. No segundo dia, ela chamou os homens da transportadora que levaram a mudança. No terceiro dia, ela se sentou pela última vez na bela mesa da sala de jantar, à luz de velas, pôs uma música suave e se deliciou com uns camarões, um pote de caviar e um garrafa de Chardonnay.

Quando terminou, foi a cada um dos aposentos e colocou alguns pedaços de casca de camarão, besuntados com caviar, nas cavidades dos varais das cortinas.

Depois ela limpou a cozinha e se foi.

Quando o marido retornou com a nova namorada, tudo estava um brinco nos primeiros dias. Depois, pouco a pouco, a casa começou a feder.

Eles tentaram de tudo: limpando, lavando e arejando a casa. Todas as aberturas de ventilação foram verificadas à procura de possíveis ratos mortos e os tapetes foram limpos com vapor. Desodorantes de ar e ambiente foram pendurados em todos os lugares. A empresa de combate a insetos foi chamada para colocar gás em todos os encanamentos, durante alguns dias, durante os quais tiverem de sair da casa, e no fim ainda tiveram de pagar para substituir o caríssimo carpete de lã.

Nada funcionou.

As pessoas pararam de visitá-los.
Os funcionários das empresas de consertos se recusavam a trabalhar na casa.
A empregada demitiu-se.

Finalmente, eles não suportavam mais o fedor e decidiram se mudar.

Um mês depois, apesar de terem reduzido o valor da casa em 50%, eles não conseguiram um comprador para a casa fedorenta. A notícia espalhava-se e nem mesmo corretores de imóveis locais retornavam as ligações. Finalmente, eles tiveram de fazer um grande empréstimo do banco para comprar uma casa nova.

A ex-esposa ligou para o marido e perguntou como andavam as coisas.

Ele disse a ela o martírio da casa podre. Ela escutou pacientemente e disse que sentia muitas saudades da casa antiga e que estaria disposta a reduzir a parte que lhe caberia do acordo de separação dos bens em troca pela casa. Sabendo que a ex-mulher não tinha idéia de como estava o fedor, ele concordou com um preço que era cerca de 1/10 do que valeria a casa. Mas só se ela assinasse os papéis naquele dia mesmo. Ela concordou e em menos de uma hora, os advogados deles entregavam os documentos.

Uma semana depois, o homem e sua namorada assistiam, com um sorriso malicioso, os homens da mudança empacotando tudo para levar para a sua nova casa...

...incluindo os varais das cortinas.

Recebido por mail


Moral Cafeana: se fores macho e quiseres ou pensares meter a pata na poça ou pular a cerca, pensa duas vezes, faz a coisa bem feita e não deixes vestígios. Não só a vingança é um prato que se serve frio, como quando é a mulher que o cozinha, é muito provável que esteja envenenado...




You may also like

6 comentários:

Fonseca Soares disse...

Elas conseguem 'varrer o espectro todo'... de um extremo ao outro. E com a maior das tranquilidades... se foi algo estudado e decidido, e põem em prática... (elas são superiores, fortes, especiais, frágeis, sublimes... imprescindíveis!)

Anónimo disse...

A separação pode, no entanto, ser também cantada assim:

Soneto de Separação

De repente do riso fêz-se o pranto
silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fêz-se espuma
E das mãos espalmadas fêz-se o espanto.

De repente da calma fêz-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fêz-se o pressentimento
E do momento imóvel fêz-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fêz-se de triste o que se fêz amante
E de sozinho o que se fêz contente.

Fêz-se do amigo próximo o distante
Fêz-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

(Vinicius de Moraes, in "O Operário em Construção").

a) RB, anónimo por obrigação

João Branco disse...

Xiii, dois homens na defensiva... Também, depois de uma história como esta!

Felina disse...

hahahahahaha quando elas se empenham ninguem as supera
(eu não sei se teria essa coragem)

Kuskas disse...

AHAHAH

Oh João, por isso que digo sempre aos meus amigos homens: muito cuidadadinho quando pensarem em pular a cerca, pois a mulher quando resolve "descontá côrne" entende-se "vingar", e quando ela o faz de forma fria e calculada é um DEUS nos acuda.
é como tu disseste: ela é capaz de oferecer o prato da vingança bem frio e envenenado.

Abraços

João Branco disse...

Como dizem os brazucas: sai di baixo!