Um Café Curto

19 Comments


Excelente o tratamento dado pelo jornal A Semana ao assunto da carta anónima que denuncia as negociatas dos terrenos via CI. Analisou a carta, ouviu o contraditório e deu a notícia de que afinal Manuel Pereira Silva poderá não ser o novo presidente do Conselho de Administração da Cabo Verde Investimentos, como parecia ser certo. Ficamos a saber que é provável que o Ministério Público faça, no mínimo, averiguações; lemos as justificações de Victor Fidalgo, da Stefanina e Manuel Pereira Silva; e finalmente ficamos a saber que Fátima Fialho, actual Ministra da Economia, e uma das principais visadas neste dossier, mandou dizer, através de uma asessora ministerial, que não vai comentar "o assunto". Fez muito bem o seu trabalho A Semana e faz muito mal a senhora ministra em não dizer nada já que, no mínimo, deve explicar aos cabo-verdianos qual o seu papel em todo este imbróglio. Agora que cada um tire as suas conclusões.


You may also like

19 comentários:

ora et labora disse...

olha as personagens...

Anónimo disse...

e as explicaçoes da Janira Hoffer Almada... é de rir!

decadadenoventa disse...

Bom parece que o escandalo chegou de forma que até um cego vê, já que Cristina Duarte andava a dizer que certo partido estava a procura de um escandalo. Isto é escandaloso, uma mafia completa, de dar liçoes a Don Corleoni e aos aprendizes de mafiosos da Cecilia e de Napoles. Bom sempre há um italiano no meio! O mais dramatico é que já se sabe: não vai acontecer nada, dentro de dias vai-se oa Parlamento e os do PAICV e do Governo vão dizer que é tudo mentira, mesmo que todos os cabo-verdianas estejam a ver que é VERDADE o que lá está no texto!
Caiu a mascara do Governo da Ética e confesso que dei uma gargalhada quando ouvi JMN a dizer que o PAICV promete um "Mundo Novo" a partir de agora, quer ele dizer um mundo de nacionalização dos terrenos já vendidos aos camaradas e com eles todos na cadeia, se for assim até eu voto nele em 2011!

Anonimo bem informado disse...

Acabei de saber que o novo Director Geral do Ambiente, é o Carlos Ferreira Santos vulgo Kiko. É o pagamento pelo parecer "POSITIVO" para a construção da Marina da Murdeira.

Mais um job for the boys?

Que vergonha PAI

João Branco disse...

Essa informação, a ser verdadeira, não augura nada de bom. Não digo pela pessoa em causa que, na minha opinião, se portou dignamente na forma como defendeu a sua "dama" no caso Murdeira: dando a cara, defendendo com os dados que tinha e sem ofender ninguém. Mas a sua nomeação, a ser verdadeira, denota uma clara falta de oportunidade política. E mais do que isso: falta de bom senso.

Técnico do MA disse...

Senhor Anónimo bem informado, de facto já começamos a ouvir isto no M.A. A realizar-se será uma facada para todos nós, pois, trazer alguém que defende ideias contrárias ao que até agora todos defendemos. Entende-se o seu fervor na defesa da Marina. Muitos aqui não estranham e falam de um serviço bem prestado para o senhor Ministro e que envolve a H.Almada. Bem, mesmo ele ocupando o cargo vão dar voltas para que ninguém saiba. Ele, JB, defendeu bem a tese que ele proprio escreveu mais nada. Discordo que ele não tivesse atacado ninguém. Esteve cá e no bianda cheio de indirectas e agora saiu-nos esta figura. Técnico do M.A.

Anónimo disse...

Na minha opinião a Ministra faz muito bem em não comentar uma carta anónima. com certeza que dará, através de acções, a resposta devida. pois, concordo plenamente! comentar uma carta anónima apenas alimentaria a riola. mas o que vocês querem é riola e por isso não conseguem "atingir" a posição da Ministra, que a meu ver ao assumir esta postura não caiu na esparrela de baixar o nível da discussão política. aliás, o simples facto de se ter desmentido a indicação do Manuel Pereira Silva deita por terra a teoria de conspiração veiculado pela carta anónima. Ora, aí está a resposta da Ministra, João Branco!

Taus

João Branco disse...

Taus, a Ministra não desmentiu nada. A notícia de que afinal Manuel Pereira Silva não seria indigitado é sustentada por "fontes" do jornal e não por nenhum desmentido oficial ou oficioso. A minha posição sobre a carta foi dada na Declaração Cafeana anterior e portanto estou perfeitamente à vontade para considerar que à Ministra visada pedia-se alguns esclarecimentos. Mas é apenas a minha opinião e vale o que vale, ou seja, nada.

Anónimo disse...

pois eu cá acho que quem não deve nem tem nada a esconder não tem que dar justificações. a meu ver quem escreveu a tal carta anónima é que tem culpas no cartório e talvez esteja receoso(a) por ver passar o navio e não conseguir meter a mão no bolso alheio ... só assim se justifica aquele nível de detalhe!!

Taus

luis disse...

O Taus não deve ter ouvido as noticias hoje as 13:00 horas em que o próprio PM JMN disse claramente que o que está no mail corresponde a verdade.

carlos ferreira santos disse...

John B. não sei se chego ainda a tempo…. Mas por favor não sejam mauzinhos, simplesmente há emoções a mais, assim não vale a pena.

Confesso que fui sondado para a possibilidade de ter que assumir a Direcção Geral do Ambiente, um ou outro colega meu também foi e era muito óbvio. Afinal é o meu Ministério (desde 1999), o Ministro tem que primeiro ver as suas disponibilidades. A própria Directora Geral que lá está é colega nossa, do mesmo Instituto até. A ter que arranjar um substituto, procura-se primeiro dentro do Ministério, o que faz sentido. Discordo também que o Cargo de Director Geral seja um cargo político ou que se trate aqui de conseguir uma oportunidade politica (ou não entendi bem a tua posição João), não faz qualquer sentido pensar assim. É sim um cargo técnico, que no entanto exige a confiança do Governante, que tem ainda de fazer passar a sua proposta no Conselho de Ministros. Sou conhecido por ter posições extremamente fortes, bem sustentadas e que convencem e muitas vezes fui também nos meus pareceres contra muitas opiniões de muitos Ministros. Pode ser que um ou outro Ministro não goste e vete. Será um alívio para todos nós e este sacrifício é-nos poupado. Antes de qualquer cor politica eu serei sempre um bom técnico e extremamente leal e racional a minha causa, contem sempre com isso.

E peço-vos que tenham bom senso (que Segundo o John, o Ministro não tem em contar comigo…), não se trata aqui de recompensas nem jobs for the boys nem qualquer coisa do género. A ter que aceitar, será por puro patriotismo e em defesa do meu Ministério e seja que Ministro for. Quantos de vocês deixariam a vossa vida, os vossos negócios, as vossas empresas, os vossos amigos, os vossos maridos ou mulheres, a vossa filha de 4 meses, o vosso estudo universitário, para assumir numa Cidade Diferente uma Direcção Geral? Se quiserem saber, é sim um sacrifício enorme e que merece enorme ponderação e reconheço que vocês me ajudam a tomar essa decisão, eu gosto de desafios, para onde eu for, será sempre para apresentar soluções. E vão sempre agradar ou desagradar.

Vamos também poupar a Dra. Janira H. Almada. A ultima vez que vi a Sra. Ministra, ela tinha não mais do que 6 ou 7 anos, na zona de Moradia, na Praia onde cresci. Nunca mais a vi ou falei com ela. Pensam que é correcto achar que ela faz-me um favor, ou eu a ela? Não tínhamos que ser mais maduros? Não faz qualquer sentido trocarmos mensagens a este nível. Muito a sério.

Meu caro técnico da Direcção Geral do Ambiente, porque é que você acha que eu defendo ideias diferentes daquelas que vocês defendem? Porque no caso actual tenho uma opinião contrária a sua (que na verdade nem sequer sei qual é?). Já leu na íntegra alguma dissertação minha? Já leu na íntegra algum estudo ou parecer que eu tenha elaborado? Como pretende saber aquilo que eu defendo ou não? E você acha que indo colegas para a Direcção Geral onde trabalha é para lhe serem amigo? Para pensarem como você pensa? Ou será para trabalhar? Servir o País? Cumprir as directivas Ministeriais? Aconselhar o Governo? Essa será a sua e a minha contribuição e se assim for, garanto-lhe que seremos óptimos colegas. Se eu for para lá espere isso de mim, mas informe-se melhor sobre mim. Pergunte a todos aqueles que trabalharam comigo? Pergunte ainda hoje a qualquer dos meus subordinados se algum dia lhes faltei respeito ou se desconsiderei as sua posições. Junte primeiro as informações e depois forme a sua opinião.

Terminando, John gostei bastante da tua posição sobre o assunto principal, de facto muito ponderado. Respeito. Amanhã mando-te um texto que é o meu próximo artigo, vais gostar porque dá-te razão.

Boa noite.

CFS

João Branco disse...

Kiko, agradeço o teu esclarecimento. A minha opinião em relação a uma possível nomeação é essa mesma: acho-a pouco sensata de um ponto de vista POLÍTICO - ou seja, não coloca em causa uma competência TÉCNICA para o cargo. A razão é simples, e tu és inteligente e entendes que o pense assim: foste autor de um parecer positivo relativamente à Murdeira, quando tudo o resto aponta no sentido contrário (da não construção). E derrepente, pimba, és colocado num cargo daquela responsabilidade! Não te estou a dizer, nem sequer a insinuar, repara, que tenha havido alguma "troca de favores". Mas estou a dizer que ao aceitares um cargo destes, NESTA ALTURA E NESTAS CIRCUNSTÂNCIAS, sujeitas-te a que muita gente retira essa conclusão. Não sei se me diz entender...

Abraço!

carlos ferreira santos disse...

Perfeitamente João e agora entendi bem. E vamos ver que coisas mais entendi, ou não: tu mesmo entendes e acreditas que as minhas acções são técnicas e estás inclusive convencido que as defendo bem. Não pões sequer em questão a minha competência Técnica. E o Cargo Técnico, possivelmente vago no meu Ministério, para o qual tenho a Competência Técnica não deve ser assumido por mim porque…. Tenho a mesma opinião que o Governo. Ok perfeitamente. Vamos procurar alguém que tenha opinião contra o Ministro e igual a uma maioria (o tudo o resto que descreves). Assim ficaria bem? Ou talvez alguém com opinião neutra. Sinceramente João, achas que assim avançamos?

Mas também dissemos que os Cargos de Directores Gerais são cargos de confiança do Ministro. Se não for assim, como é que o Governo implementa suas politicas? Através das suas Direcções Gerais? Porque a questão é precisamente essa, quem tem responsabilidade Politica é o Ministro e não os técnicos. Portanto é só fazer o trabalho técnico, fornecer ao Governo, que pode ou não aproveitar. É assim que funciona.

Sabes, ando há tanto anos nisto, que já entendo umas coisas. Principalmente entendi que quanto melhor Servires, melhor serás como chefe. Neste mesmo Ministério, Servi a Dra. Helena Semedo e tenho incríveis recordações dela. Construímos o Ferry-boat Praia da Aguada e estive 10 meses a rachar de frio no norte da Alemanha. Servi a Dra. Madalena Neves e construímos 10 embarcações de pesca em Peniche, durante 3 anos a ir e vir. Servi o Manuel Inocêncio Sousa e aprendi imenso. Agora Sirvo José Maria Veiga. Sou um Servidor do Estado, um bom Servidor, independente das pessoas que lá estão ou a cor politica que eles têm. E hoje, porque defendo uma posição polémica, no entanto honestamente convicto que tenho a competência técnica para propor soluções que são boas para o País, devo renunciar um desafio pelas razões que descreves João? Porque pessoas poderiam pensar que…..?
Pergunto-te, o País ganharia se eu não aceitasse? Se disseres que sim, prometo-te que considerarei a tua opinião, como sempre faço, aliás tens sido dos mais sensatos que conheço e respeito tua opinião.

Depois falamos, um abraço.

CFS

PS – Para além disso devo dizer-te que envolvi-me no caso da Murdeira há mais de um ano, através da Direcção de Promoção e Desenvolvimento das Pescas, onde sou Director. Portanto são coisas que se passaram há um ano e parece-te apenas que se desenvolvem agora e por isso vês uma ligação directa entre o caso Murdeira e a direcção geral do ambiente. Esclareço-te também que quem devia ir para cargo de Director Geral do Ambiente, já em Agosto ou Setembro de 2008 era um colega meu, por acaso meu subordinado, e que devia ir também agora, mas que está impedido por ter assumido agora no dia 01 outras funções que são também de responsabilidade no nosso Ministério. Para veres que, por impedimentos vários, nem sequer sou primeira escolha para o Cargo. Mas pronto, são informações que não tens e não circulavam por ai e ninguém os confirmará. Portanto é como dizes, parece apenas que é assim e as pessoas pensarão de certeza... Mas vamos deixar de desenvolver este País por causa disso? Dificilmente.

Aníbal Medina disse...

Num contexto global de governos levados por uma evidente desorientação ambiental, não do ponto de vista técnico, mas sim político-estratégico e decisional, é muito natural que o país se veja conspurcado com manobras desta natureza, fazendo do ambiente um alvo de massacres, supostamente económicos, mas que no fundo, apenas disfarçam uma evidente falta de ideias. Assim tem sido desde 1975 com os governos que temos tido. Infelizmente para o povo das ilhas.

Anonimo bem informado disse...

oi João

O Kiko entendeu muito bem o que querias dizer. Conheço o homem e ele é inteligente.

Se ele for mesmo trabalhar para a DGA espero que pelo menos ele consiga se reunir com o Ministro para receber "orientações", pois o homem não ouve ninguem, não lê nada, não procura entender e por isso mesmo está completamente desorientado. É só ouvir e ver as intervenções que ele tem feito.

Boa sorte na DGA Kiko, e podes contar que vais trabalhar com excelentes técnicos.

João Branco disse...

Nesta altura do campeonato só te posso desejar boa sorte, a bem de Cabo Verde.

Pátria disse...

Não acho que não terá grande sorte se for a DGA. A QUESTÃO DA MURDEIRA, NÃO É SÓ MAIS UMA QUESTÃO, mas sim A QUESTÃO.
Sabendo que todos os tecnicos da DGA são contra a construção da marina (por saberem as verdadeiras causas), ter um director que pensa conpletamente o contrário...não sei qual será o futuro da DGA e/ou do "novo director". Nessas condições e neste momento acho ariscado demais, nem tudo na vida se paga para ver!!!

carlos ferreira santos disse...

Meus Caros obrigado pela atenção.

John, se tiver que ser assim, obrigado desde já.

Anibal, muito difícil não concordar contigo. Muitas vezes tenho enormes dificuldades em atender o que se pretende, há pouca coerência, como se todos os dias fossemos soterrados por novas prioridades. Se calhar, por isso mesmo precisamos lá ir… e a partir de 2009, a ter que apontar o dedo, apontamos a nós mesmos. A mesma coisa para ti – a ter de ser – conto contigo, como sempre.

Anónimo Bem Informado, é precisamente essa a parte que me agrada e não tenho dúvidas quanto a isso. Neste Ministério e nessa Direcção Geral estão excelentes técnicos, tenho dito isso sempre, precisamos é encontrar a estratégia….

Pátria, não deixas de ter razão, mas vou mais naquilo que disse ao Anónimo Bem Informado. Continuo a dizer, precisamos de uma estratégia comum… lá chegaremos…

Um abraço e boa noite.

CFS

Anónimo disse...

governo perdeu a noçao de tudo!