Tertúlia dos Mentirosos 50

5 Comments


Sr. Milhões
Vais morrer, e vais morrer porque com as tuas fórmulas, a tua papelada e o teu burlesco, és também abjecto e inútil. O cavador existe! O soldado existe! O herói existe! Tu não existes!

Governador Civil
Eu não existo?

Sr. Milhões
És uma sombra e bff... Faço-te desaparecer como uma sombra. Tenho de suprimir a ninharia da vida. Estas duas coisas não podem mais coabitar – esta estupidez e este sonho dorido e imenso, o grotesco de todos os dias, quando do outro lado galopa e passa uma coisa sôfrega e imensa. Tu não te podes chamar Baltasar Moscoso, e ao mesmo tempo existir o céu estrelado. Venham todos os fantasmas!

Governador Civil
Acudam! Acudam! Acudam!


Excerto de "O Doido e a Morte", de Raul Brandão (Podem ler a peça integral aqui)
Imagem: "O Doido e a Morte" (2006), pelo GTCCPM, fotografia de João Barbosa



You may also like

5 comentários:

José Eduardo Fonseca Soares disse...

Ah JB, a fazer-nos relembrar desses momentos belos e 'de arrepiar'... ainda por cima num teatro de 'proximidade' como o que foi com 'O Doido e a Morte'. Uma bela página do 'nosso teatro'... será que poderemos 'revisitar'?

Anónimo disse...

Será que, hoje em dia, os detentores do capital e do poder que lhe vem associado são susceptíveis a crises de consciência como a que atingiu o Snr. Milhões?

A crise financeira e económica que atravessamos e a globalização que a determinou parecem indicar claramente que não.

Consciência, sim, mas apenas para pedir ajuda e salvação ao mesmo Estado que, antes, era repudiado e vilipendiado por impedir o desenvolvimento da economia (liberal) de mercado.

"Sic transit gloria mundi"!

a) RB, anónimo por obrigação

João Branco disse...

Tchá, há sempre possibilidades!

RB, "crise de consciência"? Era bom, era! Aconselho, se me permites, que leias a peça toda. É tão curta quanto genial.

lams disse...

gostei muito da peça, tive oportunidade de o assistir quando da visita do grupo ao brasil .fantástico!!

João Branco disse...

Lams! Obrigado, nós adoramos ter estado aí! Abraço deste lado do mar.