Perguntas Cafeanas

19 Comments



O facto da cidade do Mindelo ter uma taxa de desemprego acima dos 20% e ao mesmo tempo estar sempre em festa, é uma fuga para a frente ou uma forma saudável de viver a desgraça?

À melhor resposta, ofereço um café




You may also like

19 comentários:

Anónimo disse...

É uma forma saudável de viver. Desgraça é viver num país "ultra-desenvolvido", ter um excelente emprego e não ser feliz. É obvio que falo de dois extremos, não se deve ser nem tanto ao mar nem tanto à terra porque felicidade e trabalho podem coexistir. Mas se eu tiver de optar entre um dos extremos...

Anónimo disse...

Olha João, tive a oportunidade de viver noutras localidades, e digo-te as gentes de Soncent são os que melhor vivem e aproveitam a vida! Olha toda a gente trabalha, não são preguiçosas, mas nos tempos livres cuidam do corpo e da alma, ou sejam, vão à praia, tomam sol, fazem ginástica, e melhor, têm sempre uma anedota ou pirraça na ponta da língua para contar, o que é fantástico. Penso que as gentes de São Vicente, sem descurarem do trabalho e da produtividade, conseguiram um equilíbrio de viver, de fazer inveja a muito países ricos, acredita.

Um abração sanvicentino,

João Branco disse...

Anónimo I, não seria interessante pensar também quem paga a factura depois?

Anónimo II, concordo, mas na componente da produtividade, olha que já foi mais. Cada vez mais me parece que se anda a querer muita festa e pouco esforço.

Vejam o que aconteceu com a história do jogo da bolha, que estourou em poucas semanas na cidade? Isto não é um claro sintoma de como estamos hoje? Penso que sim!

Mas não me posso queixar. Por alguma razão escolhi Mindelo para viver, não é!? Tenho conversado com muitos amigos sobre isso, e acabo sempre com esta frase: "isto sim, é qualidade de vida. Poder sair de casa e cinco minutos depois estar dentro do mar, ou num bar com amigos; e não ter que passar duas horas por dia em filas de trânsito para se ir para um trabalho que se odeia!"

Fonseca Soares disse...

Para além da qualidade de vida, o 'fintar o destino' de problemas mil ligados à sobrevivência, à pobreza, à falta de emprego e de dinheiro... e mesmo assim... ter a capacidade de continuar a tentar ser e viver feliz... é obra! É sabedoria. Não é para qualquer um.

Anónimo disse...

NAVALHA DE DOIS GUMES QUALQUER RESPOSTA! HÁ DEFACTO UMA FORMA DE ESTAR NA VIDA AQUI, QUE FAZ INVEJA A QUALQUER DOS PAÍSES DITOS RICOS. A FORMA DE ESTARMOS "FELIZES" NÃO SE DEVE CONFUNDIR COM FRIVOLIDADES,INDIFERENÇA, PUTARIAS ECT... HA MUITA GENTE QUE NEM PARA COMER TEM. QUEM QUER VER MISÉRIA FAÇA UM TOUR A PÉ AOS DOMINGOS PELOS SUBURBIOS DE MINDELO. HÁ PESSOAS QUE TRABALHAM PARA MELHORAR A SITUAÇÃO DOS POBRES, MAS A BASOFARIA DOS EXIBISIONISTAS AQUI NA ILHA COM A PERLONGAÇÃO DOS SEU FALOS E VAGINAS DE QUATROS RODAS ME IRRITAM. SONCENTE E O SEU POVO MERECE MELHOR RESPEITO.

TCHALE FIGUEIRA

Lily disse...

Pelo menos há alegria... desde que não seja para negligenciar /esconder/ fugir aos problemas, poderá ser uma forma mais saudável de sair dos mesmos...
Outros sítios há, em que as taxas de desemprego igualmente galopam, mas se vive de forma sorumbática e sobem também os taxas de depressão ( e de outras doenças mentais, aludindo ao post de ontem)...

Manu Moreno disse...

As duas coisas Djonsa!

PART 1:

Noite...
Ka ta dexa azia
Baile...
Xeio di fantazia

Gota di doçura
Oferecedor...
Cheiu di mistura...
Bendidor di si dor

Descendente
Atraente...
Ta spera strela kadente
Sorridente...

Andador
Benfeitor
Ki kumé pé di katchor
Ta spera pa dia midjor

Mindelo diskuberto
Porto aberto
Pa tudo Alberto
Ku sé amigo sperto

PART 2:

Na praça di madrugada
Na desfile di Tchinda
Preparadu pa disbunda
Na traji di enkumenda

Festival
Merecidor
Carnaval
Di um povu kriador

Artista
Ta apresenta beleza
Rasta
Ta kontempla morabeza

Katraios
Ta juga balizinha
Xeiu di talentos
Traz di kasa vizinha

Ilha demokrata
Xeio di informador
Sem aristokrata
Pa ka ser sofredor

Kel abçom di morabeza!
ManuMoreno

Anónimo disse...

Olha Portugal...aquele povo que sempre foi deprimido, agora com a crise, é ir lá e ver a agressividade e mau-humor com que se levantam e deitam-se. Desulpa João, mas é verdade.Estive lá em outubro e achei aquele povo ainda mais triste, deprimido, agressivo, muito diferente dos meus tempos de estudante...

Anónimo disse...

O Tchalé e o Fonseca Soares (permitam-me a intimidade) disseram tudo.

Estou, porém como tu, caro João: Dêem-me a reforma que "arranco" logo para Cabo Verde, sem pensar ou hesitar!

a) RB, anónimo por obrigação

João Branco disse...

Fonseca, e aguentar tanta paródia, também exige muita arte! hehehe

Lily, alegria há, quase sempre, felizmente.

ManuMoreno, muito bem!

Anónimo, também concordo que pt está mais triste. Mas depende das zonas. Olha, no Norte, o pessoal deve andar feliz nestes dias, ao contrário dos vizinhos da segunda circular (desde já rebaptizada de 7ª circular...)

RB, o melhor é vir antes disso! hahaha

Sisi disse...

Acho que não é nem uma coisa nem outra. A impressão que eu fiquei da última vez que fui para SV, é que o pessoal so quer festa e trabalho que é bom "estou bem muito obrigada". De salientar que a malta mais jovem já nem estudar querem mais. É claro que não se pode generalizar, mas a situação real não anda muito longe disso.

João Branco disse...

Eu penso que a Sisi toca num ponto que seria importante não fingir que não está acontecendo. O caso da bolha foi sintomático sobre o estado social da cidade do Mindelo: dinheiro fácil, para estourar na festa, porque a alegria é muito boa, muito fixe, mas alguém tem que pagar a factura. Nada é gratuito. Bem, o mar e o céu. Mas esses, nem por muito tempo mais!

Tiago Leão disse...

Totalmente de acordo com a alegria contagiante com que se vive no Mindelo. Também eu, da última vez que estive em Lisboa, senti a antipatia por dá cá aquela palha, e as caras carrancudas um pouco por todo o lado. Agora essa de se trabalhar muito em São Vicente deve ser para rir. Como tu, João, também escolhi viver aqui e não sei realmente de lugar melhor, mas, ao contrário de alguns comentários, acho que não se podia trabalhar menos. Senão expliquem-me também porque é São Vicente está estagnado há 20 anos. Aparte a assustadora taxa de desemprego, o que mais me surpreende é a quantidade de gente que quase nada faz, os 4 cafezinhos por dia, as gentes encostadas nas ombreiras, a lentidão de quase tudo, e não me interpretem mal, se quisesse pressas não estava aqui, mas às vezes é um exagero, e em muitos restaurantes e serviços, a sensação de câmara lenta é impressionante. Acho paradigmático desta triste ideia que tenho do Mindelo, aqueles dias de domingo de Outubro, Novembro ou Dezembro, em que a morada é invadida por 3000/4000 turistas que por muito que se esforcem não encontram quase nada aberto. Soube que «alguém» tem de pagar aos trabalhadores do Pelourinho, porque caso contrário eles não estavam interessados em abrir portas. Portanto não me venham com histórias de vontade de trabalhar! Abraço.

Felina disse...

Hà que ser optimista e acreditar no futuro

João Branco disse...

Tiago, excelente comentário. Dizes muito do que tenho andado a dizer por aqui.

Felina, para isso é preciso conhecer bem o passado...

Arsénio disse...

Somos tão alegres, que até rimos da nossa própria desgraça.
E assim vamos nós.

Kuskas disse...

Oh João

Eu já trabalhei em Mindelo e neste momento trabalho na Praia.
Uma coisa eu digo-te: produz-se muito mais em São Vicente do que aqui ma Praia. Pode parecer que não, mas aqui MUITO boa gente "finge" que trabalha muito.
É uma dor de cabeça as vezes encontrares o tipo com quem tens de terminar um relatorio disponivel.
E quanto ao facto de "haver um esforço" em encontrar lugares abertos, a lentidão do atendimento, isso acredito ser o nosso mal nacional.

O Mindelense precisa é recuperar autoestima e a capacidade de reenvindicar e para de esperar pelo outro para dar a volta por cima. Vejam só como o POrto Novo que era uma pasmaceira até uns 4 anos atrás, está neste momento.

A malta nova não quer estudar nem em Mindelo nem aqui na Praia. Eu vejo como os "estudantes superiores" são na maior parte "Alunos". Os gajos aqui nem sabem quem é o Socrates ou o Sarkozi (estudantes superiores de Comunicação Social)...

Cada vez que vou a Mindelo, fico triste em ver que apesar da alegria de viver do meu povo da minha ilha, essa alegria é só verniz, é só aparente...

Abraços

Ariane Morais-Abreu disse...

Os dois!!

Anónimo disse...

Adorei o seu comentário Kuskas, acho que disseste tudo. Ninguém gosta de SV mais do que eu. Depois de 8 anos em Portugal ao regressar tive a plena convição que esta é a melhor ilha para se viver em CV tanto em termos ambientais, paisagistica, saneamento hiegiene e pelo próprio povo. Todavia eu fico louca com essa falta de atitude dos mindelenses em não lutar, reagir, é preciso revoltar sair à rua e exigir, é exigir sim libertação dessa colonização do governo que nos tirou tudo para se concentrar na Praia. Chega de pasmaceira e de covardia, chega de converasar só nos cafés vamos sair à rua é hora de lutar por uma nova independência sem medo e sem partidarismos.