Blog Joint: Declaração Cafeana

7 Comments


Houve uma época em que havia mais coragem. Talvez porque muitos dos acontecimentos não estavam cobertos pelo que hoje conhecemos como "democracias estáveis" ou "Estados de Direito" e então grupos de pessoas, principalmente jovens e/ou artistas, denotavam uma outra irreverência, sendo que uma das acções mais comuns, principalmente em grandes cidades europeias como Amsterdão, Paris ou Lisboa, era a ocupação de edifícios abandonados para o exercício de actividades culturais, ligadas à criação artística.

Hoje, no Mindelo, há vários espaços desses, prontos para serem ocupados, dado o seu estado de completo abandono, alguns há dezenas de anos. Ou porque são locais envolvidos em imbróglios judiciais, ou porque estão à espera de valorização do terreno, ou simplesmente porque quem é dono e responsável por eles, o Estado, tem outras prioridades.

São espaços que são ocupados, sim. Mas por mendigos e/ou toxicodependentes que por força do vício ou da necessidade, tem muito menos do que perder quando ocupam estes locais. Se tivéssemos uma classe artística organizada e com sangue na guelra, alguns destes lugares poderiam estar hoje ocupados com galerias, locais de ensaios e apresentação de espectáculos. Depois que viesse a polícia e os processos no tribunal, mas pelo menos sabíamos que não nos tínhamos limitado pela sempre cómoda espera de alguém que viesse resolver os nossos problemas. E sim, isto é uma auto-crítica.
 


You may also like

7 comentários:

Tchale Figueira disse...

Bem visto João agora resta fazer a "Revolução"

Tchale Figueira

Lily disse...

Cheira-me a Revolução... e nada melhor para a iniciar do que olhar para dentro para a iniciar...

Como casa limpa
Como chão varrido
Como porta aberta

Como puro início
Como tempo novo
Sem mancha nem vício

Como a voz do mar
Interior de um povo

Como página em branco
Onde o poema emerge

Como arquitectura
Do homem que ergue
Sua habitação

Sophia de Mello Breyner Andresen

Cumprimentos e continue com a sua coragem!

Anónimo disse...

Concordo João, há tempos aqui na Praia, propus a tal invasão ao edificio que é do Estado em frente à praça 12 Setembro.
Ali funciona a marcenaria numa sala ENORME e outros espaços estão e continuam abandonados...falta a parte importante para isso. CLASSE, GRUPO, ou uma ideia força!

Djinho

Anónimo disse...

Ke revolusaun. Mi e dakes ke ja invadi spases li na Rotterdam pa no pudes ter um radio komunitariu ou un lugar pa ensaia tiatre ou mesme pa organiza jovens a prokura de ses identidade. Era bon sabe kmanera ke sosiadade na Kabe Verde tava aji a apartir du mumente ke jonvens tava okupa es spase a ben de kultura ou simplesment kome um manifeste de deskontentamente a politika e poderes.
N oia na Mindelo, Praia, S.Filipe, Povoacao alguns des predie e ke pudia sirvi pa linhava un revolusau juvenil y artistika kontra es naun ezistencia de um pulitika kultural vrode pa stimula jovens a ser es mesme na lugar de ser utents de um sistema kultural falide ou inezistente.

Bo kre oia jent ta leva de pau nen Djon?

N tava gosta de estode la na barrikade ke pneu insendiode y uns lata de urina txoke ta spera autoridade txega. MA parsem lei na Kabe verde ka ta preve algu du tipe.

Li na Holanda ta konta ke tude predie e ke tiver mas du ki 1 one abandonode sen ningen morode ou sen nenhum servintia pode ser okupode pa ken ke seja. Basta es paga iletrisidade y es okupal ofisialmente. Ou seja la ten de ter um kama, um mesa, um prote y talher ou ainda bo ikipa la kome atelier ou lugar de servintia publika ou artistika, Ma bo ten de mete um nova fetxadura nel pa dze ke algen tel okupode y bo ten de inskreve na registe sivil kome morador ou kome diresaun de kel organizasaun sivika ou fundasaun artistika.

doutraforma plisia pode trobe dala fora konde es kre. Ou senaun dones des prediu ten de eter un prujet rekunhesid na kamara munisipal e ke deve inisia dentre de 6 mes. La bo ta perde tude razaun y direit de stode. Ma ise ta kontse li e konde es Crakers sima no ta txema es muvimente de invadi predius abandonod na sidades de Holanda. Krakers ta ben de palavra Kraken ki e Rombar, Quebrar ma na kriol ou purtuges N ka tita oia un spresaun izata pa el.

Guy Ramos

João Branco disse...

Eu nem sei o que vos diga, a sério! Estão aqui estão a ver-me como o Guy diz: a levar de pau do piquete...

Lily disse...

Conheço um espaço muito interessante que nasceu de um espírito revolucionário ou melhor dizendo, inconformado...
Esta frase linda..."Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara". Esse trabalho que faz, de nos por a reparar em determinados aspectos e a falar sobre os mesmo já é um grande passo.
Penso também que enquanto não existirem políticas urbanísticas e arquitectónicas eficientes, que permitam o levantamento e classificação dos edifícios e por conseguinte os "revitalizem" e proporcionem "vitalidade urbana", a coisa vai ser complicada...exige, para além do mais, muita força de vontade e ir contra muitos lobbies ...

zito azevedo disse...

Seja-me permitido, na minha qualidade de mindelense adoptivo - ou será afectivo? - pedir veementemente que façam algo pela réplica da Torre de Belém, e, por favor, utilizem todo aquele enorme espaço do Eden-Park para alguma coisa de socialmante util como, por exemplo, um multi-usos concebido tanto para actividades desportivas como de caráter artístico! Assim Vos peço, do fundo da minha alma!