Café Cinematográfico

2 Comments


É um filme espantoso onde uma simples história está contada de uma forma inesquecível. Realizado por Guillmermo del Toro, o filme "Labirinto de Fauno", de 2006, é uma metáfora do pessimismo, onde a fantasia é utilizada para provar o quanto o mundo é cruel, mais ainda aos olhos de uma menina de 10 anos com uma prodigiosa imaginação. Além disso, este é um daqueles filmes que nos permite discutir e abordar outras temáticas sociais e até fazer alegorias políticas, já que a história se passa em plena guerra civil espanhola, uma das guerras mais sangrentas da Europa.

Através dos olhos da menina protagonista, o real e a fantasia são misturados de forma soberba, mostrando o contraste entre os dois mundos. Primeiro a ficção enquanto fuga, poesia, redenção. Depois a realidade, inevitável, violenta e crua.

O filme tem outras virtudes, além de ser uma história muito bem contada: é tecnicamente assombroso, com uma fotografia belíssima e o universo fantástico construído e elaborado com grande mestria. A banda sonora, composta por Javier Navarrete, ouve-se com imenso prazer e ajuda ao festim. Uma viagem e uma pérola cinematográfica.



You may also like

2 comentários:

Manu Moreno disse...

Oh demónio
Ki bem di inferno
Ki trazem intentaçom
Ki maguam nha kuraçom

Na bu korpu rugosu
Na bus odjus gulosu
Na bus gestus manhosu
Nha alma torna konfusu

Bu jura
Lebam ao labirintu d´amor
Bu jura
Tram dés labirintu di dor

Oh anju di fantazia
Tram dés labirintu kruél
Entregam nha minineza
Lebam ao mundu real

Kel abçomdi kuraçom
ManuMoreno

João Branco disse...

ManuMoreno, se bo ka odja film ranja´manera d'oyal. El e sinku strela!