Marilua

5 Comments


Num ósculo profundo como o mar
Alucinaste meu peito pulsando

Num hino de pássaros brilhando
Tua boca em meu templo chegou

Em teu triangulo negro de plumas
Meu dedo a tua flor encontrou

Em tua gruta cheirosa de rosas
Com música da lua minha flauta tocou


Tchalé Figueira


You may also like

5 comentários:

Felina disse...

Simplesmente divino

Anónimo disse...

Estarei a ver/interpretar mal ou este poema faz lembrar a Sophia de Mello Breyner Andersen?

a) RB, anónimo por obrigação

João Branco disse...

Dois grandes elogios. Uma Felina em extase e uma comparação com a grande Sophia. Estás em grande, Tchalé!

Manu Moreno disse...

Obrigadu Cafemargosu i tchalé, por ter inspiradu na fotu i poema!!

Dipós di bu kalor
Na mi fika plantadu
Um óceanu di dor

Nha kuraçom ki era di amor
Torna morada di um sofredor
Transforma num strela sem brilhu

Dipós di bu abraçu
Nha korpu torna friu
Torna num veleiro sem velejador

Nha alma torna cinzentu
Torna num invernu tristi i chuvosu
Ki transforma num lamaçal di saltu i subrisaltu

Kel abçom di curaçom!!
ManuMoreno

Anónimo disse...

Obrigado pelos elogios. Não tenho vergonha de dizer que a poesia da Sofia não a conheço mas fiquei curioso e vou ter que ler a sua obra. Como dizia Jorge Luis Borges: NADA É NOVO NESTA VIDA, TUDO É ESQUECIMENTO,

Abraços e amizade.

Tchale Figueira