Um Café com Zé Maria

18 Comments



Dificilmente José Maria Neves terá um fim d'ano como este. Quando o mundo parecia desabar, quando a doença parecia querer derrubar o país e o seu líder, eis que ele surge qual Fénix surgido das cinzas e neste momento não há dia que passe que não se anunciem boas novas, para o arquipélago ou para o seu Governo.

Estou absolutamente à vontade para dizer isto porque este tem sido o espaço onde o actual governo tem sido criticado sem problemas nem restrições. Mas este também tem sido o espaço onde se diz sem problemas nem restrições que a visão tacanha de uma oposição sem ideias, sem projecto e sem perspectivas só contribui para que o panorama politico nos parece por vezes tão pobre. E portanto, numa altura em que um novo-velho líder da oposição tenta afirmar-se num terreno que já lhe foi mais favorável, este conjunto de acontecimentos coloca o actual Primeiro-Ministro numa posição bastante confortável para as batalhas eleitorais que se avizinham.

Senão vejamos: o anúncio do segundo pacote do MCA é uma vitória diplomática e politica retumbante. Aqui se viu que a visita da senhora Clinton não foi só para americano ver e que o seu discurso, que varria de elogios a administração crioula, teve repercussões práticas muito concretas. Mas esta não foi a única boa notícia dos últimos dias. A inauguração de pontes em Santo Antão ou do aeroporto internacional em S. Vicente; o combate que deu pessoalmente à temível epidemia que assolou o país, dando o corpo ao manifesto, tomando as rédeas da situação na altura certa (numa altura em que o responsável pela pasta da saúde metia os pés pelas mãos) e o facto de hoje a dengue se considerar "controlada" (ontem, tivemos apenas 15 casos a nível nacional, o que é notável) é outra vitória sua, que será tão mais importante quanto maior for a real aposta que se fizer num programa ambicioso de saneamento a nível nacional que saia, efectivamente, do papel.

Na semana passada, uma sondagem coloca o líder do governo com um índice de popularidade acima da média, o que não deixa de ser notável tendo em conta o desgaste natural de quase dois mandatos consecutivos. Tivemos ainda a notícia de que Cabo Verde registou um crescimento económico médio acima dos oito por cento, entre 2005 e 2007, dados oficiais. Certo que estes valores se referem antes do aparecimento da crise, mas também me parece que o pior da crise já terá passado e neste momento se respira um ar de maior optimismo e esperança no futuro, para o qual a boa forma actual de José Maria Neves contribui de forma considerável.

Agora, tudo isto tem um grande inconveniente: acaba por servir para minimizar ou mesmo fazer esquecer algumas das mais tremendas (e poucos desculpáveis) deficiências da actual equipa governativa ou do partido que o sustenta, a diferentes níveis: o mau preparo dos seus deputados; as trapalhadas na saúde, as irresponsabilidades na política energética; o esquecimento no saneamento; o centralismo exacerbado; a forma pouco equilibrada como os recursos são distribuídos pelo arquipélago; ou a incompetência generalizada na cultura, em cujo sector, se anunciou para 2010 a realização de mais três simpósios, todos eles certamente muito importantes e muito internacionais. Tanto barulho para (quase) nada, suspiraria Shakespeare!





You may also like

18 comentários:

Amílcar Tavares disse...

Começou-lhe mal o ano e parece que recuperou bem. Mas falta audácia: uma melhor gestão de recursos humanos na Administração Pública, controlo do défice...

Uma dúvida minha: será que o Executivo aprendeu alguma coisa com a epidemia da Dengue (por exemplo a urgência de saneamento básico)?

O 2º pacote do MCA não é uma vitória a 100% da equipa do JMN. Tem muito a ver com a eficácia, em si, do programa e dos moldes que o conduzem, afixados pelo Congresso doas EUA.

Dénis disse...

Pois é JB esta parada não esta fácil para os Verdes!
Esperar para ver até o último minuto !!!

Tchale Figueira disse...

A ultima parte é que é real João. Agora, esta história do milenium é o que? O que querem os gringos em troca? Bases militares para melhor controlarem as suas guerras? Os aeroportos internacionais são para que cada um de nós possa viajar des da sua ilha, ou irão servir para a NATO aterrar as suas máquinas de Guerra?

A ultima parte é: Caos na Energia, centralismo cada vez mais Central, Cultura que é só papo furado!em fim muita muita Merda. E se o outro partido ganhar, nada irá melhorar. Politicos é mesmo para mandar a PQP!!!!!!!!!!!

nelson belmiro disse...

Puxá Tchalé, tu és um excelente artista mas, nunca dizes coisa com coisa. é esperado de ti uma atitude mais racional e mais madura.É pura mentira que os artistas não dizem nada mas, tu não colaboras nada. Sempre que vens cá não falta um palavrão e coisas sem sentido a sairem-te da boca. Desculpa lá JB e sequer sei se vais publicar este comentário. De resto, creio que é uma vitória sim para CVerde credivel devido a liderança de alguém mto capaz. Nelson Belmiro.

Tchale Figueira disse...

Senhor Nelson Belmiro: Se você acha que eu não digo coisa com coisa, tudo bem!... Tem autoridade, para dizer, que eu sou um excelente artista? É CRITICo DE ARTE?
A sua opinião sobre a politica em Cabo Verde é sua, e basta!Palavrão são os politicos na demagogia. Se você se acha RACIONAL E MADURO, BRAVO! Nao gosto é de puxa saco!...

Se Nelson, é o seu verdadeiro nome, mande-me as sua cordenadas, talvez possamos falar e trocar ideias, quiça possa aprender com a sua sapiensa.
Muita Paz

Álvaro Ludgero Andrade disse...

Prezado Joao, um artigo corajoso, no entanto - e como este é um café para trocarmos ideias e por isso o visito diariamente, mesmo estando na stranja como agora - discordo completamente com a tua posiçäo quanto à dengue. Acho que quem de facto liderou o assunto foi o ministro Basilio Ramos e que o PM assumiu o papel que devia ter assumido. Que no início ninguém sabia o que era esse sacudin djan ben, é verdade, mas duvido que se tivéssesmos um ministro que fosse médico, muito dificilmente Cabo Verde teria debelado essa epidemia como o fez. é só lembrarmos do que aconteceu com a cólera em 1995. Acho que as preocupaçöes e mudanças do PM seräo outras...

Mantenhas

JB disse...

Álvaro, podemos dizer o que quisermos, mas apenas quando o PM se chegou e assumiu, PESSOALMENTE as coordernadação do combate contra a epidemia é que realmente se sentiu que o governo teria acordado (tarde, diga-se). Esta foi a minha percepção, mas compreendo perfeitamente que penses de forma diferente. Para isso existe este café.

Abraço

Anónimo disse...

Isto é mais do que euforia e louvaminhas aos montes a JMN é a emoção pura de quem é do PAICV. Proprio de quem se embriagou na propaganda politica e acha que a vitoria do PAICV já são favas contadas. Por que não assumir claramente que é do PAICV? Assim é mais honesto. Acreditas mesmo na sondagem? Para um individuo com a tua cultura e capacidade de indagação me parece estranho que aceites acriticamente esta encomenda que o PAICV fez!
Parece que o João não vive em S.Vicente onde existem 8000 jovens inscritos no Centro de Emprego a espera de uma vaga que nunca chega! Vive em S.Vicente mas não vê os restaurantes e minimercados as moscas. Por acaso já reparaste que Cafe Com Leite fechou as portas, ele que vendia comida a preços pequenininhos?É que nesta ilha não circula dinheiro, 10 anos depois do Governo de JMN. Essa do aeroporto internacional além de vir tarde a sua construção foi uma autentica trapalhada. E felizmente que nesta terra chove pouco senão eram voos cancelados todos os dias por causa da chuva porque o aerporto não foi construido para uma ilha que chova. Quanto a dengue lamento que de tanto embriagado com os talentos do seu lider tenha se esquecido das pessoas que morreram e dos muitos milhares que sofreram sequelas das doenças e da angustia dos familiares. Uma pessoa que assume o combate e logo a seguir é abatido, convenhamos que além de mau General é imprevidente e leviano. E com isso manchou a imagem do País, que neste curto periodo de tempo perdeu muito em negocios. O Governo falhou na vigilancia e não há como escamotear isso. Contudo digo respeito a sua opinião e é livre para fazer as analises que quiser, agora prepara-se para levar no lombo, porque quem entra no combate politico é para dar mas também leva forte e feio. A partir de agora já sei que alem de homem de teatra também e um politico afecto ao PAICV e é assim que vou lhe dar combate politico e ideologico.

JB disse...

O caro Anónimo, que resolveu colocar-me uma etiqueta na testa e jurou um combate (político e ideológico) sem tréguas à minha pessoa anda muito distraído.

Porque se estivesse atento e percebesse alguma coisa de psicologia, veria que sofro do síndroma da dupla personalidade e que se nos primeiros parágrafos me assumo como um político afecto ao PAICV no último parágrafo me transformo, qual Dr. Hyde, num acérrimo militante do MpD!

Há que entender as coisas como elas são. A mim, no que à política diz respeito, tenho total falta de coerência. Sou capaz, num mesmo texto, de elogiar o Primeiro-Ministro ou a Presidente da Câmara Isaura Gomes! Que incongruência! Que falta de decoro político! Um homem de cultura, ainda por cima. Haja paciência...

Aliás, se o caro combatente fizer um deve e haver dos mais de 2000 mil post's já publicados aqui no Café Margoso verá que a coisa deve estar ela por ela. Mas, por exemplo, no campo da política cultural, aquela que mais me diz directamente respeito, devo ser ventoinha dos pés à cabeça, já que 90% dos meus textos são a criticar as políticas (?) públicas para o sector. Aliás, poderia ter mais artigos elogiosos do seu partido, caro combatente anónimo, se alguém da sua área política estivesse mais atento e escrevesse ou actuasse ou desse algum sinal de vida que seja, para contestar as muitas e muitas incongruências e trapalhadas que somos obrigados a aturar por parte do MC e seu acólitos nos últimos seis anos.

E pronto. Agora sim, quer conversar?

Anónimo disse...

Considerando que Tarrafal de Santiago possa ser uma importante região
para o desenvolvimento do turismo no contexto da ilha de Santiago (e
no país, se levarmos em conta que a ilha alberga a capital, propensa a
receber maior circulação de pessoas), o arguente João Estêvão entende
que um programa amplo de desenvolvimento do turismo local não passa
tanto por uma política da Câmara Municipal do Tarrafal, mas antes pela
intervenção do Governo. João Estêvão, que também investiga o
desenvolvimento de Cabo Verde, é de opinião que, comparado com ilhas
como Maio, Sal ou Boa Vista, não há grandes excepcionalidades no
Concelho do Tarrafal de Santiago para o desenvolvimento do turismo, já
que as citadas ilhas também têm, sol, praia, bom clima, lençóis de
areia e ‘morabeza’. Criticando o modelo de turismo que tem sido
implementado em Cabo Verde, João Estêvão aponta o dedo ao próprio
caminho de desenvolvimento do país, recomendando mais modéstia e
seriedade nas análises porque, na sua opinião, “o cabo-verdiano tem
muita ‘bazofaria’. Se compararmos Cabo Verde com a África Ocidental,
vangloriaremos o nosso desenvolvimento porque temos um PIB 3 a 4 vezes
maior do que a média dos países dessa região. No entanto, se
analisarmos Cabo Verde no contexto dos países insulares, veremos que
só estamos à frente de São Tomé e Príncipe”. João Estêvão lembra que,
em 1995, as ilhas Seicheles tinham um PIB igual a Cabo Verde, mas hoje
têm um PIB 4 vezes superior ao de Cabo Verde. Com estes dados, fica um
conselho: menos bazófia e mais trabalho.

Anónimo disse...

O Governo do PAICV na sua tentativa de permanecer no poder, e também na sua criatividade de construir frases propagandísticas criou “casa para todos”. Agora é preciso saber quem vão ser os beneficiários? Quem vão executar? Porque, se realmente existe este programa, todos os municípios querem estar dentro do mesmo. Aí, acho que não vai haver discriminação, como aconteceu com um outro programa chamado de “operação esperança”. Aqui na ilha de Santo Antão, estamos a beira de mais uma discriminação violenta por parte do Governo em relação aos municípios, está previsto assinaturas de contratos programas para execução de algumas obras de cariz social, o que está estabelecido é o seguinte: No município do Porto Novo, o contrato vai ser assinado com a FADEP (Federação das associações de desenvolvimento do Poro Novo), No concelho da Ribeira Grande, o mesmo vai ser assinado com a OADISA (Organização das Associações de desenvolvimento Integrado de Santo Antão) e no concelho do Paul com a Câmara Municipal, minha gente este é que é um governo que não discrimina os municípios tendo em conta a sua cor política, o restante é “estória”.

JB disse...

"Menos basófia e mais trabalho", olha cá está um excelente conselho. Agora perguntaria ao caro anónimo que está a fazer desta caixa de comentários o livro de reclamações do actual governo (está à vontade para o fazer, digo desde já, até porque o livro de reclamações é algo obrigatório de algum tempo a esta parte) se, com algum esforço, não consegue encontrar nada de positivo, nem uma réstia, uma medida que seja, positiva durante as duas últimas legislaturas...

(silêncio)


Nada? Nadica de nada? Nem uma medida, uma proposta, alguma acção concreta no terreno...

(silêncio)


Hum... ainda nada? I rest my case... (Fica sempre bem uma frase na língua de Shakespeare num comentário como este).

Anónimo disse...

Ola João

Acho que não deves ter tantas preocupações em estar justificar as tuas opiniões, permanentemente. Meu caro amigo estás a exercer o direito que tens a dizer aquilo que pensas e isso chama-se liberdade de expressão, a rainha das liberdades! Acho que o que faz falta neste país são opiniões diferentes, ideias plurais sem que ninguém tenha que ficar ofendido ou que seja objecto de ataques pessoais. É preciso insistir nisso porque o que não falta são pessoas contra quem tem OPINIÃO, sobretudo opinião livre, com independecia intelectual. Causa inveja e ciumes. Quanto ao teu artigo sente-se claramente que tens um carinho especial por JMN, estás no teu direito e se calhar estás mais optimista do que ele nesta altura do campeonato. É claro que eu gosto mais da ultima parte, e até digo que poupaste nas criticas se tivermos em conta a situação da TACV/ASA, Electra e INPS, etc, sem esquecer as questões de terrenos das ZDTI...

Um abraço e continue com a mesma irreverência

Américo Silva

Pss disse...

José Maria Neves o primeiro Primeiro Ministro de Cabo Verde que vai aterrar a bordo de um Boeing nesta ilha chamada S.Vicente tem oportunidade de fazer História. Essa oportunidade depende de 1) Quem ele trará nesse voo inaugural (não acredito que Dr.ª Zau tenha lá lugar! Com todo o respeito Sr. PM trazer "os mesmos de sempre", aqueles que não mexem e não mexeram uma palha para S.Vicente é perda de tempo); 2) O que ele trouxer na bagagem; E uma das coisas que poderia vir na bagagem desse Boeing era o seguinte (E fica desde já a sugestão ) quando avistar com a Srª. Presidente de Câmara diz-lhe que aquela coisa chamada Parque Industrial de Lazareto acabou. Aquilo será "nacionalizado" e passará a ser o "Parque Tecnológico de Cabo Verde". (As crianças de S.Vicente hoje em dia pedem o seguinte ao Pai Natal: que dos googuelhões de doláres do MCA parte seja usado para investir nesse Parque Tecnológico.)

JB disse...

Oh Américo, és bem vindo e sabes que és daqueles com quem eu gosto de dialogar, discutir e debater argumentos... já o fazemos há muito tempo, desde os tempos da Direcção Geral da Juventude. Eu ainda cheguei a pensar que aquele anónimo que, tão simpaticamente, me jurou combater (politica e ideologicamente), poderia ser algum heterónimo teu mais malandreco, mas vejo que me enganei!

Eu não me estou a justicar, nem o tenho que fazer, como bem dizer. Apenas acho que é importante debater este raciocínio minimalista de que o arco-íris tem só o verde ou o amarelo.

Abraço e volta sempre


Pss, vou transformar esse comentário num post. Excelente!

Anónimo disse...

Ola João

Que "estória" é essa de malandreco? Gosto de ser malandreco mas noutras coisas ... Eu sou pela LIBERDADE, DEMOCRACIA, pluralidade de ideias, discussão positiva, vibrante, intensa e isso ainda nos falta as toneladas. Ainda ontem li no Expresso das Ilhas um artigo de Daniel Santos onde ele apresenta algumas causas dessa intolerancia, da violencia verbal que grassa por aí em tudo o que é discussão. Segundo ele tem haver com o facto de nos ultimos 83 anos, Cabo Verde ter vivido 63 anos em regimes autoritarios e de pensamento unico. Sou um admirador no teu blog que até cito no meu ultimo artigo e portanto só posso promove-lo como espaço de aprendizagem e de debate plural.

Um abraço

Américo Silva

Tchale Figueira disse...

Gente como o Américo podes sempre editar João, inteligente, construtivo. Aos fanáticos partidarios a estes filtra porque o teu blogue não é um caixote de lixo tal os jornais electronicos deste País. É uma vergonha os comentários que lia ( Já não os leio)

Um abraço.

JB disse...

Estava a brincar. Sabes que tens a minha estima e consideração. Aqui estou plenamente de acordo com o Tchalé. Abraço.