Café Teatro

10 Comments




O grupo de teatro Craq'Otchod, de Ribeira de Craquinha, vai estrear no próximo dia 19 de Dezembro a sua nova produção teatral, “mim'delo” - estórias de uma periferia à solta, integrada no projecto artístico de Miguel Pinheiro, com a colaboração de Veronica Bestetti (Associação Stringhe Colorate) e de Filipe Martins (Departamento de Antropologia - Inst. Univ. Lisboa).

Esta peça tem várias particularidades que justificam um olhar atento e, mais do que isso, uma presença solidária nos dias de apresentação: “mim'delo” é um grito à necessidade de responsabilidade individual na construção de uma sociedade: mim’ = eu, quem sou eu que habito em redor do Mindelo, eu que (também) sou Mindelo?

Além deste questionamento sobre quem somos e o que podemos fazer pela e/ou para a nossa cidade, o grupo apresenta-se com outra inovação: o preço dos bilhetes tem um desconto de 100 escudos para aqueles que sugiram num livro que estará à disposição dos interessados uma acção que promova o desenvolvimento social da cidade do Mindelo. Esse livro, também com o título “mim’delo” será depois oferecido à Câmara Municipal de S. Vicente. Portanto, quem tem coisas para falar, criticar, sugerir, gritar, desaforar, construir ou partilhar sobre a cidade do Porto Grande, esta é, seguramente, uma óptima ocasião.


Quem, Quando & Onde

ESPECTÁCULO DE TEATRO, pelo grupo Craq’Otchod
Dias 19 e 20 de Dezembro,
Centro Cultural do Mindelo, 21h




You may also like

10 comentários:

Ariane Morais-Abreu disse...

Quem sao os Craq'Otchod? Quem é o cara que aparece no cartaz? Nao tem nome ?!! Interessa o leitor saber quem esta na concepçao desta encenaçao, além das colaboraçoes estrangeiras de buleia a volta de Mindelo... Este teatro que parece sair "des sentiers battus" merece nao a solidariedade forçada, mas sim interpela a necessaria irreverência dos invisiveis perifericos...

JB disse...

Informações sobre este projecto específico podem ser encontradas na página de Miguel Pinheiro, aqui:

http://www.miguelpinheiro.com/mindelo/

Ariane Morais-Abreu disse...

Obrigada pela resposta que nao respondeu a minha pergunta... Pourquoi?!!

JB disse...

Que são os croq'otchod? um grupo de teatro de Ribeira de Craquinha, Mindelo, S. Vicemte. Cabo Verde.

Quem é "a cara" do cartaz? Di Fortes, nadador salvador na praia da Laginha, actor nas horas vagas.

E realmente, estas são as informações mais importantes para quem quer saber algo sobre este projecto. Para quem quiser saber mesmo alguma coisa, é só direcionar-se no link do meu comentário anterior. está lá tudo.

Não vamos ver fantasmas onde eles não existen, n'est pas?

Ariane Morais-Abreu disse...

Quais fantasmas?? Nao sou eu a vê-los, en tout cas!! Actor nas horas cheias quem sao eles em Cabo Verde?!! Quem pode pretender viver desta arte em tao minguado espaço artistico ?! Este Di Fortes nao é também e por acaso encenador ? Nao participou no teu ultimo Mindelact com uma peça inedita ?? Nao trabalha na criaçao dramaturga?! Pois também omitiste no teu programa 2009 (que tenho aqui comigo) o nome deste "nadador-salvador" e dos seus actores. Porquê ?!! quando todos os nomes dos outros grupos aparecem em fichas tecnicas completas... Qu'est-ce que cela veut dire?!!

JB disse...

Sobre as tuas "perguntas" sobre Di Fortes: não, não é encenador. Participou no último mindelact de duas formas: como actor do seu grupo na peça que apresentaram e foi membro da produção do festival mindelact 2009; sobre as omissões, possivelmente quer dizer que os responsáveis do grupo não nos entregaram a ficha artística a tempo de ser publicada.

Mais uma vez: todos os teus comentários nesta questão indiciam um caminho que não entendo porque estás a insistir tomar. Fantasmas, sim. Quem vê coisas que não existem está a ver fantasmas.

Bom Noel

JB disse...

Duas retificações a termos e tom usado no teu comentário:

1. Não existe isso do "meu programa". O festival mindelact é feito por muito boa gente, como o Di Fortes, e existe devido a este espírito colectivo que todos os grupos cabo-verdianos, repito todos, abraçam desde há 15 anos a esta parte e que fez deste evento aquilo que ele é hoje.

2. a referência minha às "horas vagas" não era para diminuir o esforço da pessoa em causa, como queres insinuar no teu comentário. Antes pelo contrário. Todos, aqui, fazemos teatro "nas horas vagas" e por isso mesmo só faz quem tem muita paixão pela arte.

Informa-te um pouco melhor antes de te dedicares a atirar insinuações e cascas de banana sem necessidade. Quando marcas umas férias em Setembro e vens VER E SENTIR o que é realmente o mindelact e o que é realmente o teatro cabo-verdiano HOJE?

Aí sim, certamente terias muito que escrever e / ou dizer. E com conhecimento de causa.

Ariane Morais-Abreu disse...

Aran, JB ja bo tchiga na ponte certo!! Pamode bo precisa justifica des manera assim?! Dja bo oia blu?!! Agora tambi, bo ta decidi kem é encenador na CV, ka é ?!! Tu crois pouvoir faire la pluie et le beau temps na tapadinha selon ton bon vouloir?!!! Ouaf, JB, sabe k'pexe ta morré pa sé boca, e bo abri boca dimas. Lembra surtout kum ta mute mas informada k'bo ta pode imagina, Sancent é nha terra...

JB disse...

Já bo oya manera ke bo é maldosa na bos comentários?

S'un disser ke bo n'é engenheira espacial da NASA é mod un ta mandá na NASA? Pa mim tá bom dess conversinha. O konvite ta fetu. Bem espiá kze te passa na bo terra...

Gora bo tem razão k'un t'abri boka demas porque de vez en kuantu un tem ke atura uns koza ke sinceramente, ignora seria medjor solusão. Ma txa caga!

Ariane Morais-Abreu disse...

Caga ta alivia!!! Um fim d'one suave pa bo i multidao