Um Café com a nova década

5 Comments




Um interessante e bem estruturado artigo publicado no Jornal de Negócios, de Portugal, dá-nos conta das tendências e previsões para a nova década que daqui a pouco mais de uma semana se vai iniciar. Sinceramente, tirando um ou outro aspecto, gostei do que li, e sendo um optimista militante por natureza, estou convencido que a próxima década não só vai ser bem melhor que a anterior, como será menos violenta, mais ecológica e mais saudável. Até porque se assim não for, dificilmente teremos muitas mais décadas pela frente.

Alguns dos in's e out's para os próximos 10 anos:




Diversidade
São cada vez e mais diversos os lóbis que apelam à diversidade nas administrações da empresas. O tema das mulheres no topo promete continuar bem no topo da agenda. E há ainda que contar aquele a que muitos especialistas já chamam "o efeito Obama" nas empresas, ou seja, a maior diversidade de raças.

A Ética
Mais do que "in", é caso para dizer que estará "on". O maior escrutínio de supervisores, reguladores e do poder políticos, de accionistas e investidores é um dos preços a pagar pela crise financeira da década que agora acaba e que, como nunca, ocupou estabelecimentos prisionais com gestores de topo caídos em desgraça.

A Globalização
A internacionalização continuará a ser o paradigma das novas empresas. Mais de 75% das 500 maiores companhias já geram receitas fora das portas da casa mãe. O movimento deverá intensificar-se.

Redes Sociais
As redes sociais surgiram na década que agora termina, mas vão entrar em definitivo no quotidiano das pessoas nos próximos anos. Permitem um contacto permanente e instantâneo entre pessoas que, de outra forma, não comunicavam ou comunicariam menos. Os próprios responsáveis das redes sociais acreditam que esta comunicação permanente vai permitir mais encontros face-a-face.

Melhor Ambiente
As preocupações ambientais não vão também desaparecer. Pelo contrário, tendem a aumentar à medida que os problemas se sucedem.

Sectores do Futuro
Os negócios associados à saúde, às energias renováveis e ao turismo, serão os pontos fortes da próxima década.

Cidades Diferenciadas
As cidades vão querer diferenciar-se e vão desenvolver projectos no sentido de ganhar diferença relativamente umas às outras. Muitas cidades europeias estão já a marcar os seus territórios. Além de que as pessoas vão mexer-se mais e irão viver em vários sítios.

Os Novos Produtos
A televisão 3D [Já está aí. A Sony vai gravar os jogos do Mundial 2010 em 3D.] Alforrecas Gourmet [Apreciadas na Ásia, estes "bichinhos do mar", que se reproduzem até mais não, estão a chegar às cozinhas refinadas da Europa.] Combustíveis de algas [Reproduzem-se a um bom ritmo e não levantam a polémica dos biocombustíveis. Um terreno fértil para as renováveis.] Schools of Life [e, se em vez de se licenciar em gestão, apostar num "curso para a vida": aprender a amar, ler poesia e a relacionar-se. Já existe em Londres: www.theschooloflife.com]

Brasil e India levantam voo
É uma potência florescente apesar da extrema desigualdade na distribuição do rendimento. Também a India, apesar de padecer de problemas sociais gravíssimos, continuará a exibir um crescimento pujante, alicerçado numa mão-de-obra jovem.

Novos Conceitos da Actividade Económica
Risco e imaginação; reinventar os sectores tradicionais; a qualidade de vida.

Os novos dispositivos móveis
Os telemóveis de nova geração e os computadores portáteis serão centrais na relação dos seres humanos uns com os outros, ligados a sistemas globais da Internet.

Eficiência energética
É impossível falar de redução de emissões de dióxido de carbono sem falar de eficiência energética. Apesar da aposta que tem sido feita nas energias renováveis, estas estão ainda muito longe de conseguir substituir os combustíveis fósseis. O petróleo, o carvão e o gás natural vão continuar a ter um peso elevado no "mix" energético durante muito tempo.




Excesso de formalismo
As variáveis serão mais e exigirão maior rapidez e capacidade de decisão, condições que se compadecem pouco com esquemas rígidos e burocratas. Ou seja, "keep it simple".

Fim do anológico
Aconteceu com as câmaras fotográficas, com os dispositivos de música, com a televisão. Será na próxima década que a televisão analógica vai ser definitivamente desligada e dará lugar à televisão digital, com melhor som e imagem.

Privacidade by by
As redes sociais reintroduziram o tema. As pessoas estão cada vez mais dispostas a partilhar informação sobre a sua vida. É essência das redes sociais. As novas gerações têm hoje uma visão da privacidade diferente. Partilham estados de espírito. Partilham fotografias. Partilham vídeos. E até contactos.

A importância dos países
Estamos num processo de diluição das fronteiras, os países perdem, de certa maneira, importância, ou têm-na a um outro nível.

A agricultura tradicional
A agricultura tradicional tenderá a acabar porque o seu custo, tal como a agricultura é hoje, será cada vez maior e tornar-se-á quase incomportável. A agricultura irá para as cidades, invadirá os apartamentos.

Cursos de papel e caneta
O baixo custo por aluno associado a cursos como História, Filosofia, Sociologia e formação de professores, entre outros, levou à formação de um número excessivo de profissionais nestas áreas. Eles continuam a ser obviamente necessários, mas o mercado está saturado. Os cursos demasiados especializados também vão sair de moda.

Os velhos produtos
Motores a gasolina [ter um carro a gasolina é estar "out" e ser irresponsável]; reality shows [este "voyeurismo" da sociedade vai estar "fora". Virá outro]; paraísos artificiais tipo Dubay [no cool anymore]; determinismo [não às teorias cartesianas e explicações fechadas]; facebook [Vão existir outras redes. Não as de um "personal reality show"].

Europa, velha Europa
Com uma pirâmide etária envelhecida, a Europa vai perder peso político e económico na cena internacional e defrontar-se-á com crescentes problemas para financiar a Segurança Social. O mesmo destino terá o Japão.

Domínio liberal sobre o pensamento económico
O domínio quase exclusivo dos académicos e do pensamento liberal sobre o pensamento económico terá chegado ao fim com esta crise. As imperfeições e limitações dos modelos e dos mercados exigirão abordagens mais pragmáticas.

Canais de TV generalistas
Os canais de televisão que tentam agradar a todos os públicos vão continuar a emagrecer, face à diversidade disponível em todos os meios de comunicação e na Internet.

A falta de qualidade
Num mundo em que vamos estar com a nossa atenção muito dividida, um novo valor vai emergir - a qualidade. Ela será determinante para consagrar produtos para públicos cada vez mais específicos. A ligação da qualidade às audiências e à captação de publicidade será determinante no novo modelo de produtos de media que chegará na próxima década.

Não fazer nada
As alterações climáticas representam um desafio para a humanidade. Sem a acção de todos - governos, empresas e cidadãos - poderemos assistir a um agravamento da situação ambiental. Sem um acordo internacional, podemos ainda registar uma deterioração das relações internacionais, que afectaria todos os regimes, incluindo o comércio internacional.

Desperdício
O desperdício vai estar "out" durante a próxima década. A mudança do padrão energético vai levar a um aumento dos preços da energia, o que levará, obrigatoriamente, a uma maior racionalidade e a um menor desperdício.


Tendo em conta, pois, o deve / haver destas previsões, temos ou não temos razões para estar optimistas para os novos tempos que aí vem? Eu penso que sim. Leiam o artigo completo, aqui.

Na imagem, o cartaz do filme "2010" de Peter Hyams.






You may also like

5 comentários:

Anónimo disse...

kubrick realizou 2001. 2010 é de Peter Hyams. O primeiro - filme e realizador - nao se compara ao segundo.gato esteves.

JB disse...

Tens razão! Que gaffe... obrigado pela retificação! Agora, esclarece, o do Kubrick é melhor ou pior que o do Hyams?

Ivan Santos disse...

JB não pude deixar de sentir um certo "arrepio" e uma angustia enquanto lia os "in's" e os "out's"...!!!
um filme a uma velocidade estonteante...passava na minha frente a cada paragráfo...!!!

Anónimo disse...

ui! melhor! nem ha comparação. gato esteves.

Virgílio Brandão disse...

João... nem se comparam! Aliás, para muitos, "2001 Uma Odisseia no Espaço" é um dos filmes mais importantes da História do cinema. No que concordo, sem reservas. Para muitos outros, ainda, é "O Filme". Aqui tenho as minhas reservas - pois ainda não vi tudo, felizmente.

Agora, uma coisa é certa (e sou um maniaco da ficção cientifica): é, para mim, o melhor filme de ficção ciêntifica da história do cinema ("Gattaca" e "Dune" - pelas mensagens que transportam seguem-no).

Sobre os in e os out... digo como Cândido ao Mestre Pangloss: "continuemos a cultivar o nosso jardim."
Abraço fraterno