Explicação (Post 500)

19 Comments




          Aqui está a minha vida.
          Esta areia tão clara com desenhos de andar
          dedicados ao vento.

          Aqui está minha voz,
          esta concha vazia, sombra de som
          curtindo seu próprio lamento
          Aqui está minha dor,
          este coral quebrado,
          sobrevivendo ao seu patético momento.

          Aqui está minha herança,
          este mar solitário
          que de um lado era amor e, de outro, esquecimento.

          Cecília Meireles


Nota: este é o post número 500 do Café Margoso. A efeméride só poderia ser assinalada assim. Com a poesia da palavra e da imagem. Obrigado a todos.




You may also like

19 comentários:

Cesar Schofield Cardoso disse...

John, my friend, happy 500th post!

Para mim, a bloguidade crioula tem um ante-johnwhite e um post-johnwhite (e tem johnwhite-posts).

Long life to Margoso Coffe
César

João Branco disse...

Grande César, a modéstia, que não a falsa, faz-me discordar, mas a gerência agradece o piropo. Abraço biandesco! JB

Catarina disse...

Muitos parabéns, mesmo! E que venham mais 500!

João Branco disse...

Vou tentar, Catarina. Se a clientela continuar com este speed, vou ter que aguentar o ritmo da coisa. Coisas que a cafeína tece...

Teatrakacia disse...

'Muitos parabéns, mesmo! E que venham mais 500!' Catarina dixit. Como tenho estado um bocado afastado... só me dou o direito de 'plagear'
Fonseca

João Branco disse...

Sem querer parecer mal agradecido: e o poema (um hino)... e a imagem (um deslumbro). Ninguém comenta?

moreia disse...

Mesmo se sou às vezes uma chata e teimosa, gosto do teu café preto ou com um pingo de leite. Obrigada João.

Abraços verdes.

Kuskas disse...

Joaõ.
O poema é mesmo muito lindo.
Serviu como uma luva ao meu estado de espirito do momento.

Parabens pelos 500 post

Vou passar a ler mais Cecilia Meireles

João Branco disse...

Moreia e Kuskas, obrigado pela fidelidade. Kuskas, a poesia da Cecilia Meireles é divina. Há muitos mais, do nivel deste post.

Virgílio Brandão disse...

Go on, João.

A última parte deste poema lembra-me um outro poema (uma mulher sentada entre o amante e o marido - de um lado tinha a face ruborizada; do outro, branca como a cal) de um dos meus livros e poetas preferidos (O Louco, de Khalil Gibrain).

Ah, as mulheres!... São por natureza assim, deve ser por isso que nos fazem andar com a cabeça em roda viva.

Abraço fraterno
Virgílio

João Branco disse...

Thanks Virgilio. Vou procurar saber mais desse poeta. Abr.

Catarina Cardoso disse...

Bravo João!!!!!



Um abraço expectante pelos próximos 500!

João Branco disse...

Obrigado, Catarina. Com clientes como tu, motivação neste café é coisa que não vai faltar!

Sisi disse...

PARABÉNS!!! e obrigado nós, por nos deliciares com os seus posts sempre muito interessantes, com muita informação, bom humor, poesia e cultura.

João Branco disse...

Obrigado, Sisi, pela fidelidade e participação activa!

MYA disse...

E tudo isto suspenso por um fio? Porkê?

João Branco disse...

Eu sei que isto vai te parecer assim meio lugar comum, mas cá vai: porque a própria vida está, ela também, suspensa por um fio.

MYA disse...

Mas nao faz parte da tua personalidade o "viver por um fio". A tua personalidade é mais "corda bamba"... os pés estao ASSENTES e nao SUSPENSOS.
Daí a "vida por um fio" nao ter sido aceite pelos meus neuronios

João Branco disse...

E os teus neurónios, desta vez, estão certos...