Romance Fragmentado 02

6 Comments



Quero-te contar, mas tens que estar preparado, não é nenhum conto de fadas nem nenhuma estórea de encantar, sabes, a minha vida toda tem sido um inferno na terra, quantas vezes não tive a tentação de mergulhar por este mar adentro para de lá não sair nunca mais, abandonar o meu corpo oprimido nestas águas quentes, quero lá saber o que depois poderia acontecer, por mim o melhor era nunca mais me encontrarem, ser devorada por algum tubarão furtivo, não deixar qualquer pista sobre o meu possível paradeiro, desaparecer, sumir de uma vez para sempre, daqui e de qualquer outro lugar. Fugir porquê. Não é fugir, não percebes, é apagar-me, ser consumida por esta água, ou mesmo por este ar rarefeito, por esta terra seca ou por algum fogo impiedoso, não deixar da minha passagem pelo mundo dos vivos qualquer sinal que não seja a minha certidão de nascimento no registo notarial ou as fotografias dos primeiros meses, quando ainda era feliz, mas demasiado nova para disso tirar algum proveito. É tarde demais para querer passar por este mundo sem mácula, sabes, estás tão presente para mim, se tu fores por esse mar afora é como se levásses uma importante parte do meu ser contigo, lembra-te que agora não estás sózinha.


Ilustração: «Waiting» by SofiG
Via: Jumento




You may also like

6 comentários:

Kaustika disse...

Passaste-te ?

João Branco disse...

Sim

Catarina disse...

Que não seja assim tão fragmentado, tá? Dia sim-dia-não pode ser? para quando o próximo?

João Branco disse...

De quando em quando, ao sabor das marés e das noites de lua cheia. Pode ser?

Catarina disse...

Pode...

João Branco disse...

Catarina, o próximo fragmento vai dedicado a ti. Não digas a ninguém...