O melhor café do Mundo

2 Comments


A nossa basofaria crioula não deixa margens para dúvidas: o Café do Fogo é o melhor café do Mundo. Graças ao Djinho fiquei a saber que já foi premiado internacionalmente e encontrei estas informações. Quem provou, não esquece. É o meu caso.

O que sabemos do Café do Fogo?

O Café do Fogo, é cultivado numa vasta área no concelho dos Mosteiros, ilha do Fogo, e desenvolve-se nas zonas mais húmidas da região, sendo hoje considerado «um dos melhores do mundo». A introdução do café, pensa-se que ocorreu no século XVIII quando da criação do margadio de Monte Queimado no Concelho dos Mosteiros, pelo seu primeiro proprietário, Pedro Fidalgo de Andrade.

A fama do café começou a galgar as terras da província de Cabo Verde, na altura província ultramarina, para depois chegar a Portugal continente. O café era o produto de ultramar português de máxima categoria e de grande influência na balança comercial do arquipelago.

É na terra úbere (fertil) onde o café encontra as melhores condições climatéricas para o seu desenvolvimento e sua frutificação. Do grão da nobre rubiácea, tratado por processos artesanais e mecanicos surgem dois tipos de café: Moka e primeira qualidade.

A totalidade da produção é maioritariamente cultivada a uma altitude que varia entre os 350 e os 1000 metros acima do nível do mar. a qualidade superior deste café deve-se em grande parte as condições de cultivo do grosso da produção. Os pés de café foram plantados no solo inóspito (que apresenta más condições para a vida do homem) e vulcanico das encostas do vulcão, cultivado de uma forma rica em materia orgânica.

O Café do Fogo, Monte Queimado, arrecadou primeiro e segundo prémios da exposição agricola da Praia em 1917 e 1918, Medalha de ouro da exposição colonial do Porto em 1934, além de participação na grande exposição na India Portuguesa em 1954.

Fonte: aqui

Imagem: o Café do Fogo segundo o Desenhador do Quotidiano





You may also like

2 comentários:

Anónimo disse...

Onde estão as FONTES? PLAGIO!!!

JB disse...

Olha as fontes aí! Sinceramente...