O mais que perfeito

17 Comments



          Ah quem me dera ir-me
          Contigo agora
          A um horizonte firme
          Como um embora

          Ah quem me dera amar-te
          Sem mais ciúmes
          De alguém em algum lugar
          Que nem presumes

          Ah quem me dera ver-te
          Sempre ao meu lado
          Sem precisar dizer-te
          Jamais cuidado

          Ah quem me dera ter-te
          Como a um lugar
          Plantado num chão verde
          Para eu morar-te

          Ah quem me dera ter-te
          Morar-te até morrer-te!


          Vinicius de Moraes


Imagem: Norah Jones e Judi Law, em «My Blueberry Nights»





You may also like

17 comentários:

Kuskas disse...

João
só para te dizer que "roubei-te" este poema e enviei para a especial pessoal que faz meu coração ficar quente e que quando me abraça, sinto-o literalmente a entrar pelos meus ossos adentro...

Abraço e bom fim de semana

neulopes disse...

Além de ter uma voz que me faz ficar todo derretido e uma beleza que me faz acreditar que Deus existe , mas se calhar o Diabo é que fez a mulher (pela tentação...), esse beijo vai entrar na história dos beijos do cinema. Será que vai deixar para trás aquela famosa cena em "Casablanca"?
Não dá para dizer "God bless you!". Só me vem à cabeça "What a hell, Miss Jones!!!"

João Branco disse...

Nem mais, Neu!

Alex disse...

Confessa lá de onde é que te veio a ideia de associares a foto ao poema (ou vice-versa)? É importante! É que até parece que o Viniciu viu o filme (não fosse o poema anterior), ou então, que o Wai Wong leu o poema. Porra meu, eu acredito em coincidências, mas esta... O poema seria "quase" um belíssimo comentário ao filme. Daí o meu interesse. Obra do acaso? No lo creo!
Já vi o filme. Mas já são 02:00 e amanhã trabalho!
O comment ao filme virá no post seguinte, mas, talvez, só amanhã.
Abç's
ZC

João Branco disse...

Olha, o destino, ou as energias cósmicas, ou como lhe quisermos chamar, tem de facto destas coisas. Conhecia o poema, fiquei a conhecer a imagem quando pesquisei sobre o filme, e percebi que eram almas gémeas. Ficou bem.

Kaustika disse...

E o poema vai para kem ... (Joao) ?

João Branco disse...

Este pode ser para ti... Pela fidelidade ao margoso!

Kaustika disse...

Estiveste bem Gato, muito bem mesmo
1:0 a teu favor.
Estou curvada em forma de vénia!!

João Branco disse...

Se te curvas perante a resposta, eu curvo-me perante a(s) tua(s) curvatura, para que possamos ficar numa situação em que os olhos se possam encontrar. E assim comunicar...

Kaustika disse...

quando saires da tua janela
que em espera curvada te manténs
acredita que os olhos dela
têem capturados muitos reféns

nao sao o melhor para comunicar
e curvado, tu nao podes ficar
aproveita - lê o que ela escrever
é muito mais seguro, podes crer

este soneto é-te dedicado
inédito e acabado de nascer
nao sejas pois malcriado

escreve um bem estruturado
acredita, vai gostar de ler
sais em grande e nao curvado



P.S.: Sao muitas e 25 minutos da madrugada e passo-te os Direitos de Autor.
Ja agora, intitula tu o soneto, ó Gato. eheh

kaustika disse...

Então ??
Ficaste sem palavras, ideias ou traumatizei-te ou ainda tas a babar ??

Ja sei. O teu forte é prosa, nao poesia.

Mas ao menos podias dar um titulo à coisa. Anda lá. Nao sejas dificil. Mostra o que vales. EhEh

Tas proibido de intitular isto como: Elefante versus Porcelana

João Branco disse...

«Na curvatura dum olhar»

MYA disse...

Extremamente geometrico o titulo.
tsc tsc

João Branco disse...

Olha que não sei. Tendo em conta que demoraste quase dois meses para dar esta resposta...hehe

MYA disse...

So vi o teu comment na data da minha resposta. Fora a demora, tens aí o olhar real em curvatura... eheheh

João Branco disse...

E que bem que te fica!

MYA disse...

Thanks gato.