Liberdade de Imprensa

16 Comments



Hoje, dia 03 de Maio, é
Dia Mundial da
Liberdade de Impensa


De acordo com o mais recente estudo da Freedom House, um grupo de reflexão americano sobre o jornalismo e a liberdade da imprensa, apenas 18 por cento da população do mundo tem acesso a uma imprensa livre. Este relatório anual sobre a liberdade da imprensa faz um análise ao conteúdo que é impresso, radiodifundido e do jornalismo online com relação ao enquadramento político e legislativo de cada país e às pressões políticas e económicas que podem ter impacto em organizações noticiosas. Segundo o relatório, o nível de liberdade de imprensa piorou em 2007 pelo sexto consecutivo.

Para a Freedom House, Cabo Verde tem um "score" de 28 pontos (Portugal, por exemplo, tem 16; o Senegal, 49; Os EUA, 17), o que é uma boa pontuação considerando o panorama mediático em África. Para esta instituição, m Cabo Verde, a auto-censura é um dos maiores obstáculos a que Cabo Verde tenha uma verdadeira liberdade de imprensa.

Fonte: Notas de Café e A Semana

Site do Freedom House, aqui




You may also like

16 comentários:

Teatrakacia disse...

A auto-censura não se implantou por acaso no nosso jornalismo. Tem a ver com a história da nossa jovem existência como país independente... e colonizado! Já em 1992, fazia parte do relatório da Freedom Watch. Mas quero crer, e vou sentindo isso mesmo (felizmente!), que a pouco e pouco vai-se 'esvaindo'... sobretudo com 'sangue novo' na classe. Assim seja!

João Branco disse...

Fala quem sabe! Bali, Fonseca Tchá!

neulopes disse...

E com a formação de jornalistas em 15 dias...
Fala sério. Assim, posso até dizer que sou jornalista a serviço da SARRON.COM
De qualquer forma, há jornalistas aqui a quem se deve muito respeito tirar o chapéu.
Pena que a censura e a manipulação também façam parte dessa nossa realidade jornalística que, às vezes, salta bem a olho nú.
Mas não acredito que sejamos um país em que não haja liberdade de expressão. Caso contrário este blog talvez nem sequer existisse, nem o da hiena, do kisó (que está em blackout) e muitos mais por aí.
Acho até que, por vezes, há falta de atrevimento dos jornalistas. Muitos até ficam à espera que a notícia chegue a eles. Nada tão difícil num país cheio de sol - tem bonê pa tude lóde.
À classe jornalística, mais profissionalismo, menos imitação e basofaria e que tenham os melhores colegas como exemplos.

Desculpem lá, mas este café vai mesmo se açucar, para que lhe tomem o gosto.

João Branco disse...

Neu, nem é preciso ir muito longe. Os exemplos que te dou não devem ser considerados criticas aos autores, mas são significativos. O blogue do Kizó parou porquê? Porque ele não tinha papas na lingua e acabou por pagar o preço. O Hiena, ninguém sabe quem é e ele próprio já fez questão de referir no seu blogue que os seus post's «são fição e qualquer semelhança com a realidade são pura coincidência». O anonimato do Hiena é que lhe permite ele fazer o humor que tem feito, e muito bem feito. Se soubessem quem é realmente aquela pessoa, o que poderia acontecer? Pergunto eu!

Kuskas disse...

João
uma vez em um debate na TCV sobre comunicação social, um dos jornalistas disse aquela que é a MAIOR verdade sobre a auto-censura. Passo a citar" para mim o que existe no jornalismo em CV não é auto-censura, É falta de COMPETENCIA e de profissionalismo. Os nossos jornalistas principamente aqueles dos órgãos públicos, utilizam a capa de autocensura para esconder as suas incapacidades e falta de competencia em várias matérias."

Podes crer que isso é a verdade.

João Branco disse...

Kuskas, o Neu também já abordou esse aspecto, mas eu tenho algumas dificuldades em lidar com generalizações, sempre perigosas quanto injustas. Conheço em Cabo Verde vários jornalistas competentes e sérios, outros imcompetentes e pouco profissionais, outros que vão para onde a corrente os levar. Há de tudo, como penso que há de tudo em quase todas as classes profissionais. Abr.

moreia pintada disse...

Bô trá quel "R" de propósite João? ;o)

João Branco disse...

Un ka entendê... ondé ke k'el err smi?

Kuskas disse...

João
Eu tambem conheço e sei que existem grandes jornalistas competentes e sérios, mas uma boa parte infelizmente, esconde-se atrás da auto-censura para não fazerem o seu trabalho a sério e com responsabilidade.
Qtas vezes já experimentei dar info não 100% correctas a jornalistas, para ver se ao menos se davam ao trabalho de irem no google ou outra fonte pesquisar e confirmar os dados, e no fim ver que chaparam as info tal e qual as dei???
uma coisa que ensinam na escola de jornalismo é SEMPRE checar as fontes ....
abr

João Branco disse...

Eu sei, Kuskas. Também já passei por isso. Mais vezes do que desejaria...

Anónimo disse...

liberdade = chiclete mal mascado e com muita açucar ... um gorila sem embrulho

João Branco disse...

Anónimo, não entendi essa...

Anónimo disse...

Informação não comprovada e mal tratada = liberdade de imprensa de cabo verde

João Branco disse...

É impressão minha ou anda aqui pessoal muito zangado com a malta da comunicação social? Como eu disse, nem tanto ou mar nem tanto há terra. Há bons e maus jornalistas, como em qualquer outra categoria profissional. Digo eu.

Anónimo disse...

há mais maus do que bons...que não posso dizer o mesmo dos Enfermeiros

João Branco disse...

Não tenho essa estatística... Mas estou convencido que os próprios elementos de cada classe profissional sabem muito bem onde estão os «podres» da sua profissão. Por isso penso que a luta contra a mediocridade em cada profissão deve começar dentro de «casa». Sendo certo que muitos continuam assobiando para o lado, como se não tivessem nada a ver com o assunto...