Café Concerto

11 Comments

Um conjunto de gente interessante,
vai(-se) expôr e mostrar,
do que é feita a sua arte!


Ou a questão da arte contemporânea. Ou a questão da cultura urbana. Este grupo de pessoas não será certamente o único, mas será um dos que mais tem falado sobre o assunto. São no mínimo um grupo, o que implica identificação e vontade de colaboração. As ideias que circulam por este grupo de pessoas vêm se consolidando desde Praia.Mov 2006 e em mais outras intervenções individuais.

A cada um desses artistas foi pedido que participassem nesta exposição, onde é "proibida" a representação do mar e do céu; a ideia é voltar o olhar para dentro da cidade e das suas texturas. Participam na mostra:

  • Abraão Vicente, um dos rebeldes desta nova vaga, traz a sua linguagem exploratória, desta vez tridimensional.
  • Albertino Silva, conhecido pelas suas esculturas de sapatos, explorou novos materiais.
  • Baluka Brazão, que fez a sua 1ª expo há dias, traz o seu olhar fotográfico.
  • César Schofield Cardoso, atreve-se a mostrar arte plástica, que sempre esteve na base do seu trabalho.
  • Hélder Paz Monteiro, mestre da composição. Um fotógrafo absolutamente essencial para este novo olhar.
  • Soizic, uma francesa que vive na Praia e que faz poesia com a colagem de cartão e pintura.
  • WValente, fotógrafo brasileiro profissional, aceitou mostrar o seu lado artístico e crítico.
  • Zeca, o bailarino dos Raiz di Polon, ferreiro de profissão e escultor de coração.


A palavra de ordem é «exploração». É pedida qualidade de execução. Mas é pedido sobretudo sentido de busca, critica, partilha e encontro. Arte contemporânea, cada um tem a sua; vamos encontrar a nossa.

Vamos ver, ouvir & comentar!

Horário: abertura, dia 30 de Maio, às 19:00
Local: Fundação Amilcar Cabral, Praia

Fonte: bianda




You may also like

11 comentários:

Dundu disse...

Independentemente do que vai-se expor, seu valor como obra de arte ou não, essa coisa de reunir gente jovem, interessada e/ou interessante, tem algo de positivo, que me agrada e apoio.
É que, alem da (nobre) INTENÇÃO, sempre fica a (contagiante) MOTIVAÇÃO.

As consequências disso tudo?? O tempo dirá.

Força ao grupo

Cesar Schofield Cardoso disse...

Obrigado pela força. Um dia cruzamos Mindelact e Praia.Mov, que resultará num CoisaFixe.Mov

Abraço
César

João Branco disse...

Dundu, só acontecer já é obra. Sobre a obra propriamente dita, há que vê-la com olhos de ver. Mas um dia ainda escrevo sobre a tal «arte contemporãnea» que temos (?) aqui no Mindelo. Onde estão os novos valores, os fotógrafos, os «experimentadores» do Barlavento? A cidade capital mostra vanguarda e na vanguarda está, com iniciativas como essa.

Cesar: podes crer, mas nem vai ser preciso. Tu vais estar, o Abraão vai estar, vamos fazer coisas fixes aqui, em Setembro! Aquele abraço!

Anónimo disse...

Cuidado João com estes comentários...pode-se achar que a tua vinda à Praia está a te fazer mal... :)

Fico à espera deste texto teu.

Djinho

João Branco disse...

Nem que seja por isso, Djinho! Isso foi um convite para mais uma visita? hehe

Anónimo disse...

Sabes que já está convidado para passares aqui 3 meses e arrancares com o PraiaAct. Se funcionou lá é porque aqui tbem vai.

A matéria prima é a mesma. O criolo.
O que tem sido diferente é a vontade e a liderança. topas?

Djinho

João Branco disse...

Djinho, tu não me metas em sarilhos! Olha que eu convido o Cesar, Abraão, Jota, Bakula e o resto do pessoal para virem todos para o Mindelo! hehe

Cesar Schofield Cardoso disse...

Acho que ninguém reparou: temos aqui na Praia um dos maiores valores do teatro CV: Jota!!! O gajo, para além de excelente actor, é uma pessoa com um cultura incrível e, provou, é um encenador do caraças! Mindelo precisa de João Branco, que iniciou o Jota, que agora o temos cá, mas...fazemos o quê com isso?

Ninguém reparou: Jota ministrou um curso de teatro durante 1 ano, formou um punhado de jovens em novos conceitos do teatro, no final montaram um peça lindíssima, depois, já fora do curso, fez "Quem vai ser esta noite?", uma peça de uma qualidade notável e montou em 2007 "A cidade é uma beleza", um espectáculo muito bonito. Que precisamos mais para arrancar? No entanto, Jota, pai de uma (linda) bébé, a viver na Praia (acreditem pessoal de S.Vicente, aqui a coisa é dura!!!), o homem precisa sobreviver, por isso trabalha na ASA, vejam lá isso!!

E mais: S.Vicente tem esta maravilha que é o Mindelct, graças ao génio do JB e de outras pessoas incríveis (Bety, Sílvia, Neu e tantos outros), mas graças também ao mecenato da Coop. Portuguesa. E mecenato nacional, onde está? Se eu fosse Min.da Cultura, contratava imediatamente o Jota, dava-lhe um salário BOM (porque há gente dentro do min. a ganhar isso de graça) e dava-lhe como missão levantar o teatro na Praia. É DIFÍCIL?!!!

João Branco disse...

Olha, já perceberam porque é importante um gajo como o César vir aqui ao Margoso de vez em quando? Para dizer coisas como estas! A verdade é que não há problemas de pessoas para se fazerem as coisas bem feitas; o problema é que a maioria das pessoas anda a fazer o que pior sabe fazer e o que mais detesta fazer, quando o país teria muito a ganhar se colocassem as pessoas que mais sabem de certos assuntos a trabalhar nesses mesmos assuntos. Anda tudo trocado de lugar. Certamente que há muita gente aí na Praia, inclusivé no MC que pode fazer o trabalho chato, burocrático, anti-criativo que o Jota anda a fazer no aeroporto da Praia, mas não há quem, como ele, possa pegar o teatro pelos colarinhos e fazê-lo andar. E não é só neste caso!

Porra, tanta gente boa, talentosa, com vontade de realizar, criar, experimentar, debater... Isto tem que dar uma grande volta, não é César?

Anónimo disse...

Vamos ver, ouvir & comentar!
...
Será que ninguém viu, ou quem viu não se atreve a comentar ?

Estranhamente, ou não, veio-me à memória o que falou e foi citado por aqui, a menina Margarida dos Pedaços de Mim em http://cronicasdemimparamim.blogspot.com/2008/05/arte-ou-outra-coisa-qualquer.html
fernandot

Katy disse...

A exposição está muito linda, com uma mensagem muito forte e de muito talento.
Como sempre houve uma “enchente” no primeiro dia, mas nos outros dias a sala está completamente vazia (o horário não ajuda) mas também a gente da nossa terra ainda não tem o hábito nem o interesse de ir as exposições.

Precisamos de um crítico de arte para falar de cada artista da exposição … será que temos aqui no Margoso????