O Bailarino Margoso

15 Comments




Digam o que disserem, sou eu mesmo. Fiz ballet clássico durante 5 anos. Era o único rapaz numa escola privada com mais de 500 meninas. Por ser o único rapaz, não tinha que pagar as altas propinas. Ali passei dos melhores momentos da minha infância. Conhecem o filme, «Billy Elliot»? Era mais ou menos assim. Só que lá em casa ninguém me obrigava a treinar boxe nem eu era nascido para dançar, como o protagonista do filme.

Nos espectáculos no final de cada ano lectivo, punham-me sempre a dançar um pas-de-trois, com uma loira (Mafalda) de um lado, e uma morena (Isabel), do outro. Enfim, a fantasia de qualquer macho que se preze. E como se pode ver pelas imagens, deu para grandes momentos. Como este solo, em pleno palco do Teatro S. João, rodeado de meninas por todos os lados! Nunca mais lhe perdi o gosto...


...pela dança, pela dança!




You may also like

15 comentários:

neulopes disse...

João, eu tb com esse corpão já fui bailarino. Dancei afro, música tradicional cabo-verdiana, jazz e rock n'roll. Mas "já bô trám' na calçada" com essa pose de bailarino clássico. Amei!
Abraço

João Branco disse...

E que posse, hã, Neu, que posse! Já não se fazem bailarinos como um vez...

Eileen disse...

Amôsh! Que fofinho, o João com tendência ruiva! E que diferente, o João de hoje em dia... (na dança, na dança!) hahaah

João Branco disse...

Eileen, na dança continuo um mimo! hehe

Sisi disse...

heheheh...lindo!! Deve ter sido uma experiência mto gira, tanto pela dança em si como pelo convívio com as meninas, tendo em conta que eras o único rapaz.

João Branco disse...

Sisi, dava para escrever um livro. Quem sabe, um dia...

Kuskas disse...

olá João
Muito giro tu a dançar balé....
ainda ontem (feriado na capital) estava eu a assistir as 12 princesas e em uma das cenas, onde estão as 12 beldades a dançar no fabuloso jardim, peguei minha filhota pelas mãos e ficamos a dançar pela sala, eu recordando meus idos tempos de dançarina classica no liceu "bedje"(ahahah) e "contemporanea" no liceu novo...
vendo bem as coisas, acho que dancei com o Neu ( se for o mesmo) ...

naquela época, dançar era dançar mesmo e não "esfregar"....

gicas disse...

Desconhecia esses teus dotes de bailarino clássico na infância! Qual era a sensação de vestir aqueles collants justinhos???

João Branco disse...

Kuskas: um dia destes fazemos uma festa aqui para recordar esses tempos!

Gicas: muito boa. E não eram só os collants. Sabias que os homens usam uns truços especiais para fazer o «coiso» maior do que realmente é? hehe Portanto, já sabem, cuidado com as aparências!

Alex disse...

Agora percebo a tua sobranceria à Poligamia. Falas de barriga cheia. Lá dizia o meu avô, "Quem não come por ter comido...", eh,eh,eh,!!!

Com que então gostavas de 'menage-à-trois', perdão, de pás-de-trois, não é, seu maganão?

Abç's
ZC

João Branco disse...

Zc, isto é um pouco como a história do Obelix. Cai no caldeirão (de meninas) quando era pequeno, e agora, nem pensar em meter-me nisso, sem colocar a própria vida - e sanidade - em perigo... hehehe

neulopes disse...

A propósito de dança a SARRON.COM vai organizar uma festa "funkytown" depois da nossa estreia, relembrendo os bons tempos dos anos 70 e 80 do Tarzanboy, Sandra, Modern Talking, Chic, Images, Sabrina, Bad Boys Blue, Samantha Fox e outros mais.
Também para relembrar os Apolos, Tam Tam 2000, Mário Pop, Sun Of Cap e outros crioulos. Estão desde já convidados. Traje obrigatório e prémio para quem conseguir fazer lembrar o Travolta em "Saturday Night Fever".
Não há espaço para xuinga nem crazy glue.
Falei e disse!

João Branco disse...

FIXE!

Teatrakacia disse...

Dançar para o crioulo, penso e sempre o senti - pelo menos no meu tempo - tem duas vertentes, bem distintas:
1 - Dançar o mais colado e parado possível (ou deixado pela dama que mexe connosco). Não com todas, mas com aquelas potenciais futuras namoradas...
2 - Dançar pelo gosto da dança. Não com todas, porque há umas que tornam horríveis os minutos duma peça de dança...
Não necessáriamente a pensar 'naquilo' como se escreveu aqui. E acho que - hoje - continua a ser assim. Só que, por falta de espaço, o possível é ficar parado, e só dançar com as ancas...
Tchá
(hahaha)

João Branco disse...

Tchá, parece-me que isto está no lugar errado. É a resposta à cafeana da dança. Vou colocá-la lá, com a devida assinatura...