Declaração Cafeana

6 Comments


Confesso: cruzei-me com este comentário só agora. A propósito dos Anónimos, que defendi sempre que o merecem e tenho tratado tão bem aqui no Café Margoso. Por mim, estou na mesma: há anónimos criadores e há anónimos cobardes. Ou melhor, há criadores e há cobardes. Dar a cara não pode ser, apenas, sinónimo de «querer aparecer»! Num país onde poucos tem coragem de dizer o que realmente pensam, se começarmos a concluir que «o gajo é assim porque tem manias, gosta de aparecer», etc. e tal, estamos lixados!

O César Schofield foi atacado (está a ser atacado) por causa disso. É «demasiado pessimista». É «arrogante». Tem a mania que «é medjor ke tu gent». Façam-me o favor! Tomara termos muitos como ele. E em relação ao tal comentário, que publico aqui com alguns meses de atraso, é para que saibam que eu sei que vocês sabem que eu, como intruso, nunca poderia ter a pretensão de conhecer a alma deste povo.

«Ele não percebe que alguém que cria um pseudonimo, é em primeiro lugar um criador, um artista, e em segundo tem também as suas razões, que podem ser precisamente contrarias às suas que têm a ver com a ânsia de protagonismo; sim João Branco, eu por exemplo escolhi este pseudonimo que fecha este textinho, precisamente porque não quero protagonismos, não quero ser mais famoso do que aquilo que ja sou; quero participar, como um pobre coitado que ninguém conhece, um comum mortal, um pescador anonimo da Ponta de Praia da minha Ilha Soncente, que pelos vistos ainda o João não conheceu a alma e que nunca conhecerá porque intruso. Al Binda»

Louvado sejam os Anónimos deste país!




You may also like

6 comentários:

Anónimo disse...

porquê que não falas dos bons anónimos que têm enriquecido o blog ...

João Branco disse...

Desculpa lá, mas não é disso mesmo que se trata? Lê bem o que está escrito, por favor. Dos Anonimos criadores. Que sempre tratei bem aqui no Café Margoso, etc. etc.

Se os Anónimos não tivessem enriquecido o Café Margoso, não eram publicados, simples.

Anónimo disse...

Muito se tem falado do Cesar, do Abrão e outros. Eles tem uma boa visibilidade na comunicação social, escrevem nos jornais, possuem um blog, são dedicados post para eles em outros blog ... etc, etc.

Pouco se tem falado de outros artistas, que no silêncio dos seus ateliers, criam a sua arte, é isso que sabem fazer, não sabem escrever crónicas nos jornais nem nos blogs

Pouco se fala dos artistas, das pessoas que estão a desenvolver o Projecto de Porto Madeira na ilha de Santiago.

Porque será que em Cabo Verde, somente os que se encontram dentro de um circulo de amigos são conhecidos.

Abraço

João Branco disse...

Anónimo, penso que o teu comentário é injustificado e precipitado.

1º O trabalho que tem sido feito no exemplo que deste é, por acaso, bem conhecido pela boa divulgação de que tem sido alvo na nossa comunicação social;

2º Se há artistas no silêncio dos seus ateliers, isso é opção deles. E eu conheço muitos que são pouco falados e são do melhor que há em Cabo Verde. Quantas vezes por ano se fala ou se ouve ou se lê sobre um Manuel Figueira, por exemplo?

3º A coisa mais facil no mundo hoje é ter e manter um blog. Ou mesmo um site. Há profissionais que o podem fazer, da mesma forma que há contabilistas que colocam as contas de uma empresa em ordem. Ou pode-se fazer sem sair de casa, com uma lição de meia hora.

4º Sendo assim, esse «ciclo de amigos» é como qualquer outro, mas aberto onde qualquer um pode entrar. Só não anda por aqui quem não quer, acredita.

5º A prova disso mesmo é que há uns anos atrás ninguém sabia quem era o Cesar ou o Abraão e hoje toda a gente os conhece. Amanhã, outros virão, serão conhecidos (dar-se-ão a conhecer), farão pela vida, e no final, a qualidade do seu trabalho falará mais alto, acredito profundamente nisso.

6º Um blog é pessoal e intransmissivel. Essa é uma das suas caracteristicas mais interessantes. É a cara de quem o promove, de quem nele escreve. É a nossa casa virtual. Aberta para o mundo. Sendo assim, estamos no direito de falar do que quisermos, de quem quisermos, quando muito bem entendermos. Quem não gostar que deixe de visitar. É muito simples, na realidade. E extremamente democrático!

Mesmo sabendo que esse comentário pode ter sido colocado com a melhor das intenções, é esta a minha opinião.

E ninguém tem que me dizer quais os amigos que posso ter e quais os que não posso ter.

Abraço fraterno

Anónimo disse...

O post é dirigido para os anónimos famosos. E eu falei sobre os Artistas Anónimos e que tem feito um bom trabalho e não são Famosos, acho que o meu comentário não era injustificado e precipitado.
Não coloquei a questão de quem e de quê que podes falar no teu blog, simplesmente falei de uma realidade cabo verdiana

Abraço Anónimo

João Branco disse...

Anónimo, continuas a falar de algo como se fosse algum tipo de discriminação, quando na verdade, como mostrei no meu comment anterior, é muito mais resultado de incapacidade ou falta de vontade própria.

Quando queremos de alguma forma mostrar e dar a conhecer o nosso trabalho, temos que ir à luta. Claro que é mais fácil colocarmo-nos no papel de vitima e dizer que é difcil entrar no «ciclo de amigos» das artes plásticas cabo-verdianas, algo que nem existe.

Mas pronto! Cada um com as suas manias...

Abraço Não Anónimo!