Aviso Margoso

7 Comments


O ritmo do Café Margoso vai diminuir um pouco e espero que me entendam. Vem aí mais uma edição do Festival Mindelact, a programação é rica e variada, como habitualmente, mas os afazeres de quem está à frente de uma organização destas são mais do que muitos.

Tentarei tudo fazer para pelo menos uma vez por dia trazer-vos coisas novas, mas se não for possivel, não fiquem zangados ou desiludidos com isso, e continuem a visitar e a participar neste estabelecimento.

Uma coisa é certa, vamos ouvir falar muito de teatro nos próximos dias. No Café Margoso e não só.

A gerência




You may also like

7 comentários:

LIGEIRINHO disse...

E por falar em teatro...


Abro a porta;
primeiro ato:
Eu criança
cavalgava um belo corcel,
a bengala de minha avó.
Nas mãos firmes, as rédeas,
uma gravata de meu avô.
Viajava longas jornadas,
do quarto para a sala.

Um passo à frente;
segundo ato:
O piano;
avó minha sentada, rezando,
era o que fazia há quinze anos;
derrame e muita paciência.
Na sala, a mesa central,
ornamentos; espora do Visconde,
jarros e flores, vela, castiçal.

Uma lágrima;
terceiro ato:
Infância;
o belo cantar dos pássaros,
na ameixeira do quintal.
O cheiro do feijão batido,
as roupas estendidas nos varais,
sempre sustentados por bambus.
Eu, criança, ali crescendo.

Um sorriso;
quarto ato:
A família;
tilintar de pesados talheres,
nas refeições comemorativas.
Muita comida, muita bebida e amor;
o bigode lambuzado de meu avô.
A correria dos netos mais novos,
o barulho no assoalho de madeira.

Casa vazia;
último ato:
Solidão;
móveis quebrados e sós;
o espelho refletindo o vazio.
Retratos de sorrisos nas molduras.
Fecho os olhos e, por um momento,
vejo tudo novamente; abro-os:
saudade, muita saudade...

LIGEIRINHO disse...

fonte.........meu amigo Amante de teatro do estado de Minas Gerais - Brasil

http://poesiassim.blogspot.com/

João Branco disse...

Que belo poema! Muito bonito mesmo...

LIGEIRINHO disse...

João, aqui continuamos queimando teatros. Snif...Snif.

João Branco disse...

Aqui nem há teatros que se queimar... vendem-se, para a especulação imobiliária, ou constroem-se campos de futebol, porque a cultura nao é prioridade...

Kuskas disse...

olá João

Estou de volta aos comentários.
Mas com muita tristeza que digo-te que as minhas sonhadas férias em setembro para poder ir ao Mindelact foram meladas :(

Mas vou acompanhar aqui pelo Margoso ou em uma televisão perto de si.

Abraços

João Branco disse...

Olá, Kuskas! Que pena não poderes estar aqui entre nós! Vou procurar ir dando novidades...