Café Actual

3 Comments


O incêndio que ocorreu ontem à noite no Mindelo e que desvastou a Interbase deve ser visto como um sério aviso à navegação. A grande sorte foi não estarmos num daqueles dias de vento, tão caracteristico da ilha de S. Vicente. Porque se assim fosse, uma grande desgraça, muito maior do que aquela que ocorreu, poderia ter acontecido. É que os armazéns que arderam ficam a poucos metros dos depósitos da Shell Cabo Verde.

Agora eu pergunto: o que será preciso acontecer para que as autoridades e quem de direito tenham consciência que o centro da cidade não é propriamente o local próprio para instalar gigantescos depósitos de combustível?

A minha grande preocupação neste momento é precisamente essa. De todos os comentários, lamentos, notícias que fui lendo sobre este acontecimento grave, ainda ninguém parece ter dado conta que podia ter sido muito, mas muito pior.

Imagem: A Semana Online




You may also like

3 comentários:

João Branco disse...

Alguém bem colocado mandou-me esta explicação e parece-me importante partilhar com o pessoal:

«Os tanques foram cá colocados nos finais de 1960 início de 1970, ainda esta area não era o centro da cidade, era apenas, continua sendo também, a area portuária. Ainda sequer tinha chegado e este mundo, viria 6 anos depois.
Os nossos tanques aguentam temperaturas elevadíssimas e estão cheios dos produtos menos inflamáveis (fuel e gasóleo) os mais inflamáveis são gasolina e jet por causa dos vapores, esses só são armazenados na Galé.
De qualquer forma concordo contigo que devemos sair daqui mas, pensemos nos milhões que serão necessários além do que para estarmos aqui pagamos taxas a Enapor (por ser area portuária) todos os meses desde o primeiro momento.

Para que acontecesse alguma coisa cá com os tanques era preciso, ex, que houvesse uma explosão tal que um estilhaço perfurasse os tanques e funcionasse como ignição.
Concordo que precisamos sair de cá mas não porque constitui um perigo eminente.»

neulopes disse...

De qualquer forma digo o seguinte.
Trabalho numa área sensível que é a segurança aérea. E aprendi desde sempre que todo o cuidado é pouco.
Há uma frase que me foi dito aquando de minha dura fase de formação - "Os acidentes não acontecem, são provocados". Ou seja são provocados pela nossa confiança de que nada vai acontecer ou é pouco provável acontecer (atenção a esse pouco), pela nossa ignorância à Natureza que não perdoa.
Temos sempre essa confiança e esquecemos que justamente o improvável pode sempre acontecer. Pela nossa segurança (que não tem preço) se há uma mínima, mesmo quase improvável hipótese de acontecer algum acidente, essa hipótese deve ser levada muito a sério e nos esquecermos do "Deus defende!".
Pensemos nisso.

João Branco disse...

E falou quem tem mais de 15 anos de experiência numa área tão sensivel como os aeroportos.