Café Comemorativo

5 Comments



23 de Setembro de 1974 - 23 de Setembro de 2008


34 anos de Zona Libertada!


«Quando por volta das 23 horas, do dia 23 de Setembro, a tropa tentou entrar na zona, encontraram todos os acessos barrados com blocos. Os activistas quebraram todas as lâmpadas da iluminação pública e lançaram uma ofensiva com cokctails molotov contra os soldados portugueses. Os protestos generalizaram-se, a ponto de alguns moradores terem ficado em terraço a vigiar e lutar contra a invasão desse bairro por esses militares do regime fascista de Portugal»

Depoimento de Jorge Alberto Brito (in Semana Online)


Por alguma razão Ribeira Bote é
o bairro mais emblemático do Mindelo


Imagem: pintura de Manuel Figueira




You may also like

5 comentários:

Anónimo disse...

"militares do regime fascista de Portugal" em 23 de Setembro de 1974- humor crioulo do melhor.

Virgílio Brandão disse...

João,
eu estava lá! Vivia na Rua 10, n´Bèra Bote... Zona libertada!

Mininim d´zona, tudo era para mim fascinante, quase, quase uma brincadeira de «sport e bandido» das telas dos saudosos cines Tuta e Eden Park.

Abraço fraterno

João Branco disse...

Anónimo, se for como os correios, o 25 de Abril também demorou a chegar a CV...

Virgilio, então sabes do que se fala quando se fala de Ribeira Bote! O bairro que, por si só, merece um romance.

Teatrakacia disse...

Nessa, nem o anónimo (com essa de humor crioulo) nem o Joâo Branco (com essa do correio atrasado) estarão próximos de compreender o porquê disso: 'invasão de militares do regime fascista de Portugal... a 23 de Setembro de 1974'. O 25 de Abril de 1974 chegou a Cabo Verde nesse mesmo dia! O que poderá ajudar a entender a 'continuação' da luta contra militares do regime fascista, é fazer a diferença entre o Continente/Metrópole e o ideal dos Capitães de Abril, por um lado, e a ideia de continuar com as terras d'além mar, com o mesmo contingente de militares do regime anterior (fascista) que de repente se viram confrontados com os pretos a quererem ser livres... a quererem tomar a 'sua terra', e coisas mais desse quilate. Não se dá a devida importância a isto, mas foi necessário no terreno manifestações dessas para 'mostrar/encaminhar' as coisas no sentido da Independência deste nosso país.
Tchá

João Branco disse...

Isso mesmo. Excelente comentário, Tchá!