Cafeína

18 Comments


«Não desanime. O homem é capaz de te trair e de te amar ao mesmo tempo. A traição do homem é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia. Não é como a da mulher. Mulher tem que admirar para trair; ter algum envolvimento. O homem só precisa de uma bunda. A mulher precisa de um motivo para trair, o homem só precisa de uma mulher.»

Arnaldo Jabor in «Traição Masculina»

Fonte: aqui


Entretanto, descobri que um estudo da Universidade de Cambridge, da Grã-Bretanha, publicado na última edição da revista «Proceedings of the Royal Society», sugere que quanto mais poligâmica é uma espécie, mais rápido os machos envelhecem e morrem. Portanto, meus caros, vocês é que sabem!

Despos de sabe, morrê ka nada?




You may also like

18 comentários:

lumadian disse...

Parece-me um racciocínio lógico.
A traição do homem é passageira e com pouca importância. Mas o problema é que não deixa de ser traição.
Quanto ao outro estudo, parece-me ter pouca credibilidade, sempre ouvi dizer que sexo faz bem ao corpo e à mente.

Anónimo disse...

E há mulheres que precisam só de um homem...tenho dito!!!

João Branco disse...

Lumadian, cuidado, não confudas quantidade com qualidade...

Anónimo, com certeza!

Anónimo disse...

ó joão... essa pergunta e essa citação já estava noutro blog... acho que te ficava bem frisá-lo...

João Branco disse...

Anónimo, aqui no Margoso sempre se citam as fontes quando os textos não são meus. Sempre. O mesmo acontece aqui onde na «fonte» tem um link directo para a página do entreaspas, blog que aliás, aprecio bastante, e onde as pessoas podem ler o texto completo. A indicação da fonte está lá, portanto penso que essa chamada de atenção, legitima se não houvesse essa referência, só foi feita por distração. Um abraço!

Catarina disse...

Bem... eu já tinha comentado esse facto, mas volto a repetir que há homens/mulheres que para trair só precisam de um@ mulher/homem e homens/mulheres que para trair precisam de um motivo... como diria o sams "somos todos farinha do mesmo saco" e o resto são construções/constrangimentos culturais que nos enfiam (homens ou mulheres) em estereótipos para legitimar ou não seja o que for...

Catarina disse...

Ainda a este propósito, li ontem um artigo interessantíssimo que tem este mote: "Se resistimos às nossas paixões, é mais pela fraqueza delas que pela nossa força."

La Rochefoucauld

para espreitar: http://www.educare.pt/educare/Opiniao.Artigo.aspx?contentid=5364305D46C517C6E04400144F16FAAE&opsel=2&channelid=0

CRA disse...

João
Acho que há um quê de não verdade quando dizem que a mulher não trai só por trair. Acho que a mulher por vezes também sente vontade de apenas dar uns beijos e alguma coisa mais com um homem apenas por parecer "gostoso". Acho que essa fragilidade não é exclusiva dos homens, normalmente a mulher é mais profunda, fruto de toda uma construção social em relação ao género feminino, mas o outro lado também existe nas mulheres embora nem sempre o admitamos.
Nude

Sisi disse...

Sou mulher mas tenho consciência que hoje em dia, há mulheres tb que só precisam de um homem e nem tanto assim de motivos. Qto aos resultados daquele estudo, é no mínimo curioso e pelos vistos veio proporcionar veracidade à frase "dpos de sab morrê ka nada".
Qto a chamada de atenção do ou da Lumadian sobre a credibilidade do estudo, discordo porque tratando de poligamia, onde as pessoas têm vários parceiros sexuais, os riscos são muitos,e o que faz bem ao corpo e a mente é sexo saudável e qto basta.

João Branco disse...

Eu queria chamar atenção para o seguinte: nem todas as citações ou textos colocados na secção «Cafeína» são imagem das opiniões do gerente do Margoso. São colocadas pelo que chamo «grau de cafeína», ou seja, um indice medido pelo interesse, polémica e capacidade de gerar boas conversas / discussões. Neste caso em particular, devo dizer que não concordo nada com esta divisão em género relativamente à infidelidade, e aqui estou com a Catarina. No fundo, depende de cada um de nós, e não do facto de sermos homens ou mulheres. Essa concepção de que «a mulher não trai por trair», ou seja que não tem vissarada no corpo suficiente para se deixar cair em tentação não colhe.

Catarina, vou espreitar o texto sim!

Nude, estou de acordo.

Sisi, quanto ao estudo é isso mesmo. Quantidade não significa qualidade, por muito que certos basofos gostem de afirmar o contrário...

CRA disse...

Ó João
Já me arrancaste umas fortes gargalhadas com "não tem vissarada no corpo suficiente para se deixar cair em tentação".
Mas é isso mesmo, esse tipo de fragilidade é inerente a raça humana que é por natureza sexual, independentemente do género.
Nude

João Branco disse...

Nem mais, que os cornos sejam irmamente distribuídos, independentemente dos gêneros! Hahaha

Kuskas disse...

ahahahahah João

Normalmente as pessoas ficam admiradas quando admito que já traí e que admiti a traição.

Admito que traí por me sentir atraida pelo homem, por puro tesão. Mas é que com o traido a relação já estava a balançar, talves por isso a razão de eu ter "olhado" para o lado.

A traição é proprio da raça humana e não tem nda a ver com a questão genero.
O que acontece é que na nossa sociedade não é nada bem aceite, "uma mulher ter vissarada na corpe e trair" ... Tenho tido

João Branco disse...

O importante nestas questões é não dizer: «desta água não beberei» e sobretudo, nunca dizer nunca. Quando menos se espera algo acaba acontecendo. Do lado de lá ou de cá. Faz parte da insondável e misteriosa natureza humana...

Anónimo disse...

Caracas,se querem saltar a cerca nao e preciso desabafar aqui. E so saltar e pronto, amanha sera outro dia.

João Branco disse...

Não entendi...

MYA disse...

Mas sexo nao implika amor. Daí trair e amar ao mesmo tempo... além de ke pode-se amar alguem sem sequer ter praticado sexo. Digo eu, sei la !

João Branco disse...

«Digo eu, sei lá»?! Isto hoje está muito manso... hehe