Café Actual

6 Comments



Se tchuba ka tem morrê de sede
Se tchuba tchobe morrê fogádu!


(Se a chuva falta, morremos de sede
Se a chuva vem, morremos afogados)


Mas tem que ser sempre assim no Mindelo? A Laginha está praticamente destruída. As ruas transformadas em rios de lama. A praça da Estrela, como habitualmente, torna-se o maior lago africano. As enxurradas arrastam lixo, terra, pedras e haveres pelas encostas abaixo, até chegar ao mar. Por onde andaram os engenheiros desta cidade? E agora?

Imagem: blogue Soncent




You may also like

6 comentários:

CRA disse...

João
Acho que estamos em demasia habituados a não reclamar, a aceitar, a pensar que tudo é normal.
Acreditas que a minha casa (um apartamento que comprei novo em folha, há 1 ano) encheu-se de água?
Pois é estive enchendo baldes de água e limpando toda a tarde e noite do dia 26. Valeu-me a ajuda do meu irmão, amigos e vizinhos que também tiveram a desagradável experiência.
Somos nós, os caboverdianos, tudo na descontra, tudo na calma de Sta. Margarida (como diz minha mãe).
Nude

gicas disse...

;)
Parece que ja leste a minha crónica desta semana, Joao.

Pois aqui na Praia é igual. Se ano, após ano, acontece isto, porque é que ainda ninguém fez nada e ironicamente há um desperdicio enorme de água das chuvas, porque nao há retençao...isto num país onde nao há desenvolvimento em várias áreas por causa da falta de água!!!!!

Anónimo disse...

Na Praia, gostaria de destacar a situação da zona da Várzea e, sobretudo, a entrada no Palácio do Governo! Gente, o PM, a sua entourage e uma boa % da FP entra naquele Palácio diariamente. Anualmente, o MIT e a sua equipa de engenheiros faz intervenções naquela zona, sempre para resolver de vez aquela enchente de água. O acesso ao Palácio fica digno de um bom /triste documentário!! Isto acontece todos os anos, todas as épocas das chuvas e todos os anos se gasta uma pipa de massa para obras de resolução! Começo a pensar se são os nossos engenheiros que são fracos, ou se, na verdade, nunca se fez uma intervenção de fundo, com vista a solucionar de vez o problema.
Ana

João Branco disse...

Pois é, se na porta do Palácio do Governo estamos como estamos, a esperança de que isto seja resolvido é muito baixa mesmo...

Teatrakacia disse...

O crioulo já (sempre!) encara isso como uma sina, a que nada se pode fazer! É assim, e pronto! É a graça de Deus! Por isso a quase ausência de reclamações... mas isso precisa acabar mesmo! Todos os anos - quando chove - é a mesma coisa: agua por todos os cantos da casa, e torrentes de agua suja e selvagem a levar encostas e pedaços de casas, mas tb estradas e as tais 'soluções anteriores' (construções supostamente para evitar os tais estragos)...
Pr'o ano há mais!

João Branco disse...

E é dificil de entender essa «lógica»!