Aviso Margoso

3 Comments


Estive lá e cantei, porque não há melhor forma de celebrarmos a vida e a obra do maior dos mestres. Estive lá e chorei, porque sou um tipo sentimental que admirava de forma intensa o homem, as composições e tudo o que a obra do maior dos mestres significa para Cabo Verde. Estive lá e dei meu sentido abraço a Neu Lopes, uma alma generosa como poucas, um homem que nunca vira as costas para ninguém e que encara os seus projectos com entusiasmo de menino, porventura a sua maior herança paterna.

E porque estive lá, hoje não me apetece escrever sobre mais nada. Tinha que vir aqui para dizer-vos assim. Nem que fosse para escrever que hoje não vou escrever, como diria o poeta Drummond Andrade.


Imagem: ASemana Online






You may also like

3 comentários:

staticman disse...

Aproveito este espaço do café para também eu enviar um abraço sentido ao Neu, depois de saber da triste notícia.
Antonio

JB disse...

António, estou certo que o Neu vai ler esta tua mensagem e ficar contente com ela. Abraço.

Neu Lopes disse...

António, muito obrigado pela tua atenção. És realmente daqueles amigos que é muito difícil a gente esquecer. Um grande abraço