Tertúlia dos Mentirosos 20

6 Comments


(Cai do céu um anjo em forma de espelho)

    Espelho: E o Diabo é também bastante optimista: pensa que pode piorar os seres humanos.

    Diabo (Estupefacto): E tu quem és? És uma das formas que os meus conterrâneos assumem?. Ou és ainda a metamorfose do Diabo?

    Espelho: (pensa demoradamente): Eu? Eu sou tu.

    Diabo: Tu não passas de um imitador.

    Espelho: Costumo repetir tudo o que os outros fazem, mas não o que dizem, o que é bem mais perigoso.

    Diabo: Mas nós também podemos ser imitações de nós mesmos.

    Espelho: Pode ser. Mas um espelho nunca. O espelho é sempre original.

    Diabo: Como? Se a vossa vida é imitar?

    Espelho: Mas ninguém imita o espelho. É isso ser original. Não que não imites a ninguém, mas que ninguém a ti te consiga imitar.

    Diabo: Mas tu és muito snob. Andas por aí a espelhar vaidade, mas só vives dos gestos dos outros.

    Espelho: É que os outros não conseguem viver sem mim. Engano-os, e isso suplanta os seus desenganos. Por isso é que gostam de mim.

    Diabo: (Assustado) Mas o que fazes está errado.

    Espelho: Se o que eu faço está errado, tudo está errado. Pois não sou mais do que um reflexo.

    Diabo: Então não és ninguém.

    Espelho: Possivelmente. Não sou eu que faço as pessoas. São as pessoas que me fazem.

    Diabo: (consentindo) Tenho boa consciência disso.

    Espelho: (rindo doidamente, disparatadamente); Tens boa consciência? Onde é que já se viu diabos de boa consciência?

    Diabo: Porque não? Não são os homens que se deixam tentar?

    Espelho: Aproveitas das fraquezas da carne.

    Diabo: (Ri com mais exageros do que como fizera o espelho. Depois, contando nos dedos): Olha, o Homem tem do seu lado Deus, que o fez à imagem e semelhança e o protege; tem os santos que o cuidam; os anjos, arcanjos, querubins, serafins, rafael, gabriel, que o guardam. E achas tu que se eu seduzir alguma criatura, devia sentir-me culpado? Não. Sinto-me cá com um orgulho dos diabos.

    Mário Lúcio Sousa in «Diálogos com Satanás»





You may also like

6 comentários:

Catarina Cardoso disse...

É pá,

obrigada por estes diálogos!

Confesso que não tenho grande opinião acerca do Mário Lúcio, ou melhor, habituei-me a embirrar um bocado com ele, mas de facto ele tem umas coisas fixes, uma delas é o Simentera que acabou e agora estes diálogos! Gostei especialmente da parte em que o espelho diz: "Espelho: Costumo repetir tudo o que os outros fazem, mas não o que dizem, o que é bem mais perigoso."

É que nós não temos noção, na maior parte dos casos, que o que se faz é bem mais significativo do que o que se diz.

Nesta fase da minha vida, penso montes de vezes nisso por causa da minha filha- podes dizer 500 vezes uma coisa a um miúdo e não valer de nada e se fizeres alguma coisa, uma única vez, eles vão reter o teu comportamento e modelá-lo- é impressionante.

Já agora onde posso encontrar os diálogos na íntegra?

Obrigada João

João Branco disse...

Não tens que embirrar com o Mário Lúcio. É, digo-o sem hesitação alguma, um ser humano excepcional. Um dia falaremos sobre isso com mais calma.

Quanto aos diálogos, dá-me a tua morada e eu mando-te o livro. A Associação Mindelact editou, há bem pouco tempo, o livro com as peças dele.

Catarina Cardoso disse...

oH João, não te zangues- já percebi que tens uma grande estima pelo Mário Lúcio, provavelmente porque tens uma relação com ele- coisa que eu não tenho!

Eu tenho acesso aquilo que o público na generalidade tem e tenho o meu direito de achar coisas em relação às figuras públicas e ele particularmente, considero-o um bocado megalómano. Mas é só a minha modesta opinião....

De qualquer modo não questionei a qualidade humana da pessoa em causa.

Quanto aos diálogos, achas que não os encontro à venda aqui na Praia?

um abraço

Ka bo zanga!

João Branco disse...

Não tens que te preocupar. Ele próprio sabe que há gente que «embirra» sem saber muito sobre a pessoa. Não estou a dizer que seja o teu caso, mas repara, por vezes sei de coisas que algumas pessoas dizem sobre mim sem me conhecerem de lado nenhum que me dá mais é vontade de rir. É que não tem nada a ver! Depois, por alguma razão passam a conhecer-me e acabam sempre por dizer coisas do tipo «tinha outra ideia de ti», ou algo do género. Tem tudo a ver com esta pequena aldeia, que faz a má lingua muitas vezes comandar mentalidades...

Manda-me o teu endereço postal para o mail. Ofereço-te o livro com muito prazer.

Abraço

Teatrakacia disse...

"Diálogos com Satanás" - Belo texto, mesmo!!! Já agora, João, devias ir dando informação sobre o quando 'encararás' o desafio do Mário Lúcio, de pôr em palco (do lado de dentro!) estes deliciosos diálogos, no mínimo filisóficos!?
Devo entender que este post é sinal de que estás já 'a trabalhar' os diálogos?
Abraço
Tchá

João Branco disse...

Está previsto, sim. Só não sei quando... hehe