Tertúlia dos Mentirosos 21

8 Comments


«Acho a maior graça. Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere...

Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos.

Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal para a minha saúde.

Prazer faz muito bem.
Dormir me deixa 0 km.
Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha.
Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos.
Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias.

Brigar me provoca arritmia cardíaca.
Ver pessoas tendo acessos de estupidez me embrulha o estômago.
Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano.
E telejornais... os médicos deveriam proibir - como doem!

Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo, faz muito bem! Você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada.

Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde!
E passar o resto do dia sem coragem para pedir desculpas, pior ainda!
Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna.

Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau!

Cinema é melhor pra saúde do que pipoca!
Conversa é melhor do que piada.
Exercício é melhor do que cirurgia.
Humor é melhor do que rancor.
Amigos são melhores do que gente influente.
Economia é melhor do que dívida.
Pergunta é melhor do que dúvida.
Sonhar é melhor do que nada!»

Luís Fernando Veríssimo

Via: aqui




You may also like

8 comentários:

Álvaro Ludgero Andrade disse...

Boa escolha querido João. Além de saber escrever, Luís Fernando Veríssimo tem toda a razão. A propósito, falei com ele durante largos minutos na Alemanha, por ocasião da Copa do Mundo de 2006, e dá gosto em ver alguém saber desfrutar do prazer de viver. Boa semana.

rcv disse...

99,9% de acordo! Assino por baixo... (ia dizer de olhos fechados) mas não posso deixar de realçar que assino sob protesto em por causa da afirmação sobre os dotes do cinema: melhor que pipoca... é manifestamente sub-valorizar.
Tchá

João Branco disse...

Sem dúvida. Era uma pessoa que eu adoraria conhecer pessoalmente!

João Branco disse...

Tchá, mas dá para entender onde ele quer chegar. Pelo menos em Portugal, já não se consegue ver filmes sem o brilho dos monitores de 30 e tal telemóveis a apagar e acender e o cheiro enjoativo das pipocas de plástico que vendem nas grandes superficies. E o cinema não precisa disso para nada...

Catarina Cardoso disse...

Os comentadores anteriores já disseram tudo e concordo quas eintegralmente contigo e com eles mas só queria dar-te os parabéns pelas escolha musicais da coluna da esquerda. Adoro todos!

um abraço e boa semana

João Branco disse...

Obrigado, catarina. aliás, dá para notar que estive recentemente no Brasil. Vim com um novo stock musical...

neulopes disse...

Tudo bem.
Concordo contudo até com a Catarina.
Aliás, pessoal que faz teatro mais profundamente, que escreve, que idealiza, que encena, pessoal que adora cinema, que adora um bom livro, pensar e viver a vida, com certeza só consegue ouvir e viver boa música.
O João é um deles.
Afinal, como diz o Diácono Remédios, um artista é sempre um artista.

Abraço

João Branco disse...

Esse Diácono era um espertalhão... hehe