Plágio 21 & Eco Margoso

6 Comments


Como devem saber, na última sessão parlamentar antes das férias do Verão, os senhores deputados da Nação aprovaram, por unanimidade, a nova tabela de ajudas de custos para os deputados nas suas viagens pelas ilhas e exterior. Eu nem vou comentar esse dado extraordinário de se ter conseguido fazer aprovar alguma medida no parlamento cabo-verdiano por unanimidade, nem o que provocou este feito raro e surpreendente. Mas vou colocar aqui um comentário publicado na Semana Online, que vale pela sua ironia e por estar bem escrito, já agora:

Então é assim:

«Acho muito bem que actualizem as suas ajudas de custo, são os nossos representantes, têm de viver bem, temos orgulho nisso, por isso é que os elegemos, não para ser uns pelintras e "passadores de fome", para isso bastamos nós.

Que os nossos representantes quando vão lá fora, vão com cabeça levantada e muito dinheiro no bolso, para honrarem Cabo Verde. Como faz Nino Vieira todas as semanas (viagens ao estrangeiro e com Euros à vontade nos bolsos e o povo da Guiné a passar fome).

Convenhamos, em partido único, o antigo combatente era o "melhor filho da nossa terra e do nosso povo", em democracia o "melhor filho da nossa terra e do nosso povo" tem de ser o nosso deputado eleito.

Vivendo bem eles, ficamos felizes, sentimo-nos todos a viver bem, também, na nossa fértil imaginação...

Viva a democracia!

Viva os deputados da nação!

Que vivam muitos anos e muitos mandatos para poderem gozar dessa conquista democrática, sim democrática, novas ajudas de custo para os deputados, votada por 99,99% dos votos e uma abstenção.

Grande parvo esse abstencionista!

Deviam-lhe cortar a mama. Aliás, fica já decidido. Quando o José Luis Santos solicitar visita ao seu círculo ele vai com as ajudas de custo antigas, que é para ele aprender a não desconversar, da próxima vez.

Os comentários que foram feitos a esta notícia são de invejosos, incluindo eu, mas vamos ter de chupar limão, cheios de raiva, que já estamos.

Aguentem seus invejosos!

Abaixo os invejosos das boas ajudas de custo!

Assinado: João da Silva Ramos»


P.S. Verdade seja dita, estes valores não eram actualizados desde 1992. Mas as mesmas tabelas de ajudas de custo de toda a função pública estão congeladas desde... 1991. Talvez por isso muitas reacções como esta, que não deixa de ter alguma piada.




You may also like

6 comentários:

Salim disse...

LOL @ JSR!

Por acaso, adorei o comentário quando o li no A Semana Online. Está perfeito para comemorar a ocasião.

Hahaha

João Branco disse...

Sem dúvida, Salim...

Kuskas disse...

Excelente comentário esse. É de rir para não chorar, que é o que faço cada vez que tenho de viajar a trabalho.

Uma vez mandaram-me para uma missão em um pais da europa, foi um encontro intensivo e quase não tinhamos tempo para comer. Mas no meu caso foi uma semana a comer sanduiche, porque tive que escolher entre ficar em um Hotel barato, mas longe pra burro do local do encontro, e pagar muito pelo transporte e um hotel com diaria de 60 euros e ficar com 40 euros para almoçar e jantar.

Tive o azar de ficar doente e nem imaginem o custo médico daquele pais.

As financças arranjam um barulho quando alguns serviços pagam o hotel dos tecnicos e lhes dão 2/3 da miséria de ajuda de custos, pk isso é ilegal.

Ilegal é eu viajar a TRABALHO e ter que colocar o dinheiro do meu SALARIO para pagar as refeiçoes quando vou a ilha do Maio, Fogo, Boavista onde a ajuda de custos é 2500.

Mas realmente, os nossos deputados devem receber bem e andar bem, de pobres e coitados e esfomeados já bastamos nós!

João Branco disse...

Hehe Dizer o quê mais, perante esse teu comentário, Kuskas. Mas olhem que ler os comentários e debates na semana online aprende-se muito sobre a psicologia colectiva deste nosso povo, acreditem!

Anónimo disse...

Eu espero sinceramente que com este gesto no parlamento, se pense de imediato na função publica, porque a situação aí é insustentável no que diz respeito a ajudas de custo. Numa missão ao Brasil, tive que partilhar um quarto de hotel com uma colega de outro Ministério porque, caso contrario, não teríamos como comer durante os dias que lá passamos. Mas nós os funcionarios publicos somos os culpados: não deveríamos aceitar sair em missão enquanto não actualizassem as ajudas de custo...mas lá vamos, sempre que somos indigitados, cantando & rindo, porque pelo menos saímos desta terra, apanhamos algum ar fresco, refrescamos as vistas e sentimo-nos todos a viver bem! Valha-nos Deus!
Ana

João Branco disse...

Ana, e olha que o Brasil ainda é dos países em que os preços dos hoteis e - principalmente - da comida, estão mais em conta!