Cafeína

2 Comments




«Não, a maior solidão é a do ser que não ama. A maior solidão é a do ser que se ausenta, que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana. A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, no absoluto de si mesmo, e que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro. O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e de ferir-se, o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno. Ele é a angústia do mundo que o reflecte. Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes da emoção, as que são o património de todos, e, encerrado em seu duro privilégio, semeia pedras do alto da sua fria e desolada torre.»


Vinicius de Moraes





You may also like

2 comentários:

Janaína Alves disse...

Passando por aqui pra provar um gosto margoso na boca,e fui surpreendida por um gosto doce no coração...
deixo aqui um trecho do mesmo autor,para adoçar o coração esse blogue:
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Beijos distraídos...

zito azevedo disse...

É isso Janaina...As coisas importantes das nossas vidas não o foram pelo seu volume temporal mas, simplesmente, porque aconteceram!