SMS Cafeano

7 Comments


"A sociedade cabo-verdiana é uma sociedade de inveja, 
temos uma cultura que não venera o sucesso do outro."

Heavy H - músico cabo-verdiano 
(fonte: aqui)




You may also like

7 comentários:

TΣΨ Δ|Σx@µ₫r€ disse...

De facto... não é nenhuma novidade... e acho que ninguem vais aqui dizer algo em contrário... por isso... pouco tenho a dizer...

downloader disse...

Não é regra, mas também não está longe da verdade!
Deveria-se fazer mais e cumprimentar o sucesso dos outros, sem complexos.
"Si era mi...nta fazeba ...!!!"Vai se fazendo mas pouco.

MEstevao disse...

Não diria "venerar" mas sim, reconhecer e respeitar o sucesso do outro.

Catarina disse...

Foste tu, Joãozinho, quem um dia me disse que "as árvores que dão mais frutos, são sempre as mais apedrejadas..."

João Branco disse...

Essa foi uma frase que me foi dita há muitos anos atrás pela minha grande amiga Luisa Marques da Silva, gerente do Éden Park, no Mindelo.

Guy Ramos disse...

A mim me disseram que os anjos de casa nunca fazem milagre. Uma regra a respeitar nestas ilhas?

Mas digo tambem que os artistas, mais obras devem produzir e de melhor qualidade.
Muita gente produzindo a mesma coisa com a mesma cor, com a mesma historia, mesmo som, mesma mascara, com o meu texto, repetido o sonho e a ambicao alheia sem poder diversificar do ja existente, sem poder criar algo novo e original. Quase ninguem mais me impressiona pois o que hoje foi produzido 'e quase uma copia, un Xerox de ontem.

Numa terra sem criticos de arte 'e bem dificil julgar e criticar os artistas porque todo mundo se auto domina de bom artista sem mesmo saber que arte praticam e qual o potencial do seu talento e obra criada. Salvo raras excepcoes, nao temos referencias nacionais a nivel de arte e cultura. Uma referencia de concurrencia saudavel dentro de uma cultura critica e de conhecimento e experiencia artistica vasta.
Tenho visto e ouvido muita coisa absurda a querer-me furar os meus timpanos com gritaria sem fidelidade ou me cegar-me a minha visao de artes plasticas sem algum conteudo artistico que seja. E nao me venham dizer que 'e subjectivo ao meu gosto e que tudo neste campo especifico 'e relativo. Nao concordo! Ha necessidade de reflectir sobre este aspecto e essa situacao critica que as artes e a cultura de Cabo Verde atraversam neste momento.

Estar na moda nas boites e em foco nas radios nao significa sucesso ou garantia de qualidade. Ser convidado para expor quadros mediocres ou copiados de fotografias e de qualidade vergonhosa nao deve considerada como promocao da arte e dos nossos artistas. Ha que haver uma definicao critica mais severa que possa impor uma melhor producao com melhor qualidade e conhecimento das artes.

Mas comprendo o Havy que conheci nos seus primeiros espectaculos aqui em Rotterdam. Artistas do nosso Torrao carecem de atencao e de expanco de expansao e de demonstracao. Carecem de uma educacao e formacao artistica. Muitos dos nossos musicos so sao artsitas de CD que gravaram. Nunca ou poucas sao as oortunidades de ixibicao ou actuacao publica. Ate porque muitos nem necessitam subir ao palco com a sua mediocre obra e pouco talento.
Ha sim muita kitsch. O que o Vasco Martins intitulou de Tropical Kitsch. Comparo muitos cantores e musicos e outros artistas da nossa terra com as estatuetas vendidas pelos nossos irmaos da CEDEAO nos sitios turisticos da nossa terra por ser arte ou artesanato de Cabo Verde. Muita kitsch!

O Heavy bem sabe que a veneracao dos nossos herois, artistas, poetas e outros homens de cultura vem sempre quando fisicamente desapareceram ou quando na agonia estao. 'E quase inerente a arte em todos os lados deste universo.

Existe sim uma certa arrogancia dentro da pequenes do nosso universo creoulo. Somos grandes antes de crescer

Em Cabo Verde na pobreza todo a gente e kel me. Sampadjudou ku badiu e kel me y nos e tudu kul(cool). Ninguem 'e mais, ninguem 'e menos. cada um faz o que mais lhe agrada sem nehuma dose de auto-critica ou cada um faz o que mais lhe rende nessa luta de sobrevivencia sem esperanca de reconhecimento da sua obra. Quer esse ser de qualidade ou nao.

Creio por isso que nao 'e inveja. "e mais uma falta de cultiura. Cultura de veneracao e de reconhecimento dos que singram para interter, civilizar, criar, desenvolver as artes e a cultura de um povo.
Como podemos venerar se nao comprendemos ainda esse fenomeno que se chama arte e a nossa maneira peculiar de estar, sentir e fazer que chamamos cultura cabo-verdiana.

Abraco Joao

guyramos@hotmail.com

JRL disse...

A frase deste senhor é tão fraca como a música dele.
A música é uma palete de cores que interagem com a mente do artista que por sua vez envia sinais á mão (ou á boca, ou pés-dependendo das faculdades do artista)) que faz todo o trabalho.
Este trabalho tem sempre qualidade, pelo fenómeno que se produz, mas o artista, assim como os outros, é um mero espectador e critico da sua obra, mas não lhe cabe fazer juízo da critica.