Um Café com Millôr Fernandes

4 Comments



O crítico Fausto Cunha considera-o "um dos poucos escritores universais que possuímos", referindo-se ao brasileiro Millôr Fernandes, cartunista, jornalista, cronista, dramaturgo, roteirista, intelectual, tradutor e poeta brasileiro, enfim, um autêntico homem dos sete instrumentos da intelectualidade brasileira. Faz argumentos para o cinema e programas de televisão, shows e musicais e é um dos mais solicitados tradutores de teatro do país. Irónico, polémico, com os seus textos (aforismos, epigramas, ironia, duplos sentidos e trocadilhos) e os seus desenhos constrói a crónica dos costumes brasileiros dos últimos sessenta anos.

E a que propósito vem tudo isto? Vem a propósito de, graças ao blogueiro Miguel Barbosa, do Ziquira, ter descoberto que este homem, hoje com quase 90 anos, estar a bombar no Twitter com o seu humor inteligente, à medida dos 140 caracteres da praxe.

Aqui ficam algumas das frases "twitadas" nos últimos dias:
  • Todo político sábio fala duas vezes antes de pensar.
  • Quando duas pessoas odeiam a mesma pessoa, têm a impressão de que se estimam.
  • Idiota mesmo é o sujeito que, ouvindo uma história de duplo sentido, não entende nenhum dos dois.
  • Monogamia é a capacidade de ser infiel à mesma pessoa durante a vida inteira.
  • Um idiota nunca aproveita a oportunidade. Na verdade muitas vezes o idiota é oportunidade que os outros aproveitam.
  • O quartzo é um mineral que fica entre o tertzo e o quintzo. (nota: adorei esta!)
  • Comida é bom, bebida é ótimo, música é admirável, literatura é sublime, mas só o sexo provoca erecção.
  • Meu ideal político é um governo que não se meta em minha vida.
  • O maior erro de Noé foi não ter matado as duas baratas que entraram na arca.
  • Grande erro da natureza é a incompetência não doer.
  • Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal.
  • Só as mulheres que variam muito de homens podem dizer que os homens são todos iguais.
  • Não é que o crime não compensa. É que, quando compensa, muda de nome.

Genial, não acham? Podem seguir esta figura ímpar no Twitter, aqui




You may also like

4 comentários:

zito azevedo disse...

Tive um colega no Liceu, em S.Vicente, naqueles anos em a malta lia O Cruzeiro e a Manchete (que chegavam a C.Verde antes de chegarem à Europa), que adorava os trocadilhos e um dia me disse:"Oh Zito, odeio o Millôr Fernandes: tu-do aquilo que eu gostava de dizer...o gajo já o disse!", Coitado do Valdemiro!
Zito Azevedo

JB disse...

Pensei nisso várias vezes quando lia as suas excelentes frases!

Ana Oliveira disse...

Olá

Andando à bolina por estes éteres bloguianos entrei aqui e fui lendo...e agora não posso deixar de agradecer o reencontro tornado possível com Millôr Fernandes, de quem à uns anos li as Fábilas Fabulosas (que emprestei e esqueceram o caminho de volta).
Bom é puder, agora, ler algumas das suas "pérolas" sempre que me apetecer.

Gostei deste blog, a dar notícias de um país que tem uma cultura tão rica e variada, de que conheço (como a maioria dos portugueses) pouco mais do que a musica e a culinária

Obrigada
Saudações de Lisboa


Ana Oliveira

JB disse...

Ana, obrigado pela visita e pelas simpáticas palavras. E volta sempre! Abraço.