Dois amantes

6 Comments


          Dois amantes felizes não têm fim nem morte,
          nascem e morrem tanta vez enquanto vivem,
          são eternos como é a natureza.

          Pablo Neruda


          Pintura: "The Lovers" de Magritte



You may also like

6 comentários:

Sarabudja disse...

"De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei-de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."


Vinicius de Moraes, "Antologia Poética"

zito azevedo disse...

Pessoalmente, sempre desconfiei de encapuzados...Que razões terão estes amantes para se esconderem?
Zito Azevedo

JB disse...

Lindo, Sarabudja. Vinicius é grande!

Zito, o amor às escondidas é tão mais excitante! É o que dizem...

zito azevedo disse...

JB, essa é a história do fruto proibido que, com maior ou menor significado, todos nós vivemos, com o coração batendo em dobro: pelo extase do momento e pelo receio do flagra...
Neste contexto, vivam os capuzes!
Zito Azevedo

Manu Moreno disse...

Mudjer sém Homi
é sima barku sem lemi
Mudjer sém homi
é sima vela sem lumi
Homi sem mudjer
é sima peskador sem luar
Homi sem Mudjer
é sima um katraio sem lar
Mudjer é sopru divino
Mudjer é vã di poizia
Mudjer é vida labado
Mudjer é purifikaçom
Mudjer é existéncia di nha kuraçom
Mudjer é amiga
Mudjer é kumpanhera
Mudjer é vizinha
Mudjer é Mámá
mudjer é irmã
mudjer é Tía
Mudjer é justiça
mudjer é vida
Mudjer é alma talhada
Mudjer é beléza
Mudjer é nós morabeza
...

Kel abçom di kuraçom!!
ManuMoreno

JB disse...

Zito, é isso mesmo! Além de que uma pintura do Magritte fica sempre bem (um dos meus pintores favoritos, confesso!)

ManuMoreno, lindo. Vou fazer desta poesia um post, para amanhã. Com a devida vénia ao autor! Abraço