Um Café Curto com um blackout

8 Comments




Estive no aeroporto internacional da Praia na noite em que a luz faltou e aconteceu o que refere esta notícia de A Semana. Durante mais de uma hora, o aeroporto da capital de Cabo Verde este na mais completa escuridão. Sinceramente, não sei o que é mais grave: se a Electra estar na situação que está ou se o aeroporto depender, ainda, dos xiliques que a companhia de água e electricidade continua a provocar um pouco por todo o país, com maior incidência na cidade Capital. Inadmissível. Grave. Muito grave. 




You may also like

8 comentários:

Carla disse...

tudo bem a Electra abusa. concordo.
é aquilo que já sabemos.
mas não era suposto o ADP ter um sistema alternativo de iluminação ( geradores próprios para estas situações de emergência)

JB disse...

é precisamente isto que eu questiono, Carla. sabendo-se como funciona a Electra, o ADP tem que ter outro tipo de autonomia energética. Podia ter acontecido algo de grave. Estavam aviões prontos para aterrar... Enfim, não se admite uma coisa daquelas.

Sarabudja disse...

Nem sei por onde começar. Quando li a noticia senti uma grande tristeza por perceber que há coisas que não mudam, e que se brinca assim com as pessoas. Com a vida das pessoas.
Adivinha:
Imagina-te com um filho de pouco mais de 18 meses com uma gastroenterite que inicialmente foi mal diagnosticada (acontece em qualquer sitio do mundo), a hipótese levantada de ter de interná-lo num hospital onde a pediatria não tem condições (acontece em menos sitios do mundo) e não ter água durante mais de uma semana na torneira (adivinha lá onde eu estava????) e a electricidade ser uma constante incerteza. (bahhh, era fácil.)

Gosto muito de Cabo Verde, mas os problemas das água e luz deixam-me com os nervos em franja.
E se apostassem em energias renováveis? E se os milhões que ouvi ontem o Sr.PM falar numa grande reportagem fossem investidos em energias renováveis? Oh mas isto digo eu, que não percebo nada da coisa, e que teimo em ver o mundo de forma pueril.

Anónimo disse...

E a sociedade civil não diz, não faz nada?! Que nem diz o Bianda, "povo manso este"...

Nox Lilin disse...

Vê o lado positivo:
Pelo menos os aviões não andam a electrecidade.

Até já estou a vêr os títulos no jornal, se andassem:
"Serial killer Electra volta a atacar"

gatunix disse...

uma pergunta cafeana... sera que alguem pode processar a electra por nao prestar o servico acordado .. sim porque em qualquer pais civilizado cortes de energias sussessivos da direito a ir a tribunal e a indeminacoes... principalmente as empresas. nesse caso a ASA podia ir a tribunal e pedir chorudas indemnizacoes...

Pss disse...

Nada de grave. Nada de grave. Nenhum avião caiu. Ninguém perdeu no "sukuru", não precisam de exagerar.

Ah e já agora em qualquer Aeroporto do mundo que se diz internacional e digno desse nome há um grupo gerador que arranca em segundos (por norma de 3 a 5 segudos) após falha na rede pública e trabalha até a energia da rede pública ser restabelecida.
Sim eu sei muita gente já fez referência a isso mas a pressa de condenar a Electra e bater no ceguinho ninguém foi assacar responsabilidades a ASA.

O resto é conversa da treta : "ah no squeci di poi gasoleo na gerador", "ah gerador ca ranca pamo fusível de automatismo staba quemado", "ah gerador ca ranca pamo bateria que ta alimenta sistema automatico staba sem carga" ... continua um ROL ENORME de desculpas que os "Engenheiros" tem na ponta de língua e no fim ... fica tudo igual ... vão ver o Benfica a beber Super bocks e tá a andar.

Anónimo disse...

Quantas vezes houve cortes de energia na praia x quantas vezes aconteceu no aeroporto interncional da praia ? - não há gerador de emergencia que aguente tanta oscilação...