Declaração Cafeana

14 Comments




Chegou pelo correio. Saiu do envelope. Entrou no computador. Kontinuassom. A última e definitiva versão. Tudo tem um sabor diferente quando se está fora. Não há como a gente não se emocionar ao ver este filme. Bety Fernandes, bailarina, mãe, mulher, amiga, não podia ter sido mais bem escolhida a protagonista. Dança por entre as pedras, as rochas, as casas inacabadas. Sempre inacabadas. Paka kaba não. Vamos ouvir. Bzot abri brok d'ovid e bzot ovi! É gent mais bedje ke tita ba fala. Denti Dóro, basofo! Ah Nácia Gomi, senhora de milenar sabedoria. Ah Codé di Dona! Ah Léla Violão, Deus tem! No quintal do Mário Lúcio juntam-se lendas, arrumam-se sonoridades por entre grogue e ensinamentos. Pa ka kaba não.

Não há como não chorar. Como chuva que vem sem avisar. Ah Vadu, nha fidje, ver-te a cantar pelas ruas da Praia. Pa ka kaba não. Não há como não chorar. Ah Manu Preto, que seria de Cabo Verde sem o teu balanço, o teu cabelo malcriado, os teus meninos do Raiz! Pa ka kaba não. Ah Samira! Ah Princezito. A nhôs é bonitu dimas. Cantando e dançando pelas ruas da Praia. Loucos e bêbados se juntam. Não há como não chorar. Não há como não dançar. Pa ka kaba não.

Ah país abençoado. De fora tens outra cor. Que fique sempre dentro do nosso coração. Ah arquipélago, não deixes de olhar para dentro de ti, não deixes de querer melhorar, vai e vem, mas avança sempre, olha-te ao espelho, vê os teus artistas, olha por eles, cuida deles. São eles, os artistas, que fazem o sangue jorrar pelas tuas veias. Kontinuassom. Pa ka kaba não. Foca-te, país da música. Melhora-te. Não percas a capacidade de te regenerar, de te re-inventar. Kontinuassom, Pa ka kaba não. Lágrimas. Saudade.






You may also like

14 comentários:

Anónimo disse...

Um braça João...

moreia

Sarabudja disse...

Vi excertos, li-te agora. Ohhhhhh sodade. De fora sempre tudo nos parece mais bonito, mas dentro de Cabo Verde também vivi dias mesmo fantásticos e com a plena consciência da dádiva da Vida que me era proporcionada. Senti-me verdadeiramente feliz, e o Vadú faz parte da banda sonora dessas horas. Ah sodade.
Um dia disse ao Vadú: gosto tanto deste país que acho que gostava de morrer aqui. E ele respondeu: Ma ka bu skeci di VIVI li també.

Anónimo disse...

obrigada por tudo João.... pa ka caba não. Há VADÙ PAXENXA NHOR DES



Wicca

Anónimo disse...

Que lindo texto !!! Tão real, tão verdadeiro -;)
Sabe, emociona!!!
Parabêns
IM

NEGRA BELEZA DA COR disse...

Curto e conciso. Em pinceladas largas vê-se o filme todo.

Maravilha João.

Um braça e mantenhas

Deina disse...

O filme está LINDO! É pena não termos estruturas na nossa terra que nos permitam apreciá-lo melhor.
Fui ver o filme no dia da estreia, no cinema da Praia e o som era tão péssimo (por causa da acústica da sala) que no dia seguinte fiz questão de voltar a ver o filme na TCV para poder "OUVIR O FILME".
Se bem que acho que iria voltar a assistir ao filme de qualquer forma.

Olga disse...

Obrigada...tenho lágrimas nos olhos, não vale

JB disse...

Há que dizê-lo: este filme é um hino. Um hino. Devia ser mostrado em todas as escolas do país. Ser aproveitado para se debater, conversar, questionar. Desde há muito que não via material didático tão poderoso como este, assim, à mão de semear.

JonDays disse...

JB, onde me posso dirigir para visionar essa obra?

obrigado
abraço
JT

JB disse...

JD, acho que não está prevista, pelo menos para já, a sua comercialização. contacta-me e eu faço-te chegar uma cópia. Abraço

Anónimo disse...

Palavras lindas e que emocionam muito mais concerteza quem está fora....Terra Abençoada!
Kady Araújo

Nuno Andrade Ferreira disse...

João,

Daqui Nuno Andrade Ferreira, jornalista. Gostava de fazer um trabalho de fundo sobre o Eden Park. Gostava de contar com as tuas pistas. Será que me podes dar o teu e-mail? nuno.andrade.ferreira@gmail.com

mdsol disse...

:))

Anónimo disse...

"Djon" Estas tuas palavras são sublimes e comovem-se...
lágrimas se caem....

Ferr.