Tertúlia dos Mentirosos 112

3 Comments




Quatro Dias

O 1º dia foi de apresentações e conhecer o local de trabalho.

O 4º dia foi utilizado nas despedidas.

Os 2º e 3º dias no exercício de funções: sendo de evidenciar a forma extremamente leal, competente e dedicada como desempenhou a função, de excelentes qualidades pessoais e profissionais.


Assim, sim, até dá gosto!


Isto explica muita coisa.... vejam a imagem:







You may also like

3 comentários:

*JjS* disse...

A internet tem destas coisas...
O que é tramado e é com algum pudor que o constato. Esta pessoa não conseguiu entrar no concurso de admissão ao estágio para ingresso na carreira técnica superior, por ter sido eliminada na avaliação psicológica.
http://www.dgap.gov.pt/upload/Concursos_DGAEP2008/RefC-P20083602_Lista%20Class_Final_.pdf

Pode ter sido por razões de saúde e... um louvor do primeiro ministro sempre ajuda à autoestima.

argumentonio disse...

caro café, circula muita patranha na internet mas convém manter a dúvida metódica, tal como a prudência aconselha: a nomeação de colaboradores do Estado segue regras procedimentais e tem que ser formalizada mesmo que a pessoa já esteja em funções há muitos anos e com muitas provas dadas, como é o caso em apreço; assim, ao fim de muitos anos de bons (julgados por quem está em condições de julgar) serviços e no momento de mudar de funções, a colaboradora louvada tinha visto publicada a renovação das suas funções há poucos dias...

imagine-se que um actor trabalha meritoriamente para uma companhia durante muitas épocas e um dia muda - de peça, de companhia, etc. - mas como tinha começado uma peça nova há 4 dias, as referências de início e fim do trabalho naquela peça coincidem no tempo mas os elogios, se os merecer, podem ser conferidos e reportados à totalidade do tempo que o actor permaneceu na companhia - e não apenas na última peça, que por coincidência apenas esteve em cena, com aquele actor, durante 4 dias

creio que a simples compreensão da situação refuta o aproveitamento alarve que foi feito - atenção, por quem de quem não se espera melhor entendimento... - na altura, vai para um ano

depois disso, a chacota desvaneceu-se, porque os chacoteadores perceberam que eram afinal eles o alvo da chacota

a repetição da interpretação precipitada inicial, desenquadrada do entendimento da situação que a mera análise inteligente pode propiciar, em nada deve, pois, significar apoio aos ditos anedóticos intérpretes - assinalando que nem todos tinham apenas má vontade e má fé, muitos eram mesmo resultado de análise ignorante ou precipitada

enfim... prova de que a quantidade de informação (como a que circula profusa e acriticamente na internet) não é sinónimo de conhecimento!

;_)))

JB disse...

Está explicado! (estará mesmo?)

Abraço