Um Café Curto com Alavancas

3 Comments




Um senhor que aparece em grande estilo num dos semanários do país, certamente um digno representante desta fenomenal nova geração de dirigentes políticos da(s) nossa(s) praça(s) e que, ao que parece, é Director Geral do Turismo, disse, no alto da sua imensa sabedoria e do baixo da sua notável humildade, que Cabo Verde ainda gatinha no turismo. Não tinha reparado. Ele deve saber do que fala. Mas tendo em conta o tempo passado desde que o turismo foi anunciado, com pompa e circunstância, como principal alavanca do desenvolvimento nacional, já não era mais que tempo de o gajo (o turismo, bem entendido) estar a andar pelos próprios pés? Digo eu, que até gosto deste género de frases de belo efeito.





You may also like

3 comentários:

Redy Wilson Lima disse...

Diria que o turismo está a caminho de rastejar tendo esse incompetente como Director. São os tais tachos à portuguesa... fazer o quê?

JB disse...

É o que nos vale: a herança portuguesa explica (quase) tudo!

zito azevedo disse...

Eu sempre achei que "gatinhar" é um termo que denuncia uma certa dificuldade de locomoção que não tem nada a ver com o felino a que está associado mas isso são contas de outro rosário. O que me parece é que os atrasos no desenvolvimento do turismo em Cabo Verde é capaz de ter a ver com o facto de as "nossas" ilhs serem um dos destinos mais caros da variada panóplia de ofertas mundiais...E não deixa de me causar alguma perplexidade que se continue a "esbanjar" a herança de erros e maus costumes lusos com que se pretende continuar a justificar alguns insucessos, nesta ou naquela área, como se não houvesse incúria e incapacidades de produção nacional...sem a chancela do colonizador!