Café Presidencial

18 Comments


Várias breves notas sobre estas eleições presidenciais:

1. A vitória de Jorge Carlos Fonseca é inequívoca e surpreendente. O jurista e poeta consegue o que nunca o todo poderoso Carlos Veiga conseguiu e por uma diferença que não deixa margem para dúvidas. É o grande vencedor destas eleições. 

2. Aliás, o percurso da candidatura é, a este nível, interessante para análise futura. Muito embora tenha sido apoiado de forma empenhada pelo MpD, o então candidato estava retirado da política activa há mais de dez anos, apresentou-se como candidato independentemente dos apoios que viria a receber depois e esta postura valeu-lhe, certamente, muitos dos votos que ganhou na segunda volta das eleições.

3. O povo de Cabo Verde é o outro grande vencedor destas eleições. Surpreendeu baixando os índices de abstenção, apesar da chuva, votou em massa e, claramente, votou num candidato e não num partido político. Conseguiu um feito histórico no país, elegendo pela primeira vez um Presidente de uma área política diferente daquele do partido no poder.

4. O partido no poder, PAICV, é o grande perdedor destas eleições, mais até que os dois militantes que concorreram a estas eleições, Manuel Inocêncio e Aristides Lima. Apostou num candidato que, para muitos, não seria o preferido das bases, e isso foi notório na distribuição dos votos nesta segunda volta. Não soube gerir o conflito interno e a campanha da primeira volta deixa feridas que muito dificilmente serão esquecidas ou sanadas.

5. Sendo assim, José Maria Neves é, por tabela, o grande derrotado individual deste pleito eleitoral. Empenhou-se mais do que devia numa campanha eleitoral e arrastou muitos membros do Governo nessa luta. Teve intervenções infelizes contra camaradas seus e vai ser-lhe muito complicado gerir o partido nos tempos mais próximos. O desgaste é inquestionável, mas este resultado também poderá originar um banho de humildade que fazia falta, depois de três vitórias consecutivas nas legislativas. Em eleições não há vencedores antecipados. Quem assim pensa, arrisca-se a perder. Felisberto Vieira que o diga. 

6. A votação de Aristides Lima na primeira volta é excelente, mas este sai chamuscado pelo seu comportamento em todo o processo de escolha do candidato a apoiar pelo partido tambarina. Das duas uma, ou anunciava a sua candidatura independentemente do apoio que poderia vir a ter e se retirava das suas funções partidárias (como fez, e bem, Jorge Carlos Fonseca), ou depois de acatar as regras impostas pelo seu partido, aceitava os resultados que ditariam o candidato a apoiar.

7. Sujeitar-se a uma votação interna de um partido e, por tê-la perdido, vir a terreiro gritar aos sete ventos que ele sim, era o único candidato da cidadania, foi uma atitude que roçou a hipocrisia política. A ver o que os próximos tempos anunciam em relação ao seu futuro político em Cabo Verde. A meu ver só haveria um: demitir-se do PAICV e fundar um novo partido, junto daqueles quadros que o apoiaram, ligados ao partido ou independentes, que os houve em grande quantidade. Quem sabe este seja o caminho para acabar com o bipartidarismo agudo, a maior doença crónica da nossa democracia.

8. Felisberto Vieira apoiou um candidato diferente daquele apoiado pelo seu partido. Perdeu. Demitiu-se do Governo, numa atitude por muitos considerada exemplar e de coragem. Vir dias depois pedir o voto na candidatura que combateu dias antes foi um tiro no pé que estragou a dignidade que a sua demissão acarretou.

9. É mais do que óbvio que o dúbio comportamento de um dos políticos mais poderosos de Cabo Verde aponta para um único sentido: a candidatura à liderança do seu partido. A ideia que dá é que usou a plataforma presidencial de Aristides Lima para medir o pulso à sua influência eleitoral, pedindo depois o voto em Inocêncio Sousa para minimizar os estragos. A luta política que aí vem dentro do partido promete.

10. Estou convencido ainda que o maior erro de Manuel Inocêncio Sousa, enquanto candidato, foi apresentar-se mais com o perfil de ministro do que com o de Presidente da República. Ora, os cabo-verdianos entenderam a diferença e não lhe deram o seu voto. Ainda assim, foi digno na forma como reconheceu a sua derrota sem recorrer ao habitual discurso do "perdi, mas houve algo de muito errado (e ilegal) que fez com que eu perdesse."

11. Não por acaso, o slogan mais forte de Inocêncio Sousa era MI é Cabo Verde, um jogo de palavras em relação às iniciais do seu nome, mas que alimentaram uma sensação de centralismo e acumulação de poder que não o favoreceu. Ao contrário, o slogan de Jorge Carlos Fonseca, Um Presidente Junto das Pessoas, foi mais inteligente na forma como soube passar a sua visão da função presidencial. 

12. Parabéns à democracia cabo-verdiana, ao novo Presidente Eleito e ao Povo de Cabo Verde.



You may also like

18 comentários:

daivarela disse...

Parabéns ao novo Presidente (que é Jorge e não José, heeheheh)
Pelo menos vamos ter menos barulho nas ruas até as Autárquicas.
Abc

Anónimo disse...

Lembro-me de quando Aristides lima anunciou que ia concorrer como independente, o Primeiro ministro disse no jornal da noite " ninguem poderá vencer as presidenciais fazendo oposição ao primeiro ministro e ao presidente do paicv"

e pensei: " melhor será monear MIS presidente e não perdemos tempo a ir votar""


Cabo verde está de parabéns .......ganhamos nós e não P.M

devo dizer ainda que o poder subiu-lhe à cabeça, mazs os caboverdianos mostraram que têm maturidade e não vao em cantigas.


Viva Cabo verde

Bitim disse...

Uma excelente análise... comentários para que???

Agora Cabo Verde vai passar por uma experiência nova e interessante, com os dois principais Órgãos de Soberania suportados por partidos diferentes. Vamos ver no que vai dar, espero que seja um grande passo para a nossa democracia e despartidarização da cabeça das pessoas.

Essa de Carlos Veiga ficar atrás do Zona é de pesares. Ontem a noite, no momento da declaração do JCF como presidente eleito, o Veiga aparece logo atrás, pensando com os seus botões - "Ai Deus, porque não seria eu a estar ai neste momento???]...

JB disse...

Tens razão, Odair! Obrigado pela chamada de atenção. Já está rectificado!

Anónimo disse...

Està errado uma vez mais! Você insiste mas nao percebe nada de politica.

Devia ter começado pelo fim. Foi uma vitoria da democracia e alias o proprio Zona assim a declarou. E' que ele sabe que ganhou por falta de comparência de Veiga.

Toda a gente sabe que Zona nao ganharia sozinho e é mentira que ele tenha tido que se candidatria sem o apoio do MPD. Ele disse precisamente o contrario: que nao poderia candidatar-se sem ter a garantia de um dos grandes partidos em primeiro lugar o MPD.

Ha declaraçoes nesse sentido e estranho que a imprensa esteja a dizer isso. Ele disse que estava disposto a candidatar-se mas que sabia que nao poderia ser eleito sem o apoio do MPD.

Mas sabia que o MPD tinha o seu candidato natural que era VEIGA e houve alias nos primeiros dias antes da declraçao uma guerra velada entre os dois. Veiga cometeu o seu erro mais grave na politica: o de nao ter-se candidatado.

Nesse interim, Zona fez pressao sobre o MPD, declrando entao a sua candidatura para obrigar o MPD a apoia-lo claramente. Alias houve o incidente entre ele e Amilcar.

Mais: ja na campanha da primeira volta Zona teve um mau arranque, cometeu montes de erros e so começou a ganhar no eleitorado quando o Veiga e O MPD entraram em acçao. Foi entao ele começou a ganhar pujança e a sua sua vitoria da primeira volta é uma vitoria clara e aberta de Veiga e do MPD. E da guerra que Neves fez contra Aristides. Zona ganhou por procuraçao, quer na primeira volta quer na segunda volta, devido a erros que o outro lado comegteu.

O fenomeno Neves, os seus ataques contra Arisdstides, a traiçao dos ratos que começaram por apoiar Aristides mas depois com medo de perder o tacho voltaram a casada.

Foi tudo isto que fez o POVo perder a estribeira e mostrar quem manda.

Alias o exemplo de Soncente é paradigmatico. Na primeira volta o povo ainda adormecido pelas mentiras do PAICV e Neves e Inocêncio la votou no Inocêncio. Mas depois na segunda volta, com a sujeira toda de Neves, a divisao do PAICV as trAI9OES entao o povo acordou. O povo percebeu e resolveu castigar o PAICV e NEVES.

Ganhou entao Zona. Alias como explicar a baixa de abstençao num dia de chuva e vao votar? Sim, o povo foi votar para castigar Neves, sobretudo para castigar, o PAICV, os traidores e nao para escolher Zona.

Assim é que é. E ja agora aprenda a ter coragem de fazer as analises a priori e nao a posteriori. Depois da vitoria é facil cada um dizer da sua justiaç.

Eu nao: sempre corri o risco e fiz as minhas analises antecipadamente.

Tchale Figueira disse...

EXCELENTE ANALISE JOÃO!

Lily disse...

O que eu queria escrever já está escrito ponto 12, por isso, se me permitir, faço minhas as suas palavras:"Parabéns à democracia cabo-verdiana, ao novo Presidente Eleito e ao Povo de Cabo Verde."

Álvaro Ludgero Andrade disse...

Excelente análise, João. Abraço.

argumentonio disse...

felicitações e boa sorte a Jorge Fonseca, ex-professor de direito na faculdade de Direito de Lisboa e reputado cidadão e político de Cabo Verde

boa sorte, igualmente, para a nova co-habitação

;_)))

JB disse...

A tal "mentira" do Anónimo, pela boca do próprio JCF na primeira entrevista como Presidente eleito:

"Apresentei a minha candidatura irreversível em Novembro de 2010, muito antes das legislativas - portanto, não sabia quem ia ganhar as eleições - e muito antes de ter o apoio político formal do MpD."

Link: http://www.ionline.pt/conteudo/144883-cabo-verde-o-novo-presidente-que-sonha-com-livre-circulacao-no-espaco-da-cplp

Anónimo disse...

Eu ja disse que você, JB, nao percebe nada de politica.

Como é evidente JCF tem interesse em dizer o que disse. Foi uma questao de tactica, e eu ja expliquei, era para pressionar o MPD.

Ja lhe disse, e eu posso desmentir o Zona, que ha gravaçoes, onde ele afirma explicitamente que apresentava a sua candidatura que so teria pernas para andar se fosse apoiado por MPD.

Alias mesmo nessa entrevista do ionline, ele diz isso de maneira encapotada, mas o Branco, nao citou essa passagem da dita entrevista.

Eu tenho declaraçoes do Zona, a dizer que so se candidataria se fosse apoiado pelo MPD.

Como colonista, como opinion maker, voc$e temù de estar melhor informado. Faça o seu trabalhinho de casa procurando a gravaçao que eu tenho e que voce nao tem.

Anónimo disse...

Joa Branco - sobre a analise: ( Aristides Lima)em relação ao seu futuro político em Cabo Verde. A meu ver só haveria um: demitir-se do PAICV e fundar um novo partido, junto daqueles quadros que o apoiaram, ligados ao partido ou independentes, que os houve em grande quantidade.... meu comentario - por isso é que és actor/encenador (?) e não analista político :)
Mirian

Anónimo disse...

Caro Anónimo que passa a vida a rebater... Eu Amo Vôce! :)

Anónimo disse...

Quer um cheirinho ou ja encontrou a gravaçao?

E nao precisa de me chamar "mentiroso" pois eu ainda nao lhe chamei mentiroso.
Alias antes do cheirinho, oh homem de Deus, mas independente do que Zona diz ou nao diz, você acha que seria possivel que ele ganhasse eleiçoes sem o apoio do MPD?

O problema nao é o que os politicos dizem deles. Como analista você é que tem de analisar e desmentir ou confrontar os politicos.

O politico tem sempre o interesse em dizer que é o maior do mundo e que nao precisa de ninguém.

Quer ou nao o cheirinho da gravaçao?

Aqui vai entao:

"Não é muito facil uma candidatura presidencial ter hipoteses de sucesso sem o apoio de um grande partido nacional como o MPD...."Jorge Carlos Fonseca

Foi apenas uma parte e esta parte ja diz tudo, mas ele foi ainda mais explicito acrescentando mais.....

Faça o trabalho de casa bem feito e nao chame ninguém mentiroso sem provas!

JB disse...

Nem vale a pena estar aqui a discutir o sexo dos anjos. O senhor Anónimo é que falou numa "mentira" desmentida pelo próprio JCF. Se o senhor tem gravações com declarações contrárias, é lá consigo. Ele dizer que dificilmente ganharia sem o apoio de um grande partido é uma declaração à La Palisse, toda a gente sabe isso. Agora, facto: largou a política activa, e mais ainda, a política partidária, há anos; facto: declarou-se oficialmente candidato antes de ver confirmado o apoio de qualquer partido. O MpD foi colocado perante um facto que já estava consumado. Apoiou e venceu. E estão ambos de parabéns, ponto final parágrafo.

Mirian, é isso mesmo, felizmente não sou analista político!

Anónimo disse...

Ponto final paragrafo!!!Na,na,na.. nao pode fugir assim com essa cambalhota mal feita!!!

Nao era o que estavamos a discutir. Você disse que ele nunca disse que.... Essa é que é a verdade factual.

E eu contrapuz, dizendo que nao, que ele disse e que ha gravaçoes que me dao razao.

Agora vem com esta finta de que o MPD, isto e aquilo..

Bem, ainda você nao era nascido que eu conhecia as manhas dos tugas, manhas que herdamos. Portanto nao esteja a desconversar porque comigo nao marcha...

Claro que você nao é" analista politico, ou duvida! Alguma vez estudou ciências politicas, sociologia ou filosofia?!

Claro que nao! Tem algumas luzes dessas ciências, como qualquer bom aluno que fez outro curso, tem dessas disciplina.

Mas também me pode dizer "eu sou analista politico", como tantos outros que andam por aqui? Nao é uma razao para eu vos dar o titulo de analistas politicos.

Sao mais uns manda-bocas, e têm esse direito; alias podem até diszer que sao analistas politicos, mas nao para mim que conhece o sentido das palavras.

Alias nunca percebi que para determinadas profissoes toda a gente pode ser, mas para outras ja nao; porque é que nao se mete a dizer que é médico, engenheiro civil ou psiquiatra?!!

Sim, psiquiatra para ver se consegue compor a cabeça de muita gente que anda a vender a sua banha da cobra!!!!

Enfim, nao percebo este seu virar de casaca? Antes da segunda volta, andou a apelar para as pessoas votarem no Jack, porque você dizia que outros, logo Zona, nao serviam para nada, que eram todos mau!

O que é que mudou entretanto? Ja està a contar com algum apoio do presidente Zona, que é até um homem de cultura?

Ja està a pensar nuns subsidios para os seus afazeres teatrais?!!!!!

Està a ver que eu sei pensar?! Pensar e analisar; em Talmud aprende-se a analisar cada palavra, cada virgula do tora! Sim, cada palavra da Biblia, é analisada de varios ângulos por um bom talmudista, por um praticante de do mishna e midrash.

Mas você sabe quantos volumes, quantos milhoes de paginas sao o Talmud, quer dizer a analise e o estudo da Biblia hebraica?!!!
Que dizer da analise de duas frases de politicos e analistas mediocres!!!!

Comigo nao ha tréguas: ou você é rigoroso ou apanha nas trombas!!!

Anónimo disse...

Bom relendo o meu comentario e porque algumas pessoas estranharam o meu "tom", clarifico que minha intenção foi "ironizar" e não ser "rude"! Se fui peço desculpas. No entanto é a unica analise que eu vi que considera que ARL saiu chamuscado ( quando todos dizem o contrario)... ou que coloca na mesa a possibilidade de ARL fundar outro partido... cenário no minimo "teatral" para mim. Mas é claro todos podemos fazer analises e "analisar as analises"... é a democracia!:) Mirian

Anónimo disse...

Exactamente, Mirian, ver o futuro politico do Aristides so na fundaçao do seu proprio partido, é nao perceber nada de analise politica.

So alguém que nao conhece a historia politica caboverdiana 74/2011 pode dizer uma tal enormidade.

So alguém que nao conhece os percursos dos actores politicos desse periodo pode dizer uma tal enormidade!

Ora bem, JB nao conhece nem esse historial nem esses actores.

E se lê-se mesmo os sinais que os proprios actores enviam para a sociedade ele nao teria escrito tal enormidade!

Aristides, por exemplo, sempre disso desde o começo, e outra coisa nao seria possivel, que a sua luta se passaria dentro do proprio partido PAICV.

Alias é uma luta que vem desde os primeiros anos de independência. Sempre houve tendências dentro do PAIGC, primeiro e depois no PAICV. E para ficarmos somente no PAICV, sempre houve 3 tendências, Aristides Pereira, Pedro Pires e Silvino. Depois passou-se para 2 tendências, a de Pedro Pires e a do José Maria Neves.

Ora bem, Aristides Lima, pertence (depois de ter feito parte dos jovens turcos Neves, MMatos, Inocêncio, Basil outros) à ala pirista, com Filu, Julio, Sidonio e outros; enquanto a segunda ala do PAICV é fudnamentalmente constituidos pelos ex-turcos encabeçados por Neves.

Os ex-turcos que foram criados para combater a liderança de Pedro Pires quando era lider do PAICV e que sairam a ganhar da disputa da liderança do partido ganha por Neves ao Pires.
Conclusao: a guerra continua pois o que està em jogo é a herança do partido historico e da memoria de AMilcar Cabral, disputadas por Aristides e Neves, ja que entretanto Pires sai para a reforma.

Mas como historico guerrilheiro que fez a luta na Guiné e foi companheiro de Cabral, Pires, gostaria que o partido ficasse sob o controlo de um dos seus filhos espirtuais Aristides, Filu ou Sidonio, e nao NUNCA, Zé Maria que teve o atrevimento de disputar-lhe a liderança do Partido que ele criou.

Até porque Pires, acha e bem, que Neves deve tudo ao partido que ele Pires criou. E que Neves foi um traidor e quis matar o Pai, que lhe deu tudo:pioneiro, jaac, formaçao interlectual e paicv e governo.

Quem nao sabe essas coisas e o historial 74/2011 farà,sempre analises cheias de buracos.

Eu pertenço a essa geraçao e em 74 fui dos poucos jovens que nao acreditou nesses comunistas que invadiram as ruas da minha Ilha de Soncente. Nunca fui militante desse partido, mas conheço esse partido e sua gente por ter estado sempre na linha da frente a estudar esses palhaços. TODOS, sem excepçao, e uma vez mais estiveram a digladiar-se, todos, desta feita através dos 4 candidatos que todos foram do PAIGCV.